Sergio Moro em Portugal pela segunda vez no espaço de um mês

Ministro da Justiça de Jair Bolsonaro é um dos participantes da 10.ª edição das Conferências do Estoril, que decorre, entre segunda e quarta-feira, na Nova SBE, em Carcavelos

Cinco prémios Nobel, dois prémios Pritzker, dois presidentes no ativo, seis ex-presidentes, um presidente interino autoproclamado, quatro ex-primeiros-ministros, vários ativistas humanitários, jornalistas, arquitetos, escritores, uma cantora, um surfista, um comissário europeu, uma ex-procuradora-geral e cinco ministros no ativo vão participar, entre segunda e quarta-feira, na 10.ª edição das Conferências do Estoril. O evento vai decorrer no Campus da Nova SBE em Carcavelos.

Entre os ministros no ativo estão Sergio Moro, ministro da Justiça do Brasil, que na terça-feira vai participar num painel subordinado ao tema "De Volta ao Essencial: Democracia e a Luta contra a Corrupção". Com ele vão estar a debater a ministra da Justiça portuguesa, Francisca van Dunem, Janine Lélis, ministra da Justiça de Cabo Verde, Joana Marques Vidal, ex-procuradora-geral da República Portuguesa, e Amina Touré, ex-primeira-ministra do Senegal.

Esta é a segunda vez no espaço de pouco mais de um mês que Moro vem a Portugal. No final de abril, na conferência de abertura sobre o Estado Democrático de Direito e o Combate à Criminalidade Organizada e à Corrupção, no VII Fórum Jurídico de Lisboa, o ministro de Jair Bolsonaro disse que há uma "dificuldade institucional" em Portugal em fazer avançar o processo contra o antigo primeiro-ministro José Sócrates e que o mesmo acontece no Brasil.

Em resposta, Sócrates afirmou que o Brasil está a viver "uma tragédia institucional", considerando que o atual ministro brasileiro da Justiça atuou como "um ativista político disfarçado de juiz".

Numa entrevista ao canal Record TVEuropa, Moro referiu-se a José Sócrates como um "criminoso", mas não se alongou na resposta aos comentários do ex-governante português. "Em relação à pessoa em particular [José Sócrates], eu não debato com criminosos pela televisão. Então, não vou fazer mais comentários", declarou o responsável pela pasta da Justiça, que, enquanto juiz lançou a Operação Lava-Jato, no âmbito da qual foi preso o ex-presidente Lula da Silva.

Além deste painel, destaque, logo na segunda-feira à noite, às 20.00, para uma intervenção, via Skype, do autoproclamado presidente interino e líder da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó. A concretização desta intervenção via internet dependerá ainda da qualidade das condições técnicas na altura. Guaidó, opositor de Nicolás Maduro, é reconhecido por cerca de meia centena de países, como EUA, Brasil, Espanha e Portugal.

Noutro debate, o ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, e o ex-primeiro-ministro de Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, vão falar na quarta-feira sobre as lições do passado. Isto numa altura em que a União Europeia e Espanha acabam de sair de eleições. Europeias, no primeiro caso. Europeias, legislativas, autonómicas e municipais, no segundo. No mesmo dia, Guy Verhofstadt, ex-primeiro-ministro belga e líder do grupo dos liberais do ALDE no Parlamento Europeu, poderá falar também dos resultados das eleições para o Parlamento Europeu.

O Prémio Nobel da Paz de 2018, o médico congolês Denis Mukwege, será ainda distinguido com o título Doutor Honoris Causa pela Universidade Nova de Lisboa, na segunda-feira, dia da sua intervenção. Mukwege, com 63 anos, é um médico ginecologista congolês que tem desenvolvido uma ação humanitária na República Democrática do Congo, onde trata mulheres vítimas de violação. Durante os 12 anos de guerra tratou mais de 21.000 mulheres, algumas mais do que uma vez, chegando a fazer mais de 10 cirurgias por dia. Além do Nobel, Mukwege já foi também galardoado, em 2014, com o Prémio Sakharov do Parlamento Europeu.

Na segunda-feira ainda, dois prémios Pritzker, Álvaro Siza Vieira e Eduardo Souto de Moura, debatem com outros arquitetos, entre os quais o autor do projeto da Nova SBE, Vítor Carvalho Araújo, no painel "Arquitetura e o Direito à Felicidade". No mesmo dia o escritor angolano José Eduardo Agualusa e a cantora brasileira Adriana Calcanhoto falam sobre desafios lusófonos.

Na terça-feira, Edit Schlaffer, fundadora da ONG Women Without Borders, falará sobre o empoderamento feminino e os caminhos que há ainda a percorrer. E a ex-presidente do Malawi Joyce Banda e a ativista Anja Ringgren Lovén juntam-se num painel subordinado ao tema "A Responsabilidade humana de mudar o mundo". Natural da Dinamarca, Lovén é a fundadora e diretora da Fundação African Children"s Aid Education and Development, uma organização humanitária sem fins lucrativos dinamarquesa que resgata as chamadas "crianças bruxas" na Nigéria.

Exclusivos