Opinião

Catarina Carvalho

A credibilidade é o modelo de negócio do jornalismo

Na semana passada, numa aula de jornalismo, uma das minhas alunas apresentou um trabalho sobre Joacine Katar Moreira. A ideia era debater temas polémicos - o que, entre alunos que se propõem ser jornalistas, é basilar. O tema era livre, e a aluna escolheu a deputada do Livre - que era assunto polémico q.b., na altura, por causa da gaguez, inédita no Parlamento e que fez correr rios de tinta, provocou muitas opiniões divergentes e trouxe, mais uma vez, para o debate público uma violência e uma polarização como há muito não se viam.

Catarina Carvalho

Otília Macedo Reis

Continua a crescer o número de estudantes americanos que escolhem Portugal como destino

A edição de 2019 do Open Doors Report on International Educational Exchange, relatório anual publicado pelo Institute of International Education (IIE) e o Bureau of Educational and Cultural Affairs do Departamento de Estado norte-americano, revela uma vez mais que o número de norte-americanos que escolhem Portugal quando decidem estudar no estrangeiro continua a aumentar de forma muito significativa. O relatório dá conta de um crescimento de 23,7% em 2017-2018 em relação ao ano anterior, com um total de 857 estudantes americanos a escolher como destino as instituições de ensino superior portuguesas. Portugal assegura assim a décima nona posição no ranking dos vinte países europeus que recebem um maior número de estudantes americanos e o crescimento verificado é, em percentagem, o segundo maior no conjunto de países europeus que recebem mais de 500 estudantes americanos.

Otília Macedo Reis

Carla Bernardino

O muro e o arame farpado invisíveis

Uma imagem da beleza e do inconformismo aos 90 anos, mas com o braço direito partido, uma festa de 88 anos com um bolo com apenas duas velas - o sopro já não aguenta muitas mais -, ou uma solidão acompanhada de quem faz 92, a trincar a aliança e na companhia de amigos velhos: os que estão na fotografia e os poucos que restam na memória. O dinheiro não estica para pagar o lar, os medicamentos, as fraldas e a coragem. Três pessoas que têm estado a sós e esperam a ajuda de outras tantas para que cuidem delas. E há uma que as tem a todas, em parte, ao ombro e na carteira de uma pensão curta. Não são as três pessoas que estão sozinhas, são as quatro. Todas no limite de depressões e exaustões que não têm tempo para se curarem, mas que têm de se resignar e ser resilientes (para usar a expressão da nova felicidade e superação que se ouve em toda a parte).

Carla Bernardino

Maria João Caetano

Governantas

"Um homem não se consegue governar sozinho", resignava-se a minha avó, que passou grande parte da vida a cozinhar, a limpar e a arrumar. Dizia governar-se como quem queria dizer arranjar-se ou orientar-se. E dizia-o com uma certa condescendência. Coitados dos homens, como haveriam eles de se governar sem uma mulher em casa a passar-lhes as camisas a ferro e a fazer-lhes o almoço? Um homem tinha de pensar em assuntos importantes, tinha de trabalhar e ganhar dinheiro, tinha lá "as coisas dele" para fazer, precisava de alguém que lhe cuidasse das minudências. Alguém que tratasse do "governo da casa", essa arte cultivada pelas mulheres que (ainda há pouco tempo) liam os livros da Laura Santos, com títulos como Noiva, Esposa, Mãe ou A Mulher na Sala e na Cozinha, livros com capas duras e imagens de mulheres perfeitas, que ensinavam a tratar de bebés e a limpar os estanhos.

Maria João Caetano

O homem que consegue voar

O homem que consegue voar

Nos jogos olímpicos de 1984, mais de 2,5 milhões de pessoas assistiram à chegada do futuro pela televisão. Naquele dia, um homem chamado Bill Suitor sobrevoou o estádio com uma mochila autopropulsionada como as que, até aí, só se tinham visto na banda desenhada ou no cinema. Era o culminar perfeito para uma cerimónia ao mais puro estilo de Hollywood e ao jeito dos excessos da era Reagan.O que nem toda a gente sabe é que aquela ideia, foi o plano B para resolver um problema de última hora. O estádio devia ter sido sobrevoado não por um ser humano, mas por uma imponente águia que fora intensamente treinada durante um ano para o evento. Porém, o pobre animal morreu quatro dias antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos. Por isso, naquele dia, Bill Suitor vestiu um macacão multicolor e pôs aos ombros aquela mochila, que se destinava a ser utilizada pelo exército dos Estados Unidos. O seu voo faz parte da história das Olimpíadas e da memória de muitas gerações que, ao vê-lo, imaginaram um futuro repleto de gente a voar pelas ruas das cidades.Foi, sem dúvida, este sonho de multidões voadoras que incentivou Michael Browning a passar toda a sua vida a idealizar os mais fabulosos aparelhos para voar. Embora tenha sido o seu filho, Richard, que se chegou à frente e conseguiu construir um fato voador que recorda o que Anthony Stark usa para se transformar no Homem de Ferro. Richard Browning é o fundador da Gravity, uma empresa através da qual desenvolveu, construiu e patenteou um sistema de voo pessoal. Durante os últimos dois anos, a empresa levou o seu fato a mais de 60 eventos em 20 países diferentes, demonstrando que é uma tecnologia viável. Assim, é possível que o futuro se tenha feito esperar um pouco mais do que se pensava nos anos oitenta, mas quem sabe não estará já a chegar...Entrevista e edição: Joel Dalmau | Azahara Mígel | David Giraldo Texto: José L. Álvarez Cedena

Projeto de família: imprimir um Lamborghini

Projeto de família: imprimir um Lamborghini

Henry Ford, criou a linha de montagem para a sua fábrica e impulsionou um modelo de empresa que acabaria por se impor no país e por ser exportado para o resto do planeta no século XX. Por isso, nada de fazer piadas com o que sai de uma garagem do Michigan, da Pensilvânia ou... do Colorado.Foi precisamente neste estado no oeste dos Estados Unidos da América que nasceu um projeto que aliou esse espírito empreendedor às novas tecnologias e à filosofia do "faça você mesmo". Trata-se de uma réplica do Lamborghini Aventador que um professor de Física e o seu filho mais novo construíram na garagem de casa, imprimindo as suas peças em 3D.Quando o membro mais novo da família Backus perguntou ao pai se lhe podia dar o seu carro preferido do videojogo Forza Horizon 3, este deveria ter respondido que os mais de 300 mil euros que custa a versão base do veículo italiano estavam bastante longe do orçamento familiar. Em vez disso, com muito engenho, conhecimentos de engenharia, cerca de 20 mil euros e um sem-fim de tutoriais do YouTube, o professor Sterling Backus e o seu filho conseguiram uma proeza com a qual se divertem não só eles, mas também todas as crianças da vizinhança. Uma excelente demonstração de que a ciência e a tecnologia podem ser divertidas e motivo de inspiração para os mais novos.Entrevista e edição: Azahara Mígel e Ainara NievesTexto: José L. Álvarez Cedena