Atualidade

Opinião

Maria do Rosário Pedreira

Mascarada

Contaram-me que o poeta e jornalista Fernando Assis Pacheco e a sua família adoravam o Carnaval e - disfarçados com perucas, chapéus e roupas espalhafatosas ou trapalhonas - faziam verdadeiros "assaltos" a casa de amigos e conhecidos que, frequentemente, tardavam a perceber quem tinham à frente. E que uma vez, ficando a saber que em Mérida havia um Carnaval famoso, para lá rumaram com a mala cheia de trajes e adereços, andando mascarados pelas ruas da cidade.

Maria do Rosário Pedreira

Viriato Soromenho-Marques

Médicos e doentes

Não, este não é um artigo sobre a despenalização da eutanásia, mas pode ajudar no lento processo de reflexão a montante, imprescindível para formar uma opinião madura sobre qualquer assunto. Por convite do médico José Poças e do bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, tive a missão de apresentar em Setúbal um livro coordenado pelo primeiro: A Relação Médico-Doente: Um Contributo da Ordem dos Médicos, Lisboa, By the Book, 2019, 755 pp. Trata-se de uma obra muito extensa, rica na diversidade do seu conteúdo - basta referir que para ele contribuíram 81 autores, alguns deles fora do campo médico - e orientada para um alvo concreto: a OM mobilizou-se para uma tarefa visionária iniciada em Espanha, a saber, apresentar à UNESCO uma candidatura da Relação Médico-Doente como Património Imaterial da Humanidade! Mesmo que este objetivo, requerendo uma grande coligação internacional de associações e personalidades, não venha a ser atingido, este livro é um bem em si próprio pelas muitas janelas que abre para o mundo intenso, doloroso e comovente dos laços que a doença cria entre quem precisa de ser cuidado e quem presta esse socorro.

Viriato Soromenho-Marques

Ferreira Fernandes

Portugal é coiso? Ou Portugal não é coiso?

Vamos lá saber: Portugal é racista ou Portugal não é racista? Então, já agora: Portugal é gatuno ou Portugal não é gatuno? Enfim, para dizer tudo e por atacado: Portugal é ou não é? Eis do que não vou falar nesta crónica. Não vou alimentar o exercício de jornais e redes sociais que preferem a certeza imprecisa do sim ou sopas. Própria do carimbo definitivo, só para açular a conversa. Quando a verdade é mais copulativa: sobre quase tudo, Portugal é e não é. Própria da vontade de encontrar soluções.

Ferreira Fernandes

João Céu e Silva

O mundo seria maior sem pontes

Falar de pontes pode parecer um debate estéril, mas sem elas o mundo seria maior e hoje em dia queremos tudo à distância de um dedo. O que diriam os milhares de pessoas que vão passar o fim de semana ao Algarve se não tivessem a Ponte 25 de Abril para os pôr em casa em poucos minutos e fossem obrigados a ir até Cacilhas e atravessar o rio num ferry, com filas pelo meio ou ir por Vila Franca de Xira e fazer o único bocado de autoestrada que então existia em Portugal?

João Céu e Silva

Carla Bernardino

O corte e a faca

A violência em contexto de intimidade já começa a somar vítimas em 2020. Desde denúncias previamente conhecidas às que ainda estão por denunciar, os cortes no amor feitos à faca começam cada vez mais cedo, na adolescência, e prosseguem vida fora, até ao limite da (des)esperança média de vida. Nesta semana acordámos com mais uma vítima, mulher, de 80 anos, que sucumbiu fatalmente às mãos do marido, também octogenário, e de uma faca. A seis cortes e uma separação decisiva e eterna.

Carla Bernardino

Aplicações pensadas para que nada nos tire o sono

Aplicações pensadas para que nada nos tire o sono

Se mantivermos uma média de oito horas de sono (entre seis e oito por dia para um adulto), passaremos mais de um quarto de século a dormir, nada menos do que um terço das nossas vidas. Um tempo que não é, de todo, um desperdício. Durante o sono, ocorrem funções imunológicas, endócrinas, de aprendizagem e de memória, recuperam-se energias e descontraem-se os músculos. Dormir ajuda a consolidar as novas recordações e a atualizar as antigas. De algum modo, o nosso cérebro sabe o que é importante para o nosso equilíbrio mental e o que é melhor descartar através do esquecimento. Doenças como a ansiedade ou a depressão estão, por vezes, relacionadas com maus hábitos de sono. Por isso, é fundamental dormir o suficiente e dormir bem.Nos últimos anos, surgiram algumas aplicações e dispositivos tecnológicos para nos ajudar a fazer algo que devia ser tão natural como beber ou comer e que, no entanto, com o ritmo acelerado da sociedade ocidental, se está a tornar num problema que afeta cada vez mais pessoas. De facto, segundo a Sociedade Espanhola de Neurologia, entre 20% e 48% da população adulta sofre, em algum momento da sua vida, de dificuldades em iniciar ou manter o sono. Entre estas invenções pensadas para nos ajudar a ter um sono de qualidade, incluem-se um dispositivo que pode ser colocado na testa, um tapete e uma almofada inteligente, todos eles ligados a aplicações móveis. América Valenzuela foi experimentá-los e analisou os seus resultados com Celia García Malo, uma neurologista especialista em sono.Edição: Azahara Mígel | Ainara NievesTexto: José L. Álvarez Cedena

A app que mostra o ângulo de inclinação da sua moto

A app que mostra o ângulo de inclinação da sua moto

"Há duas formas de chegar a casa. A primeira consiste em nunca sair. A outra consiste em dar a volta ao mundo até chegar ao ponto de partida." Esta frase, tão cheia de humor como de rebeldia meramente dissimulada, pertence à introdução de "O Homem Eterno", um dos livros mais conhecidos de um dos autores mais famosos do Reino Unido, G. K. Chesterton. O britânico foi um escritor notável e um destacado criador de aforismos: não há nenhuma página de citações na internet que não inclua algumas dezenas de frases suas. Não pelos pensamentos, mas sim pela descrição da paixão do viajante, a espanhola Alicia Sornosa tem muito em comum com Chesterton. Porque ela é uma daquelas mulheres que escolhe sempre o caminho mais longo para regressar a casa. Tanto que esse caminho a levou, há uns anos, a demonstrar a veracidade do aforismo, pois tal como ela própria descreve no seu website: "Saí em plena crise para dar 'uma volta de moto'. Em outubro de 2013, regressei a Espanha após ter percorrido os cinco continentes, conquistando o título de primeira europeia e mulher de língua espanhola deste século a dar uma volta ao mundo na sua moto."Acompanhados por Alicia, visitámos o quartel-general de uma marca mítica para os motards, a italiana Ducati. Foi lá que pôde testar a tecnologia instalada numa das melhores motos da marca, a Multistrada, equipada com vários sensores e ligações que permitem a comunicação entre a máquina e um dispositivo móvel. Através da tecnologia Bluetooth e de uma aplicação, o condutor pode não só ouvir música ou atender chamadas, como também registar várias informações, como a velocidade, o ângulo de inclinação, a aceleração ou a potência média utilizada num percurso. Esta aplicação permite ainda partilhar detalhes dos itinerários, imagens e comentários com a restante comunidade Ducati. Alicia, que percorreu estradas muito complicadas em países como o Quénia ou a Índia, conduziu esta moto pelos arredores de Bolonha e as suas impressões não podiam ser melhores.Entrevista e edição: Alicia Sornosa | Azahara Mígel | Ainara NievesTexto: José L. Álvarez Cedena

Insider

Xperia 1 II é a primeira aposta da Sony para o mercado 5G

Xperia 1 II é a primeira aposta da Sony para o mercado 5G

Mesmo sem Mobile World Congress, a Sony está a apresentar novos equipamentos. Um deles é o Xperia 1 II, o primeiro smartphone 5G da marca. Através de livestream, a empresa japonesa apresentou as novidades que tinha estipulado para o Mobile World Congress (evento dedicado à área mobile, cancelado devido às preocupações com o coronavírus). Uma das apostas é um novo topo de gama, já com compatibilidade com a próxima geração de redes móveis. Este smartphone conta com um ecrã 4K OLED HDR, com 6,5 polegadas. Na área ao áudio, a empresa recorre ao sistema Dolby Atmos e incluiu ainda um [...]

Publicidade mobile irá bater recorde de 220 mil milhões

Publicidade mobile irá bater recorde de 220 mil milhões

A média de tempo gasta nos canais móveis já ultrapassou as três horas e quarenta minutos por dia, estima a firma de análise de mercado App Annie. Vale a pena recordar que estes números contam apenas com os telefones Android; juntando os dispositivos da Apple, a contagem é ainda maior. Com um número crescente de utilizadores a priorizar os canais móveis, com especial destaque para os smartphones, a App Annie estima que os gastos com publicidade mobile atingirão, neste ano, um valor recorde de 220 mil milhões de euros, mais 26% do que em 2019. Não é segredo que, com os utilizadores cada [...]

Cientista responsável pelo "Cortar, Copiar e Colar" que inspirou Steve Jobs morre aos 74 anos

Investigador que ajudou a tornar os computadores (e aparelhos móveis) aquilo que são hoje, mudou o futuro da Apple após conhecer Steve Jobs Larry Tesler é considerado um ícone dos primórdios da computação, tendo sido um precursor em Silicon Valley e o homem que mostrou a Steve Jobs inovações como o rato de computador e outros elementos gráficos que mudaram a forma como usamos aparelhos digitais. Morreu aos 74 anos. O nome de Larry Tesler é desconhecido para a maioria das pessoas que utiliza diariamente aparelhos de computação, sejam eles smartphones, computadores (de secretária ou portáteis) ou tablets. Na verdade, são cerca de 4,5 [...]

Talkdesk quer revolucionar indústria dos contact centers com robô virtual

Talkdesk quer revolucionar indústria dos contact centers com robô virtual

Tecnológica portuguesa focada nos centros de contacto vai lançar 20 novos produtos nas primeiras 20 semanas de 2020 e apostar mais do que nunca em inteligência artificial para soluções automatizadas. A Talkdesk, empresa de software na cloud para contact centers de empresas inovadoras, acaba de anunciar em comunicado o que diz ser um ambicioso programa "para liderar a inovação na indústria dos contact centers em 2020". A empresa vai introduzir 20 novos produtos no mercado nas primeiras 20 semanas do ano. Em destaque está o chamado "Talkdesk 20-in-20", que arranca com o lançamento do Agente Virtual, um assistente de conversação [...]

V Digital

O Pagani Imola é a variante mais radical do Huayra

Pagani Imola: o superdesportivo que custa 6 milhões e já está esgotado

A empresa italiana revelou imagens do Pagani Imola, a variante mais radical do Huayra, pensada para condução em circuito, ainda que a marca o anuncie como superdesportivo homologado para estrada. Chama-se Imola porque foi na famosa pista italiana que foi desenvolvido, afinado e testado. Segundo o fabricante, o modelo completou cerca de 16.000 km naquele traçado, distância mais do que suficiente para cumprir por três vezes as 24 Horas de Le Mans. O Imola tem um preço que rondará os 6 milhões euros (sem extras...) e será fabricado numa edição limitada a apenas 5 unidades, todas já com dono...