Atualidade

Opinião

Ferreira Fernandes

E no meio do vírus, surgem abençoados testes às palavras

Pouco a pouco vamo-nos dando conta, o mal não é o confinamento, é mesmo o covid-19. Os jornais e as redes sociais, também com lentidão, vão repercutindo essa perceção. Os lamentos espúrios (a palavra é essa, sinaliza o que não é legítimo nem deve ser perfilhado), os "ai, que incómodo!" - e o incómodo é o fim de semana sem Bairro Alto, é o perder o sol da primavera, são tretas... - estão a ser derrotados pela consciência paulatina da tragédia.

Ferreira Fernandes

Adriano Moreira

Reinventar o Estado

Com justificados propósitos mas enfrentando na mudança dos tempos o desafio de uma racionalidade sustentável e inovadora, multiplicam-se as evidências do desânimo sobre a viabilidade do Estado e a incapacidade de assumir uma resposta eficaz às surpreendentes novidades dos factos. Por exemplo, David van Reybrouck, uma autoridade na Bélgica, escreve sobre o espaço da União Europeia um livro com o título Contra as Eleições, analisando a crítica que acompanha o tema, em todo o caso apoiado por J.M. Coetzee, que na própria capa escreve, quanto ao seu país, que, segundo parece, "a eleição de nossos governantes, com o voto popular não logrou um autêntico governo democrático: este parece ser o veredicto da história que se desenrola diante dos nossos olhos... Talvez tenha chegado o tempo para essa ideia".

Adriano Moreira

Francisca Van Dunem

Um Estado decente não abandona os seus cidadãos, mesmo os presos

Na passada quinta-feira, 2 de abril, o governo aprovou, para submeter ao Parlamento, um conjunto de medidas com vista a prevenir a propagação do covid-19 entre a população prisional. São medidas que conduzirão ao cumprimento de penas em regime de prisão domiciliária, medidas que conduzirão à libertação de condenados por crimes de baixa densidade ou em cumprimento de final de pena e de presos com idade superior a 65 anos, em situação de saúde frágil. Estão excluídos do universo desta intervenção os condenados por crimes hediondos, como homicídios, roubos ou crimes contra a liberdade e a autodeterminação sexual.

Francisca Van Dunem

Ficar em casa

Graça Henriques

Quando ir ao banco até parece uma mudança de continente

O coronavírus apanhou-me desprevenida com a impressora avariada, quase elevada ao estatuto de mono. Do banco diziam-me que tinha mesmo de assinar o documento, que se não tinha como imprimi-lo e digitalizá-lo era preciso deslocar-me às instalações. Ainda fingi alguma relutância, mas depressa vi ali uma oportunidade para sair do bairro e ver como "mexe" a cidade... Afinal, nos tempos que correm, afastar-me dois quilómetros de casa tem praticamente o sabor de uma viagem intercontinental!

Graça Henriques

Filipe Gil

Lembranças de conservas

Gosto de recordar pessoas pelas suas manias. Aquelas únicas e originais de que nos lembramos quando estamos longe ou temos saudades. Seja algo físico como uma maneira peculiar de mexer no cabelo para adormecer ou a forma de atender e mexer no telefone ou até mesmo o vestir uma certa peça. Lembro-me de uma certa forma de o meu avô pentear os seus já poucos cabelos num espelho oval com a figura de um jogador dos anos 1940 do Sporting. Ou da forma como o meu pai me dizia para ter cuidado sempre que ia fazer surf: "Não te afastes muito..."

Filipe Gil

Ricardo Santos

Quatro Estrelas Michelin

Foram cinco dias a caminhar entre os 1500 e os 3800 metros de altitude, para cima e para baixo pelos Andes peruanos. À custa de um mosquito e da infeção que causou, os pés já estavam a passar para o azul, depois da vermelhidão e das comichões iniciais. Só doíam ao fim de cada dia do trekking, quando o corpo percebia que era tempo de descansar. A última noite antes de chegar a Aguas Calientes - que hoje se chama Machu Picchu Pueblo - foi passada num baldio de uma pequena aldeia que não sei mesmo se teria nome. Num rés-do-chão com as portas fechadas, Freddy, o guia, montou uma discoteca. A bola de espelhos rodava, a música saía do computador e, na parede, posters de duas impossibilidades por aquelas paragens: Tina Turner e uma praia paradisíaca.

Ricardo Santos

Leonídio Paulo Ferreira

Paris, Texas vale bem uma reportagem

Tinha 13 anos quando se estreou Paris, Texas e claro que me disse mais o cartaz com Nastassja Kinski do que a assinatura de Wim Wenders como realizador. E foi só por ter visto o filme uns anos depois que não repeti, como cheguei a ouvir, que falava de uma viagem do Texas até Paris. Sim, há gente a viajar nele, mas sem sair do Texas, ainda que quando uma das personagens fala de Paris a outra pense logo em França. Estamos todos desculpados.

Leonídio Paulo Ferreira

João Céu e Silva

O estigma sobre o suspeito não infetado

O primeiro sintoma de quem é suspeito de estar infetado com o coronavírus é o estigma social. E se a tosse não surge nem a temperatura aumenta, ainda custa mais ao alegado suspeito esse sentimento por parte daqueles com quem convive. Senti isso na pele desde domingo, quando se soube que o escritor Luis Sepúlveda e mulher estavam hospitalizados e que tinham todos os sintomas desta praga, através das mensagens que começavam assim: "Estás de quarentena, não é?" A pergunta não era "estás bem?" ou "sentes alguma coisa?"; não, a palavra-chave era "quarentena". Ou seja, desaparece da nossa vista.

João Céu e Silva

Insider

App europeia rastreia as populações (ao estilo asiático) mantendo a privacidade

App europeia rastreia as populações (ao estilo asiático) mantendo a privacidade

Uma app para rastrear a propagação do vírus na Europa (preservando a privacidade) está a ser criada por investigadores e replica modelos já usados na Ásia para evitar contágio entre a população. Um grupo de especialistas europeus - de universidades e empresas - anunciou esta quarta-feira que, até 7 de abril, conta lançar uma app para smartphones de forma a ajudar a rastrear indivíduos que possam ter entrado em contato com pessoas infectadas com Covid-19. A iniciativa pretende seguir o que se tem visto em países asiáticos como a Coreia do Sul, Singapura, China, entre outros e, ajudar assim, as [...]

Ataques informáticos diários quadriplicaram devido a pandemia

Ataques informáticos diários quadriplicaram devido a pandemia

A Check Point dá conta de um aumento drástico no número de ciberataques diários ligados ao coronavírus. Pico de ataques aconteceu a 28 de março. Ao longo das últimas duas semanas, o número de ciberataques ligados ao tema do coronavírus aumentou significativamente, segundo revela a investigação da Check Point. A empresa de segurança indica que, de algumas centenas de ataques ligados a este tema registados em fevereiro, março trouxe um drástico aumento dos números de episódios diários. Em média, a Check Point indica que estejam a ocorrer 2600 ciberataques por dia, aproveitando o tema do coronavírus. O pico de ataques aconteceu no dia 28 de [...]

Houseparty oferece um milhão a quem provar "campanha de difamação" contra app

Houseparty oferece um milhão a quem provar "campanha de difamação" contra app

A Houseparty refere que os relatos de supostos ataques através da aplicação são "uma campanha comercial" para prejudicar a imagem do serviço. Após as acusações de utilizadores que indicavam que tinham sido alvo de ataques informáticos após terem instalado a aplicação de videochamadas Houseparty, que levou várias pessoas a apagarem a aplicação e a remover contas, os criadores da app partilham uma nova informação. Ao final do dia desta segunda-feira, a Epic Games, dona da aplicação, já tinha negado as acusações, garantindo a segurança do serviço. Já durante a madrugada, a Houseparty avança que este episódio pode tratar-se de uma campanha para prejudicar a aplicação, [...]

Venda de impressoras cresceu 231% devido a pandemia

Venda de impressoras cresceu 231% devido a pandemia

Com a declaração do Estado de Emergência em Portugal e com mais portugueses confinados a casa, a venda de produtos tecnológicos caiu 18% na semana de 16 a 23 de março, revela a análise da GfK Portugal. A comparação é estabelecida em relação à mesma semana do ano passado. Ainda assim, há pelo menos uma classe de produtos que cresceu significativamente: a categoria dos produtos ligados ao escritório (Home Office). A GfK indica que a área de impressoras multifuncionais cresceu 231% na semana passada. Também a venda de portáteis sofreu um considerável aumento (62%). Com mais trabalhadores a passar do escritório para casa, recorrendo ao [...]