Destaques

+ Opinião

PremiumO fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Rogério Casanova

Crónica de um adeus anunciado: chanceler Merkel sai de cena

Angela Merkel anuncia o abandono do palco político, mas esclarece que sairá devagar para ninguém se magoar. Primeiro, deixará de ser chefe do partido, a CDU, em dezembro. Mais tarde, em 2021, não se recandidatará a chanceler. É uma saída ponderada, como tudo o que a senhora faz. Uma saída a prestações para evitar a instabilidade do país. Na sua lápide política poder-se-ia martelar na pedra a inscrição: ponderada mas sem alma, deixa milhões de órfãos sem saber o que fazer ao seu voto. A maioria na Alemanha gostava de Merkel, a avaliar pelos resultados em quatro eleições sucessivas e pelo carinho da alcunha invulgar para um líder político: "Mutti", mãezinha. Ninguém imagina alguém chamar à antiga chefe de governo da Índia, Indira Gandhi, ou a Margaret Thatcher "Mama" ou "Mum". A chanceler opta por sair de cena devagar para não desestabilizar o sistema político e o seu país. Mas há uma má notícia para o seu legado: a Alemanha e a União Europeia não podiam estar politicamente mais instáveis. Nunca um chefe de governo na história do pós-guerra pegou numa Alemanha e numa UE tão equilibradas para as entregar, à saída, tão caóticas e imprevisíveis. Quando Merkel subiu ao poder não havia crise na zona euro, crise que a inflexibilidade alemã levou aos extremos que agora vemos na Grécia ou em Itália (onde a chanceler alemã é uma figura odiada), uma em situação de falência iminente numa deriva de esquerda radical, a outra esmagada por dívidas e a cair no neofascismo, ambas antieuropeias até à espinal medula. Em Portugal, apesar de todo o marketing político e do frenético agitar de putativas bandeiras de sucesso, a situação não é muito diferente. Não havia, quando Merkel subiu ao poder, crise de refugiados que, com a inflexibilidade alemã, levou os países da zona central e de leste da União Europeia a dar uma guinada para a extrema-direita e hostilizar a Alemanha e Bruxelas, a capital da UE, cada vez mais sentida como braço executante de Berlim. Economicamente as coisas hoje até correm bem para os alemães, dentro de uma estratégia "a Alemanha acima de todos os outros países da União Europeia e gerida como uma mercearia". Correm bem, se não tivermos em conta as grandes ameaças ao virar da esquina, como as sanções dos EUA, a ameaça de declínio da indústria automóvel, os défices de investimento público em infraestruturas, a crescente desigualdade social ou a dependência das exportações. Facto: Angela Merkel não conseguiu segurar as rédeas da UE e impediu que o presidente francês o fizesse. Facto: Nunca esteve à altura de se tornar a nova líder do chamado "mundo livre", como Obama precipitadamente a aclamou (eventualmente porque esse mundo livre está em retrocesso, se é que alguma vez existiu). A questão agora é: Quem suceder a Merkel como líder da CDU e chanceler (não necessariamente uma só pessoa como nos últimos 13 anos) estará à altura destes desafios, que, sabemo-lo agora, foram todos demasiado grandes para a atual chanceler? Annegret Kramp-Karrenbauer, um nome que derrete na língua de qualquer eleitor ao centro, humanista e tolerante, com as suas políticas sociais e a sua abertura à esquerda, é a sucessora que Merkel desejaria ver no seu lugar. Há indícios, no entanto, que isso não acontecerá. A CDU sabe que tem perdido votos para a AfD, a extrema-direita, à custa dos muitos eleitores que foram abandonando um partido marcado, nas duas últimas décadas, pelo espírito aberto com que Merkel encarou a evolução da sociedade em assuntos como a imigração (wir schaffen das, nós conseguimos), a religião ou os direitos de minorias (por exemplo, o casamento gay). Essa CDU, a tradicional e conservadora, exige uma clara viragem à direita. E o SPD, se ainda não tiver desaparecido até lá, agradece, já que Merkel nunca hesitou em arrancar-lhe as bandeiras políticas da mão, deixando-o como um João Pateta a puxar um cordel vazio, sem porco na ponta. Favorito na corrida à sucessão de Merkel é um candidato que ameaça ser a última série de machadadas no projeto da União Europeia e para a estabilidade geopolítica no continente Europeu: Friedrich Merz. Claro, há mais candidatos, como Jens Spahn, atual ministro da Saúde do governo de Merkel, ou Armin Laschet, presidente de NRW (Renânia do Norte-Vestfália). Mas o primeiro não terá grandes hipóteses: os eleitores da CDU não têm nem uma visão da sociedade tolerante como a de Os Verdes nem são estruturalmente liberais como os do FDP. Dificilmente votarão num político que assumiu a sua homossexualidade e no ano passado casou com o seu companheiro. Mais: Spahn é a favor da adoção de crianças por casais do mesmo sexo. Quanto ao segundo, Laschet, é um conservador à antiga, mas faltam-lhe os apoios de peso que Merz tem (o jornal Bild, com a maior tiragem da Alemanha, ou Wolfgang Schäuble, ainda o peso mais pesado da CDU) e a componente nacionalista para ir ao encontro dos anseios dos eleitores de uma CDU que pretende munir-se contra a deserção de eleitores para a extrema-direita saudosista. Essa faceta nacionalista tem-na obviamente Friedrich Merz. Não por ter sido ele quem no início dos anos Zero lançou no grande palco o debate sobre a deutsche Leitkultur, a "liderança da cultura alemã", em bicos de pés, como farol da civilização ocidental face a outras civilizações que Merz considera aparentemente inferiores - ou até indesejáveis. Independentemente de medidas políticas e legislativas concretas para assegurar o desejável cumprimento dos princípios constitucionais, a escolha de palavras revela o programa de Merz: deutsche Leitkultur é uma expressão a transbordar de arrogância e a evocar memórias de megalomania germânica. Merz trabalha há 16 anos como um lobista da Wall Street, a praça financeira de Nova Iorque, é presidente na Alemanha da maior gestora de fortunas do mundo, a Black Rock, é dirigente de várias associações ligadas ao poder político de Washington, como a Trilateral e a "Ponte Atlântica" com estreitas ligações às estruturas militares dos Estados Unidos. Politicamente a fórmula deverá resumir-se a isto: Annegret Kramp-Karrenbauer posicionará a CDU como partido do centro, deixando pouco espaço ao que resta do SPD e a roubar-lhe eleitores; Friedrich Merz tentará a espargata política de uma CDU ao centro, economicamente liberal, bem demarcada do SPD e de Os Verdes, mas com as fronteiras fluidas à extrema-direita, para recuperar eleitores que desertaram para irem engrossar as fileiras da Alternative für Deutschland (AfD) com os seus cânticos de nostalgia de uma Alemanha grande e mais "pura". No plano internacional, Merz é um candidato que, se tiver sucesso, irá posicionar a Alemanha novamente como sucursal obediente de Washington, enquanto Kramp-Karrenbauer, se ganhar ela a corrida, terá a difícil tarefa de encontrar um papel de relevo para a Alemanha - sem a transformar num satélite de Moscovo.

Miguel Szymanski

Desporto

  • Classificações
  • Próx Jornada
  • Resultados

DN Life

Comida para o cérebro: quatro alimentos que deve comer

O que comemos afeta não só o que vemos no espelho, mas também influencia o bom funcionamento de todo o organismo. Incluindo do cérebro, o órgão que consome mais energia. Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de iStock A expressão «alimentar corpo e mente» faz realmente sentido. Há alimentos que podem ajudar a prevenir a demência, o stress o deterioramento cognitivo ou a perda de memória, como explica ao El Pais o nutricionista Ramón de Cangas. «A alimentação tem uma importância vital na performance do nosso organismo e funções biológicas», explica. Estes são quatro alimentos, com características distintas, que [...]

Em tempo de testes: como ajudar o seu filho a estudar

A que horas devem as crianças estudar? Ao fim de semana também se estuda? Como podem os jovens ser incentivados para os exames? Estas e outras questões foram analisadas pela psicóloga e especialista em desenvolvimento infantil, Ana Manta. Texto de Alexandra Pedro | Fotografia Shutterstock Em altura de preparação para os exames e testes escolares, as dúvidas sobre a organização e métodos a aplicar para ajudar as crianças crescem. «A que horas deve o meu filho estudar?», «devo rever a matéria com ele?», «como posso ajudá-lo a organizar o seu tempo?». Estas são apenas algumas das questões de muitos pais, [...]

Guerra e paz nos relacionamentos prejudica a saúde mental

Quem não se lembra de torcer pela Carrie e o Big, na série O Sexo e a Cidade, ou pelo Ross e a Rachel em Friends? Dois casais que demoraram anos a encontrar a estabilidade, entre ruturas e reconciliações. As relações atuais passam muitas vezees por desavenças e pazes e finais nem sempre definitivos, mas este carrossel de emoções não ajuda em nada a saúde mental, diz novo estudo. Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de iStock Quantas vezes já acabou e recomeçou com o seu parceiro? Hoje, a grande maioria das relações pautam-se por este vaivém emocional entre [...]

DN Ócio

Há um novo terraço em Lisboa com vista para o Tejo

Chama-se Belém Rio - Lounge & Terrace e é o novo espaço da Casa do Marquês, junto ao Tejo. A inauguração está marcada esta segunda-feira, 12 de novembro. Recentemente remodelado, oferece uma vista sob o Rio Tejo, a Ponte 25 de Abril e o Padrão dos Descobrimentos. Criada em 1989, a Casa do Marquês é uma empresa do setor de catering e eventos com uma matriz familiar. A administração está a cargo de José Eduardo Sampaio, Florbela Bem, Miguel Seijo y Seijo e Gonçalo Seijo y Seijo.

General Motors dá 8900€ a quem der um nome a esta bicicleta

A General Motors (GM) vai começar a comercializar duas bicicletas elétricas no próximo ano, uma convencional e outra dobrável, que dê para arrumar na bagageira de um carro, por exemplo. Os dois velocípedes elétricos já foram apresentados, mas ainda não têm nome. Para isso, a empresa criou um concurso. Se quiser participar, só tem de ir ao site do passatempo e propor um nome até ao dia 26 de novembro. O autor do nome mais engraçado vai receber 10 mil dólares (cerca de 8900 euros). Os outros nove melhores classificados têm direito a mil dólares (875 euros) cada (clique na [...]