642 casos confirmados. Covid-19 chega a todo o território nacional

Os números são avançados pela Direção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico, no dia em que morreu mais um português vitima do novo coronavírus e o Alentejo regista os primeiros dois casos.

Nas últimas 24 horas, foram notificados mais 194 casos de covid-19 no país, elevando assim a contagem total para 642 infetados, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), desta quarta-feira (18 de março). Há três pessoas recuperadas e duas mortes. A segunda vitima mortal é presidente do conselho de administração do banco Santander, António Vieira Monteiro, internado com novo coronavírus.

Este é também o dia em que a pandemia chega a todo o território nacional, com o Alentejo a registar os dois primeiros casos confirmados. A região mais afetada do país volta a ser o Porto (289 casos), depois Lisboa (243). Seguem-se o centro (74), o Algarve (21), os Açores (3) e o Alentejo (2). Na Madeira, há uma pessoa infetada, uma turista holandesa. Estão também a ser acompanhados no país nove cidadãos estrangeiros.

Há ainda 351 pessoas a aguardar o resultado das análises laboratoriais e 6656 em vigilância pelas autoridades de saúde. Embora Portugal tenha registado o primeiro caso de covid-19 no dia 2 de março, desde o primeiro dia do ano já houve 5067 casos suspeitos.

Estão ativas 24 cadeias de transmissão no país, a maioria com ligações ao estrangeiro. Em resposta a uma pergunta do jornal I, durante uma conferência de imprensa às 12:30, Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, admitiu que estão a ser considerados rastreios primários e secundários nos aeroportos, como a medição da temperatura ou a quarentena obrigatória, durante 14 dias, para quem tenha acabado de chegar ao país.

Menos internamentos

Estão hospitalizadas por causa do novo coronavírus 89 pessoas, quando ontem estavam 206. Sendo que 20 encontram-se nos cuidados intensivos. A diminuição do número de hospitalizações foi explicada pela diretora-geral da Saúde: "Esta doença tem uma regra aparentemente simples: 80-15-5. 80% [dos doentes] podem ficar no seu domicilio acompanhas pelo seu medico de família, 15% estarão em enfermarias gerais e 5% poderão precisar de cuidados intensivos. Isto é a boa prática internacional".

A faixa etária em que existem mais cidadãos infetados é a dos 40 aos 49 anos (138 pessoas). Depois a dos 30-39 (17). De ontem para hoje, houve um aumento de 13 crianças doentes até aos nove anos. São agora 16 (três rapazes e 13 raparigas). Quanto aos mais velhos, estão infetados 156 cidadãos com mais de 60 anos - 30 com mais de 80.

Segundo a DGS, 31% dos infetados pelo novo coronavírus têm tosse, 24% febre, 17% dores musculares, 17% cefaleia e 12% fraqueza generalizada. Há 10% dos doentes que apresentam dificuldade respiratória.

Estado de emergência?

O Presidente da República, convocou o Conselho de Estado para esta quarta-feira de manhã, para decidir sobre a hipótese de ser decretado o estado de emergência - estado de exceção que só pode ser acionado em casos de grave ameaça ou perturbação da ordem democrática ou de calamidade pública. Neste cenário, há direitos fundamentais que nunca podem ser colocados em causa, nomeadamente, os direitos à vida ou à integridade pessoal. Esta declaração tem de passar pelos três órgãos de soberania, tendo de ser decretado pelo Presidente da República, depois de uma audição do Governo e de uma autorização da Assembleia da República. A ser declarado, será a primeira vez que este estado vigorará desde o 25 de abril de 1974.

António Costa deixou a decisão nas mãos do Presidente da República e garantiu apoiar o que Marcelo Rebelo de Sousa decidisse. O primeiro-ministro lembrou, no entanto, que "o estado de emergência não é uma figura abstrata", em conferência de imprensa esta terça-feira, e que deve ser ponderado tendo em conta as estimativas para o pico da pandemia, em Portugal, que apontam para o fim de abril ou início de maio.

Em Ovar, as medidas já começaram a tornar-se mais restritas, quando nesta tarde foi declarado o estado de calamidade e "quarentena geográfica", por causa do aumento exponencial dos casos de covid-19.

Voos suspensos na UE

Para restringir a mobilidade entre os diferentes países, o primeiro-ministro anunciou, esta terça-feira, a suspensão das ligações aéreas de fora e para fora da União Europeia a partir das 00:00 de quinta-feira e por um período de 30 dias, na sequência de uma reunião do Conselho Europeu. As exceções para Portugal serão os países extracomunitários onde há "forte presença de comunidades portuguesas", como Canadá, Estados Unidos, Venezuela e África do Sul, e os países de língua oficial portuguesa. No entanto, no caso concreto do Brasil, as rotas serão restritas a Rio de Janeiro e São Paulo, sendo suspensas todas as outras.

Ainda a nível da gestão das fronteiras, mas internamente, da reunião do Conselho Europeu saiu reforçada a necessidade de "assegurar a passagem de medicamentos, alimentos e bens", da mesma forma que é preciso garantir que os cidadãos europeus podem "regressar aos seus países" e que são encontradas "soluções para trabalhadores transfronteiriços".

Nas últimas 24 horas, os países com maior número de casos confirmados e de mortes são, por ordem, Itália, Irão e Espanha. O covid-19 infetou 203 579 pessoas em todo o mundo. Destas, 82 866 já recuperam. Morreram 8 226 cidadãos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG