Opinião

Mirko Stefanovic

Aviso russo

Na semana passada, os israelitas realizaram um ataque aéreo habitual às instalações militares na Síria, ligadas ao Irão, matando vários soldados e ferindo outros. Foi uma das centenas de ataques nos últimos anos, levados a cabo contra milícias com ligações iranianas na Síria e grupos libaneses do Hezbollah. A maioria dos ataques foi realizada em concertação com a Rússia, que tem soldados e equipamentos militares na Síria, defendendo o regime do presidente Bashar al-Assad, para evitar acidentes. Este sistema funcionou bem até agora, e não houve relato de nenhum incidente, exceto um, do qual foram atribuídas responsabilidades a ambos os lados.

Mirko Stefanovic

Mais atualidade

polícia

PSP e GNR vão contratar 2.600 novos efetivos este ano em esforço de rejuvenescimento, revela ministro

José Luís Carneiro apontou também como objetivos prioritários o investimento na melhoria das condições de trabalho das forças de segurança, que considerou "indispensáveis para uma maior atratividade desta função de serviço público", bem como a construção e requalificação de esquadras, aquisição de equipamento de proteção individual e de mobilidade e a modernização tecnológica.

Mais Opinião

José Ribeiro e Castro

A Rússia, a direita e a NATO

Fala-se muito sobre responsabilidades da NATO na eclosão da guerra na Ucrânia, alegando-se que seguiu um caminho "expansionista" e desenvolveu uma estratégia de "cerco" à Rússia. Esse é o discurso de Putin e de Lavrov, o que não surpreende - todo o tirano gosta de fazer-se de vítima. Mas esse discurso espreita, no Ocidente, ora por afirmações, ora por manipulações, não só do lado do PCP, mas também à direita ou noutros sectores. Exemplo de manipulação, que também ecoou em Portugal, foi a notícia do Politico, intitulada "Papa diz que NATO pode ter causado invasão da Ucrânia pela Rússia". O título distorce um texto que dizia o seguinte: "Francisco reflectiu sobre a agressão letal da Rússia ao seu vizinho e disse que, embora possa não chegar ao ponto de dizer que a presença da NATO em países próximos "provocou" Moscovo, "talvez facilitasse" a invasão."

Ribeiro e Castro

Gabriel Senderowicz

Comunidade judaica celebra Lag BaÔmer

No calendário judaico, hoje é o décimo oitavo dia do mês de Iyar, uma data festiva chamada Lag BaÔmer. O nome remete ao 33º dia da Contagem do Ômer, que tem a duração de 49 dias e une Pessach (a saída dos hebreus e outros escravos do Egito) a Shavuot (os eventos do Monte Sinai). Lag BaÔmer faz-nos lembrar o grande sábio Rabbi Akiva, que viveu um dos períodos mais cabulosos da história: a perseguição dos judeus pelos romanos, que proibiram o estudo da Torá e a prática do judaísmo, numa tentativa, mais uma, de exterminar o povo judeu, desta feita não pela morte física, mas pela morte espiritual. Akiva resistiu e estudou a Torá com seus alunos, garantindo a continuidade do judaísmo. Era época de peste. Uma doença violenta acometeu os seus discípulos, matando vários deles. As mortes cessaram no décimo oitavo dia de Iyar - Lag BaÔmer - resgatando a vida e o júbilo do povo judeu. Rabbi Shimon Bar Yochai, discípulo de Rabbi Akiva e compilador do Zôhar, a base da Cabalá, morreu em Lag BaÔmer. Era então um sábio com uma quantidade imensa de discípulos. A todos eles havia dito que não desejava que a sua morte fosse lembrada com tristeza. A todos eles pediu que vivessem o dia do seu falecimento com alegria e festa, pois considerava ter alcançado o máximo nível de humildade e perfeição que alguém pode alcançar neste mundo. Festejamos, até hoje, Lag BaÔmer. O calendário judaico poderia ser apenas uma sucessão de datas que marcam a passagem do tempo. Mas é muito mais. É um mecanismo de lembrança de uma História condenada a repetir-se em todos os locais. Um mecanismo de reflexão e redirecionamento para o crescimento espiritual. O judaísmo não tem santos, mas lembra dos homens justos, os beneméritos, os que ajudaram e orientaram o povo disperso, os que fizeram o que havia de ser feito com coragem e sabedoria, contra Impérios ferozes e gentes possuídas de vaidade, soberba, má-língua e inveja. A memória é um legado que atravessa gerações. E é por isso que as festividades judaicas também são celebradas pelas crianças - o amanhã do mundo. Em Lag BaÔmer, os pequenos passeiam pela natureza, acendem fogueiras e brincam com arcos e flechas, que lembram a guerra de libertação que os judeus, dirigidos por Bar Kochba, empreenderam contra as tropas romanas. As fogueiras acendem-se para recordar tais e para a elevação da alma de Rabbi Shimon Bar Yochai. Os adultos, entre outras práticas, fazem uma doação de caridade - tzedaká - na quantia de 18 ou múltiplo, não apenas porque a celebração ocorre no décimo oitavo dia de Iyar, mas porque o valor numérico representa a palavra "chai", que significa "vivo". E o dia é vivido com alegria, tal como Rabbi Shimon Bar Yochai desejou.

Gabriel Senderowicz

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados
I Liga
  • 1FC Porto91
  • 2Sporting85
  • 3Benfica74
  • 4Braga65
  • 5Gil Vicente51
  • 6V. Guimarães48
  • 7Santa Clara40
  • 8Famalicão39
  • 9Estoril39
  • 10Marítimo38
  • 11Paços de Ferreira38
  • 12Boavista38
  • 13Portimonense38
  • 14Vizela33
  • 15Arouca31
  • 16Moreirense29
  • 17Tondela28
  • 18Belenenses26
I Liga

Podcasts DN

Tech & Café

Tech & Café 10. Star Trek vs Star Wars! Mas antes... o novo relógio da Google

No 10.º Tech & Café falamos 9 minutos da nova aposta da Google: o smartwatch Pixel. Será que vem para Portugal? E depois, a propósito das novas séries das sagas de ficção científica mais famosas do planeta, fazemos uma viagem pelo espaço sideral: Star Trek ou Star Wars? É um melhor do que o outro? Porquê? É mesmo preciso escolher? E vale a pena ver as novas produções? Como sempre, com Filipe Gil e Ricardo Simões Ferreira.

Evasões

Notícias Magazine