Manchete

Opinião

Ventos e casamentos do sistema partidário espanhol

Nos últimos cinco anos o panorama político espanhol alterou-se profundamente, fazendo dele uma espécie de súmula dos movimentos de transformação política que ocorrem no mundo ocidental. Olhar para Espanha é um exercício relevante para entender o que pode suceder aqui.O fim do bipartidarismo Quando, em 2011, o PP ganhou as eleições, tudo estava em ordem. Desde 1996 que os espanhóis viviam em alternância. Era agora a vez do PP. O que Rajoy não sabia é que o bipartidarismo morria: em 2015, o PP perdeu a maioria, o PSOE perdeu votos, e irromperam o Podemos e o Ciudadanos. O desarranjo foi tal que ninguém se entendeu. As eleições repetiram-se: o PP pouco cresceu, o Podemos não superou o PSOE, o Ciudadanos desceu e o PSOE teve o seu pior resultado; o bipartidarismo, esse, não regressou. Rajoy lá formou um governo que, pouco depois, caiu numa moção de censura. Agora, sem eleições, o PSOE governa de forma ainda mais minoritária. Quando se tornou evidente que o sistema tinha quatro partidos nacionais, as eleições andaluzas revelaram a irrupção de um antes moribundo Vox, um partido que apela a temas rotulados como de extrema-direita, e que as sondagens já veem no Parlamento nacional. Passarão a ser cinco? Como é que em poucos anos tudo mudou? Penso que há quatro fatores que ajudam a explicar esta transformação.A crise de 2008 Fundado a partir do movimento dos indignados (que liderou as manifestações contra os efeitos da crise), o Podemos concorreu às europeias de 2014 e teve 8%. Em 2015, nas legislativas, teve 20%. Nunca a esquerda anticapitalista, antissistema, adepta da democracia direta, tinha tido tanto voto. Mas enquanto o PSOE era a cara da crise e o PP aplicava a austeridade, Iglesias tinha tudo a favor: outsider, fora de casos de corrupção, podia prometer, dominava as redes sociais e não saía da televisão. Era o tempo em que o Podemos sonhava com o sorpasso. Parecia imparável. E é normal. Em tempos de crise, de desespero, não é possível exigir às pessoas que não cedam a discursos fáceis: as pessoas querem autenticidade e política - o economês deixa de relevar e as caras antigas soam a passado. Entretanto, o Podemos foi perdendo votos e vigor à medida que se foi revelando. O seu n.º 3 empregava precários, o seu n.º 2 recebia dinheiro da Venezuela, e Iglesias comprou casa de milionário, exigiu a tutela dos serviços secretos e ainda nesta semana pediu desculpa por coisas que disse há anos. O Podemos continua relevantíssimo, mas ninguém o imagina imparável. Não colhe a tese de que temos de nos converter ao populismo para ganhar. O maior inimigo do populismo é o tempo. Mas não podemos confiar apenas no tempo ou achar que o populismo surge inevitável em determinados contextos: o populismo tem de ser combatido diariamente. Porque o Podemos esteve quase lá.Uma corrupção entranhada Nem PSOE nem PP têm bom registo em matéria de corrupção. Mas durante a governação de Rajoy a sucessão de casos envolvendo o PP foi tal que o partido passou mais tempo a explicar-se do que a apresentar os resultados da economia. Foi um vendaval. O filão era bom demais. A cada caso, lá vinham Iglesias e Rivera falar de ética, apresentando o seu bom cadastro. O PSOE bem tentou, mas tanto vidro no telhado não ajudou. A corrupção entranhada, sistémica, é hoje mortal: expulsa os eleitores, empurrando-os para quem souber assumir a renovação, independentemente das suas ideias. Já não dá para esperar que passe. Tem de se agir depressa, e isso nem sempre é fácil, até perante o risco de judicialização da política. Um sistema político, por mais estável que seja, pode hoje ser transformado de alto a baixo por causa de um caso de corrupção. Uma má decisão judicial, uma errada avaliação administrativa, um qualquer caso que há anos passaria incólume, podem ser o gatilho de um movimento imparável, agregando o descontentamento. É bom que se tenha noção disso. Em 2011, o PP parecia destinado a governar oito anos sem problemas. Hoje, todas as figuras de 2011 estão na sombra. Uns presos, outros demitidos, outros no meio de escândalos. E nenhum partido é imune a casos destes - a diferença está na forma como se reage a eles.A reação ao independentismo O Ciudadanos nasceu na Catalunha em 2006, com um discurso contra o independentismo tão vigoroso que dirigentes nacionais do PP o elogiavam. Conseguiram dar o salto nacional em 2015, quando a questão catalã se tornou nacional graças às ameaças do governo autónomo, que preparava aventuras referendárias e provocações várias, muitas xenófobas. Para a maioria dos espanhóis, que é soberanista, o independentismo é uma ameaça ao seu mundo, ao seu modo de vida. A tibieza de Rajoy a lidar com os independentistas e de Sánchez a demarcar-se deles tornaram o Ciudadanos uma opção: ganhou as eleições na Catalunha e foi, além do soberanista Vox, o único a crescer na Andaluzia; a nível nacional, ficaram em quarto, atrás do Podemos, mas as sondagens mostram-no a crescer consistentemente. O tempo é um bom aliado. Rivera nunca precisou de ser extremista, o que é resposta aos que dizem que só os extremismos podem crescer. E percebeu que em questões políticas - o independentismo e a corrupção - as pessoas querem respostas políticas. Os bons resultados da governação não chegam para animar. É aliás visível que o novo líder do PP já percebeu isso, e ainda bem. Do que as pessoas precisam, num momento em que o seu mundo é colocado em causa, é de assertividade e de liderança política, e para isso não é preciso lunatismo. Mudança sensata era um dos slogans de Rivera. Não se deu mal com a afirmação da sensatez.A indignação com a influência dos radicais O atual governo do PSOE converteu-se numa normalização de partidos pró-ETA, de independentistas e de extrema-esquerda. Têm hoje um papel político e mediático mais central do que nunca. É impossível não esperar indignação, uma contrarresposta, não só dos moderados mas também de outros radicais que, nessa normalização, encontram legitimidade. Essa normalização começou antes de Sánchez. O Podemos conseguiu um relevo mediático ímpar desde a fundação, passeando-se pelo espaço público com uma superioridade moral inaceitável num simpatizante de ditaduras e ternurento com terroristas. O PSOE não soube o que fazer, temendo a pasokização: aproximar-se podia ser fatal, distanciar-se podia ser amuo. O PP ignorou-lhes o magnetismo, confiando que os resultados da economia bastavam. Deixaram-no a sós na arena. Foi um erro colossal. Por um lado, porque foi enganando muita gente, com o jeito manso que esconde o fanatismo. Por outro, porque o eleitorado moderado, atacado, acusado, caricaturado, por um Iglesias cada vez mais cheio de si e ofensivo, sentiu-se órfão. E quando os moderados se sentem órfãos, quando os seus partidos parecem não reagir, podem bem encontrar espaço noutros radicais. A relativização de um extremo é um erro que se paga caro, uma espécie de convite ao extremo oposto. A irrupção do Vox explica-se assim. E, sem o Ciudadanos, o Vox, que já existia, teria irrompido mais cedo.Portugal Não podemos extrapolar estes fatores diretamente para Portugal, mas eles podem ajudar a detetar tensões e movimentações, assim como podem servir de aviso ou guia de reação. Não penso que estejamos imunes a fenómenos destes. Há populismo de esquerda em Portugal, tão aceite e entranhado que há quem só esteja à espera de um gatilho para reagir. Mas sobre Portugal terei tempo de escrever noutra oportunidade.

Adolfo Mesquita Nunes

DN Life

Um bom pai faz "como os antibióticos: uma asneira de oito em oito horas"

Do que se queixam as crianças? Quais as suas reclamações? O que não gostam que os pais façam? Estas eram algumas dúvidas que Eduardo Sá tinha antes de preparar o seu mais recente título. O Livro de Reclamações das Crianças reúne protestos e lamentos, compilados pelo psicólogo, especialista em educação parental, que há mais de trinta anos ouve famílias... para tentar ajudá-las a ouvirem-se melhor. Uma conversa em que se falou também de castigos, avós, professores e do poder do sexto sentido. Entrevista de Paulo Farinha | Fotografias de Filipa Bernardo/Global Imagens Este Livro de Reclamações das Crianças nasceu de [...]

Está sempre a esquecer-se de coisas? Esta solução pode ajudar

Quantas vezes deixou passar um compromisso importante, esqueceu-se do pin do telemóvel, não sabe onde guardou as chaves de casa? Se é daquelas pessoas que está constantemente a esquecer-se de tudo, mesmo quando tomou nota de antemão, este artigo é para si. Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de iStock Uma nova pesquisa publicada no jornal Experimental Aging Research sugere uma forma mais eficaz para nos ajudar a lembrar não só dos momentos importantes mas das pequenas coisas do dia-a-dia: fazer desenhos. Desenhar estimula o cérebro de forma diferente da escrita, uma vez que força-o a processar informação visual, [...]

Ser (mais) feliz não é assim tão difícil

Encontrar a felicidade nem sempre é tarefa fácil. O mercúrio retrógrado, o mau tempo, a falta de paciência para o chefe ou os 200 e-mails por ler. Tudo é desculpa para não se sentir bem. No entanto, o site Blinklist decidiu ler vários livros sobre felicidade e retirou os melhores conselhos que encontrou. Texto de Alexandra Pedro | Fotografia ShutterStock Aumenta a produtividade, dá anos de vida e é melhor para a saúde. Estas são algumas das conclusões de vários estudos sobre a felicidade. Na Google, por exemplo, uma equipa de economistas comportamentais identificou uma melhoria de cerca de 12 [...]

Quer ser solidário no Natal? Este é o presente ideal

Deixamos-lhe ainda sugestões de mais cinco livros que pode oferecer ou colocar na sua lista de desejos para este Natal. Texto de Ana Pago | Fotografia ShutterStock Em 2017, foram arrecadados mais de 50 mil euros para o Serviço de Pediatria do IPO Lisboa. No ano passado, mais de 46 mil foram aplicados na nova Unidade de Transplante de Medula, com as obras já em curso. Numa altura em que já se vive a magia do Natal lembramos que a Agenda Solidária IPO 2019 é um excelente presente para... Publicado por IPOLisboa em Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018 Eis que [...]

DN Ócio

A Vista Alegre já tem os pratos, agora vai ter os móveis

A empresa centenária de porcelanas juntou-se à Boca do Lobo. Começaram com uma edição limitada e exclusiva, mas a ideia é fazer linhas de mobiliário corrente. Dos serviços reais ao lifestyle: Vista Alegre já não é só loiça Texto de Marina Almeida Começou com um móvel premonitoriamente batizado de «Once Upon a Time». Com este exclusivo bar, revestido a porcelana pintada à mão, e vendido com um serviço de bar em cristal de design exclusivo, a Vista Alegre e a Boca do Lobo deram as mãos pela primeira vez: a história das duas empresas juntas está a começar. «A parceria [...]

Este McLaren é (muito) mais barato que o iPhone XS Max

A marca de automóveis britânica McLaren anunciou esta semana, na sua sede em Woking, o lançamento do smartphone McLaren OnePlus 6T. O telemóvel chega hoje ao mercado e é bem mais barato que o modelo topo de gama da Apple: custa 699 euros. Este modelo surge de uma parceria entre a McLaren e os chineses da OnePlus. Enquanto os britânicos trataram do design e dão credibilidade ao produto, os fabricantes de smartphones trataram de toda a parte tecnológica (clique na imagem no topo do texto e percorra a galeria para ver, ao pormenor, este McLaren OnePlus 6T. No final do [...]

Joias indiscretas para o prazer no feminino

A marca existe há 12 anos, e já está em mais de 40 países. Uma das sócias é portuguesa e a DN Ócio esteve à conversa com ela. Elsa Viegas é uma das fundadoras da Bijoux Indiscrets, marca que já criou um vibrador em forma de diamante. Texto de Patrícia Tadeia Cresceu em Lagos, no seio de uma família conservadora. «A minha avó era catequista. O meu avô sempre me disse que primeiro tinha de estudar e depois logo pensava nos namorados», recorda. Desde pequena que se intrigava com a forma como a sociedade olhava para as mulheres, com a [...]

"Velocidade Furiosa": Volkswagen Jetta está à venda e pode ser seu

São muitas as "bombas" que têm feito os fãs da saga Velocidade Furiosa sonhar ao longo dos anos. No primeiro filme, além dos vários Honda, do Dodge Charger da personagem Dominic Toretto (Vin Diesel) e do Toyota Supra de Brian O"Connor (Paul Walker), houve um modelo da Volkswagen que se destacou: um Jetta branco, de Jesse (Chad Lindberg). Agora, aquele que é provavelmente o Volkswagen Jetta mais famoso do mundo foi colocado à venda pela empresa norte-americana Luxury Auto Collection e pode ser seu por 99 900 dólares (cerca de 88 mil euros). Há três anos, quando foi leiloado pela [...]