"Jovens, contaminem-se uns aos outros", defende infecciologista francês

Especialista defende que os mais novos devem ter rédea solta para se obter imunidade de grupo, numa altura em que o novo primeiro-ministro francês faz campanha pelo uso da máscara ao ar livre.

O primeiro-ministro Jean Castex foi a Lille dizer que não se pode baixar a guarda, que o vírus não vai de férias, e circulou por ruas daquela cidade do norte de França em que a máscara é obrigatória. Na véspera, um infecciologista deu um sinal contrário, ao defender que os jovens não devem ter restrições para que se contaminem e, com isso, criem a imunidade de grupo.

"Pode não ser politicamente correto, mas penso que cada vez mais devemos deixá-los contaminarem-se uns aos outros, desde que não vejam os seus pais e avós", disse Éric Caumes, chefe do departamento de doenças infecciosas do hospital Pitié Salpêtrière em Paris, em entrevista ao Le Parisien.

O especialista comentava o aumento da transmissão do novo coronavírus nas gerações mais novas, tendo dito que será difícil "impor" aos jovens "a máscara em todo o lado e proibi-los de se reunirem, especialmente a meio do verão".

"Ao permitir que se contaminem, participarão na imunidade coletiva e isto será mais importante no início do novo ano escolar, nas escolas e universidades", diz Caumes. "Caso contrário, os jovens serão um reservatório de contaminação e acabaremos por ter uma epidemia incontrolável", advertiu.

Esta ideia não é isenta de riscos, o que é reconhecido por Caumes. "Os jovens também podem padecer de formas graves" de covid-19.

A epidemiologista Catherine Hill disse que deixar os jovens "contaminarem-se uns aos outros" era "uma ideia extraordinariamente má".

"É de uma completa ignorância sobre como as pessoas se relacionam umas com as outras, na cidade, no espaço. Pessoas com menos de 30 anos vão encontrar pessoas com mais de 30... Esta história não faz qualquer sentido. Teríamos de viver em mundos estanques, estanques de acordo com a idade, o que é completamente louco", reagiu em comentário à BFMTV.

Em França há mais 556 casos de covid-19 e mais 22 mortos em hospitais nas últimas 24 horas, apontam os dados oficiais. Morreram 30.294 pessoas num universo de 191.295 casos confirmados.

A propósito do livro Este vírus que nos enlouquece, o filósofo francês Bernard-Henry Lévy disse em entrevista à TSF que se cometeu o erro de se dar ouvidos quase em exclusivo aos médicos.

"Claro que os médicos têm de contribuir com os seus conhecimentos, mas não apenas eles. Temos de chamar psiquiatras, professores, desempregados, especialistas em violência doméstica. Temos de chamar muitas vozes da sociedade civil para debater democraticamente os moldes de um próximo confinamento."

Para Lévy os erros foram "ouvir demasiado os médicos, fechar demasiado os países, atuar como se vida e economia fossem elementos separados ou mesmo antagónicos - o que não é verdade, a economia também é vida".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG