Destaques

Opinião

PremiumVozes e silêncios junto ao Reno

A recente mensagem endereçada por Emmanuel Macron aos europeus (DN, edições de 4 e 9 de Março) é significativa a vários títulos. Ela confirma o carácter voluntarioso do presidente gaulês. Importa não esquecer o milagre político de 2017. Ele chegou ao Eliseu num raide eleitoral que arrasou todos os obstáculos pelo caminho. Tomou nas mãos a bizarra Constituição da V República, como se esta tivesse sido escrita mais para ele do que para De Gaulle. Tinha 39 anos, numa UE onde 42,8 anos era a idade mediana dos seus mais de 500 milhões de habitantes. Energia e juventude não lhe faltavam. Contudo, nem dois anos passaram e a situação mudou sombriamente. Macron foi perdendo a simpatia de muitos dos seus eleitores. Uma política externa errática, onde a venda de armas aparece bem acima da retórica dos valores. As reformas laborais transformaram-no num alvo de crítica, muito para além dos sindicatos e da constelação das esquerdas, pela abertura aos rituais e dogmas do ordoliberalismo do vizinho germânico. A abolição do imposto sobre as grandes fortunas em paralelo com o aumento das taxas sobre os combustíveis fósseis, revelaram a sua estranha conceção fiscal da repartição dos custos sociais da indispensável transição ecológica. Pior ainda, desde novembro ocorrem todas as semanas manifestações dos coletes amarelos, transformando Macron no alvo de um insólito bullying político. Como resposta, Macron abriu os cordões à bolsa fazendo disparar o défice orçamental para cima dos 3%. Se fosse Lisboa, seria a catástrofe. Mesmo com Roma, houve uma dramatização. Com Paris, a transgressão ocorreu sem dramas. Berlim e Bruxelas olharam para o lado. Os europeus são distraídos, mas há coisas que é impossível não notar...

Viriato Soromenho-Marques

PremiumOlha o robô, é pra menina e pro menino

A automação e a robotização têm vindo progressivamente a alterar o nosso quotidiano e o mundo como o conhecemos. A vida, hoje, é muito mais confortável com a caixa automática do supermercado, com a impressora 3D e com tantos outros gadgets que surgem quase diariamente. Ainda não nos tínhamos acabado de entender cabalmente com o GPS do automóvel e eis que surgem já testes com veículos de condução autónoma. A tecnologia parece querer assegurar-nos, cada vez mais, que tem cada vez menos limites na sedução e na busca do nosso conforto...

Maria Antónia de Almeida Santos

Pensas que estás na barraca onde vives?

No outro dia, uma professora perguntou isto à minha filha, que tem 12 anos e está no 6º ano. "Pensas que estás na barraca onde vives?" Ela contou-me, ao jantar, olhar crítico, mas descontração saudável, que tanto me descansa. "Achas bem, mãe?" Primeira (e estúpida) reação minha: "O que é que fizeste para a professora perguntar isso?" Ela, com aquele ar incrédulo dos pré-adolescentes: "Só estava torta na cadeira, mãe. Achas bem uma professora perguntar isso?"

Catarina Pires

Praguejar é um alívio

"Puta que pariu..." De todas as asneiras do vernáculo português, esta é a minha preferida. Não é a que gritamos quando nos salta a tampa, não é para este sítio que mandamos alguém que se atravesse à má fila num cruzamento quando o sinal está verde para nós. Esta é a que deixamos escapar de mansinho, entre dentes, acompanhada de um abanar de cabeça quando estamos desapontados com o mundo, quando olhamos para a cagada que acabámos de fazer por entornar a água toda do esparguete em cima da bancada, quando reparamos que há 35 pessoas à nossa frente na fila das Finanças ou quando percebemos que, apesar de serem oito e meia da manhã, já não há mais senhas para renovar o Cartão de Cidadão.

Paulo Farinha

Os troncos de Doha

Como tudo no Qatar, atravessa-se algum deserto para lá chegar. E o Centro Nacional de Convenções de Doha, nos arredores da capital do emirado, não escapa a esse destino de saltar do fundo da areia e ficar a pairar como uma verdadeira miragem arquitetónica sobre a paisagem. Quando se o vê pela primeira vez fica-se como aqueles saloios que se deslumbram com maravilhas nunca vistas no seu território, é que ao aproximar-se da enorme estrutura descobre-se que está apoiada em dois grandes troncos.

João Céu e Silva

Insider

Apple contra fake news investe no jornalismo antes de lançar serviço de notícias

Empresa quer promover a literacia noticiosa, para que os utilizadores aprendam a navegar pelas notícias na era das fake news. Em causa estão donativos a organizações com programas nesta área. Antes do muito aguardado lançamento do serviço de assinaturas de notícias (que deve ser anunciado já a 25 de março), a Apple lançou esta semana uma nova iniciativa para apoiar as principais organizações sem fins lucrativos dos Estados Unidos e da Europa, que oferecem programas independentes da chamada literacia noticiosa. "A literacia nas notícias é vital para sustentar uma imprensa livre e uma democracia próspera, e estamos orgulhosos por colaborar [...]

Tem uma ideia criativa? Donos do Fortnite têm cem milhões de dólares para oferecer

A Epic Games afirma que quer partilhar o sucesso do jogo Fortnite. Como? Tem cem milhões de dólares para oferecer a quem tenha uma ideia criativa para utilizar a ferramenta Unreal Engine 4. O um motor de jogo criado pela Epic Games é aplicado em vários jogos. Agora, a Epic Games quer perceber o que é possível criar com esta ferramenta, em diversas áreas. O concurso está aberto a profissionais do mundo dos jogos, artistas, estudantes, professores ou a qualquer pessoa que tenha uma ideia criativa para esta ferramenta. E tudo isto recebeu o nome de programa MegaGrant. "Esta é [...]

Mude a password do Facebook. Até 600 milhões de contas foram expostas

Rede social guardou centenas de milhões de palavras-passe dos utilizadores em documentos não encriptados. Até 20 mil funcionários tiveram acesso a estes dados. Mais uma polémica de privacidade no Facebook: entre 200 a 600 milhões de passwords dos seus utilizadores foram guardadas em texto legível - ou seja, não encriptadas. A revelação é feita pelo blogue de segurança Krebs on Security. As palavras-passe foram guardadas desta forma durante anos e segundo a investigação feita, até 20 mil funcionários do Facebook tiveram acesso a estes ficheiros. Segundo uma investigação interna da tecnológica, não há indícios de que qualquer funcionário tenha acedido de forma indevida a estes [...]

Ver Tudo

O método Desperdício Zero de Bea Johnson

“Por definição, quanto menos temos, menos temos de guardar, limpar e manter.” A ideia de Bea Johnson – que graças ao seu livro e conferências se tornou numa espécie de guru da reciclagem – parece simples. Mas num mundo em que estamos habituados a acumular bens, dos mais valiosos aos mais básicos, seguir os seus conselhos já não é assim tão simples. Exige, para começar, uma forte dose de contenção em relação ao futuro do nosso planeta e, claro, também de vontade para mudar de hábitos. E é precisamente neste segundo aspeto que esta francesa é uma verdadeira perita, tanto que conseguiu converter os seus conselhos num livro: “Desperdício Zero, Simplifique a sua vida reduzindo o desperdício em casa”. Um guia doméstico que já foi traduzido para 20 línguas e que chegou a ser um bestseller em vários países. Uma prova, assegura Johnson, de que o tema da redução de resíduos em casa interessa (e muito), “ainda que, no início, se tenham rido de nós”. Quando fala no plural, Johnson refere-se à sua família, que se converteu no seu aliado mais forte e com quem protagoniza fotografias e vídeos, tanto no Instagram como no Youtube, onde acumula subscritores e centenas de milhares de visualizações.Cada um de nós gera cerca de 1,5 kg de resíduos diariamente. Cerca de 440 kg anualmente. Chamamos resíduos a tudo aquilo que acaba no lixo ou na incineradora sem possibilidade de ser reciclado. Quase meia tonelada de embalagens de plástico, peças, bolsas, latas, pilhas, aparelhos eletrónicos, etc. Segundo um relatório do Banco Mundial, publicado em 2016, em todo o mundo produzimos cerca de 1300 milhões de toneladas por ano. Um número que não para de crescer e que se poderá tornar insustentável se não fizermos algo para o evitar rapidamente. Obviamente que são necessárias medidas políticas públicas e uma consciencialização por parte das grandes empresas – os gigantes da alimentação, por exemplo, oferecem, atualmente, soluções de compromisso para reduzir as embalagens plásticas – para reverter esta tendência. Mas também é certo que o que cada um faz em casa pode ajudar muito. E é aqui que entram em jogo as práticas que Bea Johnson tem desenvolvido desde há uma década. O resultado, segundo a própria no seu website, é chamativo: todos os resíduos gerados pela sua família ao longo ano cabem num frasco de vidro. Ao vermos as centenas de sacos que cada um de nós deposita no lixo, damo-nos conta de que, pelo menos, vale a pena escutar o que Johnson nos quer propor. Porque o que nos propõe é do nosso interesse.O método Desperdício Zero que a autora francesa propõe resume-se a cinco regras: Rejeitar (“esta é a mais importante, aprender a dizer não àquilo que não precisamos”), Reduzir, Reutilizar, Reciclar e Compostar. Há dez anos que a sua família segue estas regras e parecem funcionar bem: “Concentramo-nos em ser, em vez de ter”, diz Johnson.

DN Ócio

Kanazawa: favas com ouriço e uma viagem ao Japão com o chef Paulo Morais

Quando se entra no pequeno restaurante de oito lugares ao balcão, atrás do qual Paulo Morais prepara os pratos a servir, é como se se viajasse até ao país que inventou a cozinha kaiseki, extraordinária de tão sofisticada e tão simples. A experiência vale cada cêntimo. Texto de Catarina Pires Favas com ouriço assado e espuma de água do mar. Foi com este amuse-bouche, ou sakizuke, acompanhado de um sake levezinho que o paladar se deixou conquistar para os oito pratos seguintes do menu deste mês naquele que chamam de «o japonês mais exclusivo de Lisboa». Paulo Morais detesta favas, [...]

Le Monumental: o hotel das estrelas no centro do Porto

Um edifício emblemático numa das principais praças da cidade do Porto. Local (quase) idílico para o novo hotel de cinco estrelas que desde novembro está em plena Avenida dos Aliados. Lá dentro há mais estrelas, um chef francês candidato à distinção Michelin. Texto de Filipe Gil Depois de anos ao abandono, o número 151 da avenida dos Aliados, no Porto, teve obras de recuperação que ao fim de três anos deram lugar ao Le Monumental Palace, o primeiro hotel dos franceses da Maison Aibar em Portugal. Aberto em finais de novembro do ano passado, no chamado soft opening - que [...]

Lampreia e galeotas: ingredientes sazonais do novo menú do The Yeatman

O restaurante gastronómico do The Yeatman, em Vila Nova de Gaia, é o único com duas estrelas Michelin no norte de Portugal. Ricardo Costa, chef que liderada a cozinha deu-nos a conhecer as novidade do menu sazonal recentemente apresentado. Texto de Ana Isabel Pereira/ V Lampreia, galeotas - um produto específico de Aveiro -, lampreia, ouriço-do-mar e leitão são alguns dos ingredientes trabalhados pela equipa de Ricardo Costa. Veja o vídeo para conhecer as novidades.