Ovar fechado sob "quarentena geográfica". Governo declara estado de calamidade

O governo declarou esta tarde o estado de calamidade para o concelho de ovar, onde se contabilizam 30 dos 50 infetados na região. Uma cerca sanitária foi erguida no perímetro.

O município de Ovar ficou esta tarde sujeito a "quarentena geográfica" após decisão da Autoridade de Saúde Regional do Centro de encerrar todos os estabelecimentos desse concelho do distrito de Aveiro e limitar a movimentação de pessoas no território.

Pouco tempo depois, numa conferência de imprensa conjunta, o ministro da administração interna, Eduardo Cabrita, e a ministra da Saúde, Marta Temido, declararam o estado de calamidade para o concelho, algo que o presidente da câmara de Ovar, Salvador Malheiro, já anunciara que iria acontecer, numa curta declaração no Facebook.

A página oficial da câmara municipal na rede social Facebook tinha já visível o ofício assinado por João Pedro Carvalho Pimentel, Delegado de Saúde Regional do Centro e, por inerência, diretor do Departamento de Saúde Pública dessa Administração Regional de Saúde.

"Determino o encerramento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais, bem como a limitação de movimentação de pessoas de e para o concelho de Ovar", lê-se no documento, que vigora até 04 de abril.

O mesmo responsável atribui a medida "ao perigo para a Saúde Pública, nomeadamente ao risco de contágio de Covid-19" e espera que essa quarentena geográfica ajude à "contenção" da doença, numa fase em que, segundo fonte da autarquia, há já "cerca de 30 pessoas infectadas" no território e esse entrou numa fase de contaminação comunitária.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 180.000 pessoas, das quais mais de 7.000 morreram e 75.000 recuperaram.

O surto começou em dezembro na China, que regista a maioria dos casos, e espalhou-se entretanto por mais de 145 países e territórios. Na Europa há mais 67.000 infetados e pelo menos 2.684 mortos, a maioria dos quais em Itália, Espanha e França.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje número de casos confirmados de infeção para 448, mais 117 do que na segunda-feira, dia em que se registou a primeira morte no país.

Dos casos confirmados, 242 estão a recuperar em casa e 206 estão internados, 17 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos. Há ainda a assinalar mais 4.030 casos suspeitos até hoje, dos quais 323 aguardam resultado laboratorial.

Do total de cidadãos infetados em Portugal, três recuperaram.

O país está em estado de alerta desde sexta-feira, tendo o Governo colocado os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

Notícia atualizada às 19:05

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG