Atualidade

Opinião

Paulo Baldaia

O triunfo da irracionalidade

Antigamente, os malucos ficavam a falar sozinhos, hoje, abrem os telejornais. A extrema-direita agradece a atenção que damos aos seus malucos, sejam juizes, médicos, historiadores, candidatos autárquicos ou simples anónimos. Por ocuparem cada vez mais o nosso tempo, não significa que haja cada vez mais malucos, significa "apenas" (com muitas aspas) que o politicamente correcto alargou até ao infinito o conceito de liberdade de expressão e os malucos sairam das catacumbas.

Paulo Baldaia

Javier Solana

Três lições de um fracasso de duas décadas

Há 20 anos, os ataques terroristas de 11 de setembro chocaram o mundo. "Somos todos americanos" tornou-se um slogan global de solidariedade. De repente, a invulnerabilidade pós-Guerra Fria do Ocidente ficou exposta como a ilusão que era. A globalização, que se tornou o paradigma reinante e estabeleceu o domínio económico ocidental na década de 1990, acabou por mostrar um lado negro. Duas décadas após os ataques, é difícil exagerar as suas consequências para o Ocidente e o mundo em geral. Um violento protagonista não-estatal determinou a agenda internacional num grau extraordinário. Embora a hegemonia do Ocidente, liderada pelos Estados Unidos, permanecesse inquestionável, o momento unipolar da década de 1990 parecia estar a chegar ao fim, e a política externa dos EUA seria fundamentalmente remodelada pela "guerra global contra o terrorismo".

Javier Solana

Margarita Correia

Dos anos letivos, os velhos e o novo

Comecei a dar aulas de português e francês, em março de 1981, i.e. há mais de 40 anos, no então Liceu Gil Vicente, em Lisboa. Fui professora do ensino básico público (com passagem de dois anos por um colégio privado) durante cerca de 10 anos, sucessivamente como eventual (não recebia salário nos meses de julho, agosto e setembro), provisória, efetiva-provisória e efetiva, estatuto que adquiri poucos dias antes de abandonar o ensino básico público, em dezembro de 1990, para iniciar funções de assistente estagiária na Faculdade de Letras, onde ainda hoje sou professora auxiliar. Gostei muito de ter sido professora do básico, mas não voltaria a essa condição, porque, para tal, teria que ter uma energia e uma vitalidade que já não tenho.

Margarita Correia

Mais atualidade

Mais Opinião

Rogério Casanova

Um holocausto de Sally Rooneys canceladas

O nome pode não ser imediatamente reconhecível para toda a gente, ou será reconhecível apenas na mesma medida em que fenómenos recentes de dimensão comparável são reconhecíveis ("Ferrante", "Knausgaard"), mas é nesse perímetro de familiaridade que reside a sua mais-valia. "Sally Rooney" cumpre hoje a mesma função que "Jonathan Franzen" cumpria por volta de 2010. Ao nível mais elementar, as palavras designam a autora de três livros de ficção que atingiram níveis anómalos de sucesso crítico e comercial. Ao nível simbólico, são forçados a sustentar outros pesos.

Rogério Casanova

Anselmo Borges

O elogio da alegria verdadeira

1 "Faço o elogio da alegria, porque o único bem do Homem é comer e beber e alegrar-se; isto acompanhá-lo-á durante os dias da vida que Deus lhe concede viver debaixo do Sol. Vai, come o teu pão com alegria e bebe contente o teu vinho, porque, desde há muito tempo, Deus aprecia as tuas obras. Em todo o tempo sejam brancas as tuas vestes, e não falte o perfume na tua cabeça. Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias que dure a tua vida fugaz que Deus te concedeu debaixo do Sol, os anos todos da tua vida efémera."

Anselmo Borges

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados

Evasões

Notícias Magazine

V Digital

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

Nos últimos tempos, a construção de ciclovias na capital acentuou-se com o objetivo de cumprir a promessa eleitoral do presidente da Câmara, Fernando Medina, de ter "pelo menos 200 quilómetros" de vias cicláveis até ao fim de 2021. Apesar das muitas vozes críticas contra faixas "de utilização reduzida", os especialistas consideram que só se promove a utilização deste meio de transporte se, antes, se construírem as infraestruturas necessárias.