Destaques

Atualidade

Edição do dia

Opinião

O que vamos dizer aos nossos filhos?

No dia 6 de agosto, com repercussões em todo o mundo, foi conhecido um importante estudo sobre alterações climáticas, dado à estampa pela prestigiada Academia das Ciências dos EUA, com o título "Trajetórias do Sistema Terra no Antropocénico". Antes de ir ao essencial, gostaria de frisar a qualidade científica dos seus 16 coautores. Destacaria dois, que tenho o prazer de conhecer pessoalmente, o coordenador, Will Steffen, que persegue uma carreira brilhante na Austrália e na Suécia, e Hans Joachim Schellnhuber, talvez o mais influente cientista europeu, diretor do Instituto de Clima em Potsdam. Os cientistas do Sistema-Terra fazem hoje o trabalho que até ao século XVIII pertencia aos filósofos: pensar o mundo como um todo dinâmico. Contrariando a ciência tradicional, servida às fatias, em especialidades não comunicantes, os cientistas da Terra usam todos os meios poderosos hoje disponíveis, desde os supercomputadores aos modelos de circulação geral da atmosfera, analisando com rigor quantidades antes inimagináveis de dados do nosso planeta, tanto em tempo real como em séries históricas que podem recuar milhares e mesmo milhões de anos.

Viriato Soromenho-Marques

Serviço militar obrigatório

oltámos a ser recentemente confrontados com mais uma declaração do ministro da Defesa sobre possibilidade de se restabelecer o serviço militar obrigatório. E digo voltámos, porque desde que este governo iniciou funções já por diversas vezes que o titular da pasta vem tentar trazer este tema para a agenda. O mesmo ministro que não sabe justificar o desaparecimento de material militar, para quem Tancos é ainda um mistério, considera que a falta de efetivos nas Forças Armadas se resolve com o regresso do serviço militar obrigatório. Para mim, o mistério reside na situação de Azeredo Lopes ainda ser ministro. Mas adiante.

Margarida Balseiro Lopes

DN Life

Evasões 360

Real Companhia Velha prestes a abrir novo museu-enoteca

Percorrer os dois séculos de história da Real Companhia Velha é também recapitular a história dos vinhos do porto e do Douro. A empresa, fundada em 1756, foi oficializada com alvará régio de D. José I, e este é um dos documentos históricos que podem ser vistos no 17.56 - Museu & Enoteca, o novo centro de visitas da casa produtora de vinhos, no cais de Gaia. «Pretende-se materializar a missão da empresa, tendo como foco a primeira demarcação», afirma Pedro Silva Reis, presidente da Real Companhia Velha. É a data da demarcação da primeira região vinícola do país que […]

9 praias urbanas no norte obrigatórias neste verão

São de fácil acesso e têm todas as comodidades para quem gosta de estar sobre a areia sem sair do conforto que as cidades têm para oferecer. As praias do Porto, de Matosinhos e de Gaia são muitas e estão bem equipadas para aproveitar os fins de semana de verão em família, para praticar desporto ou visitar património que conta histórias da nossa costa. Conheça nove sugestões a norte percorrendo a fotogaleria acima!   Leia também: Estas praias têm água de coco do Brasil, Tailândia e Costa Rica Praias e piscinas de água doce para ir a norte Praias de […]

Lisboa tem uma esplanada anti-calor em frente ao Tejo

Cocktails em jarro e um sistema de aspersores: é com esta dupla que o Cais da Pedra responde às altas temperaturas do mês de agosto em Lisboa, assegurando conforto aos clientes que se sentam na esplanada em frente ao Tejo. Os aspersores, discretos e praticamente silenciosos, libertam gotículas de água periodicamente sobre a esplanada e ajudam a refrescar o ar, enquanto à mesa chega um jarro de Black Forest Mule (individual, 8euro; jarro, 23,90euro), um dos quatro cocktails disponíveis a jarro na carta do Cais da Pedra. Esse leva morangos e amoras pretas, vodka, canela, sumo de arando e ginger […]

Uma rua em Cedofeita para beber e petiscar noite dentro

Esta ruela da Baixa portuense, que faz a ligação entre a concorrida Rua de Cedofeita e a das Oliveiras, foi alvo de obras de requalificação que lhe deram uma nova cara. Reabriu à circulação em abril, com piso em calçada portuguesa de padrão semelhante à rua de mesmo nome, passeios largos, que facilitam a mobilidade pedonal e novas redes de saneamento. Seguiram-lhe o exemplo algumas das casas que ali funcionam e que aproveitaram a deixa para fazer algumas remodelações, tanto na decoração como no conceito. A Travessa de Cedofeita, em tempos delimitada pelo antigo Tribunal de Execução de Penas do […]