Opinião

Paulo Baldaia

A Ucrânia transformada num parque temático

Devemos ter orgulho da solidariedade que temos com os povos que sofrem, seja agora com a Ucrânia ou há 20 anos com Timor, porque é genuína esta vontade de ajudar, de estar do lado certo da história. Tanto quando estivemos praticamente sozinhos no apelo à autodeterminação timorense, como agora que fazemos parte de uma larguíssima coligação que estende a mão ao agredido e sanciona o agressor. Como bem notou o Presidente da República, a meio caminho da sua viagem a Díli, há uma feliz coincidência de termos o chefe de Estado e o chefe do Governo portugueses a celebrarem a paz. Separados por onze mil quilómetros, a paz que chegou há 20 anos e a que há-de chegar não se sabe quando.

Paulo Baldaia

Henrique Burnay

O fim do tempo dos radicais

Por estes dias, quem leia o Partido Comunista Português, a ala radical e trumpista do Partido Republicano, o brevemente ministro das finanças grego Varoufakis, o libertário Cato Institute ou a insana Maria Vieira, encontrará enormes semelhanças e coincidências. Para os mais novos, a surpresa pode ser justificada. Para quem se lembra do mundo na década de 90, pelo menos, não há porque estar surpreendido. Estão onde seria de esperar que estivessem. Contra o mundo global, a expansão da democracia liberal e a ideia ocidental de pluralismo. Exatamente o que está em causa na invasão russa da Ucrânia. Pelo menos em grande parte.

Henrique Burnay

Jorge Barreto Xavier

Semanologia

SA de Sociedade Adormecida - a letargia é um estado de sobrevivência. O dicionário Houaiss define-a como "estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir." Sobrevive-se letárgico, mas não é vida. Por sua vez, a hibernação, numa das suas definições, é "estado de torpor, de adormecimento; inação; modorra". Respira-se, hibernado, mas com pouco oxigénio. Servem estes dois conceitos para definir Sociedade Adormecida, no meu dicionário pessoal: "aquela que, letargicamente, entra em hibernação". Em tantos aspetos da existência, somos assim. Deixamo-nos ir. Não importa. Ou importa, mas não há coragem para agir. Ou age-se, e o gesto não tem eco, pois em torno poucos estão acordados. Repare-se que acordar é estar de acordo. O acordo implica vigília, entendimento e ação, quando acordar significa mudar, melhorar. Portugal acorda estar adormecido. O estado letárgico é o que mais convém a uma sociedade que renuncia ao debate crítico. Por exemplo, na semana passada, referi na minha coluna, que, em 2022, a percentagem da proposta de Orçamento de Estado da Cultura é menor que a de 2015, último Orçamento do Governo Passos Coelho. É notícia. Enviei uma nota à Lusa a dizê-lo. A diversos outros meios. No seu sono profundo, acordado, ninguém reagiu. Hiberna-se.

Jorge Barreto Xavier

António Barrento

A guerra e a crise

Tem-se falado e escrito muito, nos últimos tempos, em "operação militar especial", "guerra híbrida" e "guerra", e poucas vezes em "crise". A "operação militar especial" é um eufemismo para não dizer guerra, usado por quem julga poder assim enganar o mundo; a "guerra híbrida", apesar de haver tentativas da sua definição para caracterizar certos conflitos é, também, de definição controversa, porque guerra é guerra. Além destes dois termos, aquilo que realmente se passa na Europa é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia e, a nível mundial, uma crise entre o "Ocidente" e a Rússia. A perfeita diferenciação entre os dois últimos termos é muito importante, porque na guerra pretende-se vencer o inimigo; na crise o que se pretende é evitar a guerra.

António Barrento

Mais atualidade

Mais Opinião

George Mirtskhulava

Portugal - Geórgia, 30 anos de relações diplomáticas, como um novo capítulo na amizade secular entre duas nações

Hoje celebramos o 30.º aniversário das relações diplomáticas entre a Geórgia e Portugal. Tenho o prazer de dizer que estes anos deram um grande contributo para o desenvolvimento e fortalecimento das relações entre as nossas nações, facilitando os laços políticos, económicos e culturais entre os nossos países. Portugal sempre foi um defensor da soberania e integridade territorial da Geórgia, das nossas aspirações europeias e euro-atlânticas. O apoio inabalável de Portugal no processo de integração europeia e os seus esforços constantes, em conjunto com outros parceiros, para assegurar o desenvolvimento sustentável da Geórgia são contributos inestimáveis para o quadro dos desenvolvimentos regionais de segurança.

George Mirtskhulava

Gisela Almeida

Cuidados paliativos, sim

Quando falamos de cuidados paliativos, pensamos sempre que a medicina, a enfermagem e as restantes áreas das ciências da saúde têm de reestruturar, organizar e implementar soluções que permitam a melhoria da qualidade de vida daquelas pessoas que não têm cura para a sua doença. Desde a sua criação, os Cuidados Paliativos foram definidos pela Organização Mundial de Saúde em 1990, e redefinidos em 2002, como sendo uma abordagem que aprimora a qualidade de vida, dos pacientes e famílias que enfrentam problemas associados com doenças, através da prevenção e alívio do sofrimento, por meio de identificação precoce, avaliação correta e tratamento da dor, e outros problemas de ordem física, psicossocial e espiritual.

Gisela Almeida

Jorge Fonseca de Almeida

Afinal tudo é político, tudo pode ser uma Arma

Durante décadas, os políticos, os meios de comunicação, as escolas e as universidades ensinaram-nos que a cultura não deve ser politizada, que as canções políticas não são artísticas, que a Poesia e a Literatura devem ser neutras sob pena de serem panfletárias e de mau gosto. Ensinaram-nos e repetiram que decisões ideológicas sobre a economia são erradas e levam ao desastre, que a moeda é neutra, nem de direita, nem de esquerda, que o comércio livre é a fonte da Paz, que o acesso às mercadorias e às matérias-primas deve ser aberto, que a concorrência deve ser a lei suprema. Ensinaram-nos que a informação deve ser pluralista e que a regra do bom jornalismo assenta na prática do contraditório. Até o atual Presidente foi impiedosamente criticado por ter um programa em que falava sem contraditório.

Jorge FOnseca de Almeida

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados
I Liga
  • 1FC Porto91
  • 2Sporting85
  • 3Benfica74
  • 4Braga65
  • 5Gil Vicente51
  • 6V. Guimarães48
  • 7Santa Clara40
  • 8Famalicão39
  • 9Estoril39
  • 10Marítimo38
  • 11Paços de Ferreira38
  • 12Boavista38
  • 13Portimonense38
  • 14Vizela33
  • 15Arouca31
  • 16Moreirense29
  • 17Tondela28
  • 18Belenenses26
I Liga

Podcasts DN

Tech & Café

Tech & Café 10. Star Trek vs Star Wars! Mas antes... o novo relógio da Google

No 10.º Tech & Café falamos 9 minutos da nova aposta da Google: o smartwatch Pixel. Será que vem para Portugal? E depois, a propósito das novas séries das sagas de ficção científica mais famosas do planeta, fazemos uma viagem pelo espaço sideral: Star Trek ou Star Wars? É um melhor do que o outro? Porquê? É mesmo preciso escolher? E vale a pena ver as novas produções? Como sempre, com Filipe Gil e Ricardo Simões Ferreira.

Evasões

Notícias Magazine