Atualidade

Opinião

Joana Amaral Dias

A liberdade de muletas

O Estado partiu-lhe uma perna, de seguida ofereceu-lhe uma muleta e ainda espera a sua gratidão? O governo devolveu aos cidadãos uma parte dos seus direitos, liberdades e garantias, restituiu uma fatia daquilo que nos subtraiu (fora danos e mortes irreversíveis) e ainda é suposto sentirmo-nos abençoados? A gestão da Covid em Portugal foi sempre política, deixou 18 mil mortos, uma epidemia de patologias psicológicas, uma economia arruinada, enfim, um caos na saúde pública e o presente momento não é excepção. Desde logo, a palermia prossegue: se antes tínhamos um vírus de pontualidade britânica que atacava só após as 13 horas ou apenas aos fins de semana, agora o vírus tem calendário e abranda em Outubro. Se a máscara na rua nunca foi obrigatória e em Setembro terminámos com essa obrigação que nunca foi obrigatória, agora no décimo mês acabamos com o terminus da obrigação do que jamais foi obrigatório. Obrigada, executivo. Cristalino. Agora para entrar num estádio ao ar livre preciso de certificado ou teste mas num restaurante nada será necessário.

Joana Amaral Dias

Daniel Deusdado

Os sem-dentes

A história conta-se rapidamente. Produzi durante algumas temporadas um programa chamado Liga dos Últimos. O objetivo era mostrar os domingos à tarde do Portugal profundo - que tanto pode ser no Alandroal como em Moscavide ou Ermesinde. Vidas onde a bola, o clube do bairro, o bolinho de bacalhau e a cerveja ocupam, de forma barata, o que sobra do tempo em que não se trabalha. Esta verdadeira aventura tinha começado pelo inolvidável campeonato de Amadores do Porto, na extinta NTV, e daí passou para os clubes em situação difícil no país todo. Uma forma de ver Portugal (e o futebol) de pernas para o ar.

Daniel Deusdado

João Lopes

À procura de Willie Boy

Há dias, ao escrever sobre o novo e belíssimo filme de Clint Eastwood, Cry Macho - A Redenção, fui conduzido a algumas memórias do "western". Com a acção situada na transição das décadas de 1970/80, o novo filme é, de facto, uma variação sobre as matrizes clássicas desse género que se consolidou como um panorama, pleno de contrastes e contradições, da história da formação dos EUA - em particular, como bem sabemos, das convulsões da expansão para Oeste.

João Lopes

Mais Opinião

Viriato Soromenho Marques

Merkel e as rimas da história

Como todos os líderes marcantes, é demasiado cedo para fazer já um balanço da ação de Merkel. Não apenas porque será a mais duradoura chanceler da Alemanha pós-1945, ultrapassando H. Kohl, mas porque a sua herança, à semelhança de outras figuras maiores da história germânica, mais do que êxitos (e a longa sobrevivência no cargo, contra crises sucessivas, não é o mais pequeno), conta com arestas cortantes, que não foram, por deliberação e omissão, convenientemente aparadas. O futuro impacto desses problemas cuja solução foi empurrada para diante ditarão o lugar de Merkel na história.

Viriato Soromenho-Marques

Adriano Moreira

A coordenação global

O problema da Decadência do Ocidente, talvez com o primeiro diagnóstico no livro de Spengler, com esse título, mas que foi particularmente aprofundado pela intervenção de Arnold Toynbee, que celebrizou, com frieza imprevista, a conclusão do que, em face do resto do mundo, teve o Ocidente a crítica da agressão que, politicamente, levou à sublevação, marcada pela decisão de expulsar a raça branca, detentora de vasto poder em todas regiões que decidira submeter, pelo método imperialista, impondo a submissão do interesse económico do colonizador.

Adriano Moreira

António Araújo

Infinitamente grande, infinitamente pequeno

Há dias, andou a Figueira em polvorosa à conta de três tubarões avistados. Toparam-nos ao largo da praia do Hospital, areal hospitaleiro, portanto, e apto ao cuidado clínico de todos quantos tenham a desdita de se cruzar no mar com os temíveis esqualos, ainda que o recontro com estes raramente seja mortal ou sequer feridente. Mas isto, claro, dizemos nós no conforto e na segurança de terra firma, pois ninguém de bom senso deseja estar na água em convívio com três tubarões crescidos. A polícia marítima não conseguiu identificar a espécie dos bichos, esperando todos que eles não sejam das classes piores e mais lesivas para nós, humanos.

António Araújo

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados

Evasões

Notícias Magazine

V Digital

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

As ciclovias "produzem" mais utilizadores de bicicleta?

Nos últimos tempos, a construção de ciclovias na capital acentuou-se com o objetivo de cumprir a promessa eleitoral do presidente da Câmara, Fernando Medina, de ter "pelo menos 200 quilómetros" de vias cicláveis até ao fim de 2021. Apesar das muitas vozes críticas contra faixas "de utilização reduzida", os especialistas consideram que só se promove a utilização deste meio de transporte se, antes, se construírem as infraestruturas necessárias.