José Sócrates responde a Moro: "Não, nunca cometi nenhum crime nem fui condenado"

Num texto enviado ao Diário de Notícias, José Sócrates responde a Sérgio Moro, ministro da Justiça brasileira e antigo juiz do caso Lava-Jato. "Não, nunca cometi nenhum crime nem fui condenado por nenhum crime. Não posso aceitar ser condenado sem julgamento", diz

Primeiro atacou José Sócrates, chocado com a presença de Sérgio Moro no Fórum Jurídico de Lisboa. "Um ativista político disfarçado de juíz", disse em entrevista à TVI 24. Depois, em entrevista à TV Record, foi a vez de Moro atacar, recusando responder ao ex-primeiro-ministro. "Em relação à pessoa em particular, eu não debato com criminosos pela televisão. Então, não vou fazer mais comentários", disse.

"Há no entanto, em todo este episódio, um mérito: as palavras produzidas confirmam o que já se sabia do personagem- como juiz, indigno; como político, medíocre; como pessoa, lamentável".

Agora, numa declaração escrita enviada ao Diário de Notícias, Sócrates responde. "Impossível ler a declaração do Ministro da Justiça brasileiro sem um esgar de repugnância. Ela põe em causa os princípios básicos do direito e da decência democrática. Não, nunca cometi nenhum crime nem fui condenado por nenhum crime. Não posso aceitar ser condenado sem julgamento, muito menos por autoridades brasileiras", diz.

O antigo primeiro-ministro vai mais longe, atacando o governo de Jair Bolsonaro onde Moro é responsável pela pasta da justiça. "Na Europa conhecemos bem o ovo da serpente. Conhecemos o significado das palavras de agressão, de insulto e de violência política. Conhecemos o significado dos discursos governamentais que celebram golpes militares, defendem a tortura e recomendam o banimento dos adversários políticos. E até conhecemos o significado do silêncio daqueles que assistem a tudo isto como se nada fosse com eles", diz. No final, deixa o último ataque a Sério Moro: "Há no entanto, em todo este episódio, um mérito: as palavras produzidas confirmam o que já se sabia do personagem- como juiz, indigno; como político, medíocre; como pessoa, lamentável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.