Atualidade

Opinião

Paulo Baldaia

O Chega vive do nosso medo e está a vencer

Ignorar é a maneira que se pensa politicamente correcta de olhar para os problemas criados pelos partidos xenófobos, racistas, homofóbicos e tudo o mais que lhes apetece ser em nome de uma suposta liberdade de expressão. Mas tudo tem limites e, como tanto gostam de dizer os politicamente incorrectos, a vida não está para meias tintas. Por isso, sugiro às autoridades deste país que façam cumprir a lei. Não vale tudo e os ataques racistas e homofóbicos dos últimos dias exigem que se perceba de vez que André Ventura é perigoso e põe em causa a liberdade em Portugal.

Paulo Baldaia

José Sócrates

Os justiçáveis 

Tudo igual, tudo igual, tudo desesperadamente igual. A detenção usada para investigar e a violação do segredo de justiça usada para difamar. No centro da ação mediática já não está uma pessoa com os seus direitos, mas um alvo a que ninguém dará ouvidos quando chegar a sua vez de dizer qualquer coisa em sua defesa. A maledicência estatal resultou em pleno e o plano foi repetido sem falhas, pouco importando se toda a atuação se baseou na ação criminosa de violação de segredo de justiça. Afinal, quem ainda liga a isso? Quem se interessa ainda por saber se havia ou não fundamento legal para a detenção? Salvo honrosas exceções, os jornalistas, encantados por tanto escândalo e por tanta audiência, apenas divulgam e festejam e aplaudem. Por eles está tudo bem e não há razão nenhuma para questionar as autoridades, que só poderiam ver nisso ingratidão. Afinal de contas, são elas que fornecem a informação que lhes alimenta a ação.

José Sócrates

Margarita Correia

A Conferência de Luanda e as metas que faltou traçar

Decorreu a 17 e 18 de julho, em Luanda, a XIII Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CPLP, sob o lema "Construir e Fortalecer um Futuro Comum e Sustentável". A Conferência coincidiu com os 25 anos de constituição da Comunidade, a 17 de julho de 1997. Muito se disse e escreveu a propósito do aniversário e da Conferência, dos documentos, dos 25 anos que passaram, dos avanços (não) conseguidos. Há aspetos que importa comemorar, como a adoção do Acordo de Mobilidade entre os Estados-membros da CPLP, a reafirmação do caráter pluricêntrico da língua portuguesa, a reiteração da sua importância, como veículo multicultural e multiétnico, na promoção da paz e do diálogo.

Margarita Correia

Mário Pinto

Envelhecimento e fragilidade

Desde 2010 que a população portuguesa tem vindo a diminuir. Atualmente, estima-se em cerca de 10,3 milhões de habitantes, concentrados em zonas urbanas e litorais e é constituída maioritariamente por idosos e uma minoria crítica de jovens colocando em causa a sustentabilidade da sociedade portuguesa. Verifica-se que mais de 21% dos portugueses têm mais de 65 anos e apenas 14% têm menos de 15. As pessoas com mais de 75 anos são cerca de um milhão, na sua maioria constituída por mulheres.

Mário Pinto

Mais atualidade

Sandro William Junqueira

"Maravilhoso é olhar para onde ninguém olha e ver o que ninguém vê"

A Sangrada Família é um romance que queima as mãos e cega os olhos dos leitores frequentemente. Não é por acaso que tal acontece, nem pelo cenário de que resulta, antes devido à teimosia do escritor em se fixar noutras emoções literárias e assim destacar-se entre os parceiros de uma chamada "nova geração". Outras novidades: reedição de Mrs. Dalloway, entrevistas a Mário Cesariny, a biografia de Carlos Rates.

José Mendes

Citius, Altius, Fortius - Communiter

A minha história de amor com os Jogos Olímpicos começou em 1976. No dia 26 de julho, a partir de Peniche onde estava de férias, acompanhei a final da corrida dos 10 mil metros do Jogos de Montreal, no Canadá. Carlos Lopes era a força da natureza que nos representava e foi igual a si próprio. O ritmo lento inicial não lhe convinha e fez o que tinha de ser feito, tomando a dianteira aos três quilómetros e deixando, volta após volta, todos os seus concorrentes para trás. Todos menos um! Lasse Virén, o finlandês voador, arrancou nos últimos 450 metros para uma vitória inquestionável.

José Mendes

Hipólito Nzwalo

Dia Mundial do Cérebro: a importância de controlar os fatores de risco cerebrovascular

O Dia Mundial do Cérebro, uma iniciativa da Federação Mundial de Neurologia, comemora-se anualmente no dia 22 de julho. Este ano é dedicado à esclerose múltipla, doença inflamatória do sistema nervoso central, que afeta mais de 2,8 milhões de pessoas a nível mundial. O contributo dos fatores de risco cerebrovascular no prognóstico da esclerose múltipla vem sendo progressivamente demonstrado.

Hipólito Nzwalo

Evasões

Notícias Magazine

V Digital

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

Nos últimos tempos, a construção de ciclovias na capital acentuou-se com o objetivo de cumprir a promessa eleitoral do presidente da Câmara, Fernando Medina, de ter "pelo menos 200 quilómetros" de vias cicláveis até ao fim de 2021. Apesar das muitas vozes críticas contra faixas "de utilização reduzida", os especialistas consideram que só se promove a utilização deste meio de transporte se, antes, se construírem as infraestruturas necessárias.