Atualidade

Opinião

João Almeida Moreira

A noivinha do Aristides

Quem se lembra do "senhor do adeus", figura lisboeta que, para matar o tédio, acenava aos automóveis no meio da rua em troca de saudações? Pois o Brasil também já tem um "senhor do adeus". Chama-se Jair e, como está entediado por que o país a que preside não tem nenhum problema económico ou sanitário grave, decidiu passar a manhã de segunda-feira à beira da Via Dutra, a autoestrada que liga o Rio de Janeiro a São Paulo, a dizer adeus aos carros.

João Almeida Moreira

Jorge Moreira da Silva

A falta de norte na pandemia do sul

Na mesma altura que novos dados apontam para a entrada de vários países, incluindo Portugal, na 5ª vaga da pandemia, assim como para o surgimento de uma nova variante - Ómicron -, também surgiram novos dados que evidenciam o surgimento de uma nova vaga de desigualdades entre países. Recorde-se que os países em vias de desenvolvimento já tinham sido vítimas de uma injustiça relativa quando, no início de 2020, tiveram de enfrentar a pandemia em condições de enorme vulnerabilidade nos serviços de saúde - ao nível das unidades de cuidados intensivos, dos ventiladores, dos testes e dos tratamentos - e sem real possibilidade de adotar soluções de confinamento e de distanciamento social. Depois enfrentaram os efeitos desproporcionais da pandemia nos planos social e económico: mais de 100 milhões de pessoas foram atiradas para a situação de pobreza extrema e os fluxos externos privados de financiamento ao desenvolvimento caíram mais de 200 mil milhões de dólares. Paradoxalmente, os mesmos países ricos que foram capazes de, em poucos meses, mobilizar 16 biliões de dólares de pacotes de apoio aos cidadãos e empresas nacionais, não foram capazes de ir além de um aumento de 8000 milhões de dólares na ajuda pública aos países mais pobres, nem de avançar para programas de perdão de dívida.

Jorge Moreira da Silva

Susana Amador

O poder local e o combate à violência contra as mulheres

A violência contra as mulheres é um dos maiores obstáculos à corporização da igualdade e uma fragilização da democracia. A visibilidade que o tema tem vindo a adquirir, associada à redefinição dos papéis de género e a uma nova consciência de cidadania, obrigou os poderes públicos a quebrar o silêncio e a adotar políticas de prevenção e combate ao flagelo, mas que por diversos motivos não têm produzido os resultados efetivos a que aspiramos.

Susana Amador

Mais atualidade

Mais Opinião

Jorge Costa Oliveira

Vistos dourados, captação de investimento e vontade política

Por ocasião do 9.º aniversário do regime da Autorização de Residência para Investimento (ARI), mais conhecido por "vistos dourados", foram publicitados alguns dados estatísticos. Foram captados, no total, mais de 6000 milhões de euros de investimento estrangeiro que levaram à atribuição de 10.087 ARI - 5776 milhões (9450 ARI) através da compra de bens imóveis, dos quais 342 milhões (950 ARI) para reabilitação urbana, 576 milhões (617 ARI) resultantes da transferência de capitais e 20 ARI por criação de postos de trabalho.

Jorge Costa Oliveira

Maria da Graça Carvalho

Um programa para melhorar Portugal

As diretas do PSD já passaram e, como disse o presidente do partido após ver confirmada a sua eleição, este capítulo ficou encerrado. Trata-se agora de enfrentar, com confiança, o desafio das eleições legislativas de 30 de janeiro. Sobre a votação do passado fim de semana direi apenas que Rui Rio conseguiu uma clara vitória, em circunstâncias difíceis, confirmando-se como um líder que inspira confiança na maioria dos militantes do partido, mas também que Paulo Rangel demonstrou, pelo resultado alcançado, que é um ativo muito importante do PSD.

Maria da Graça Carvalho

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados

Evasões

Notícias Magazine