Paris

Entrevista a Mary del Priore

"A covid é uma forma de terramoto de 1755 a nível mundial"

Mary del Priore, autora de uma história sobre a tragédia que destruiu Lisboa há 265 anos, considera que Portugal tem excelentes historiadores, contudo são pouco conhecidos no Brasil. Nega que se mantenha a visão tradicional de colonizador em relação ao nosso país, devido às interpretações marxistas de 1960-70, e que a comemoração dos 200 anos da independência brasileira pode permitir um outro entendimento.

Margarita Correia

Do medo e do terror

Medo "provém do latim "metus" e é, em português, o nome genérico da emoção que acompanha a tomada de consciência de um perigo. Os vários nomes de significado relacionado (e.g. "receio", "pavor", "temor", "terror") denotam diferentes nuances ou intensidades de medo. Todos eles podem denotar também, por metonímia, o objeto que provoca a emoção. "Terror" constitui o nome do medo mais intenso ou avassalador e provém do nome latino "terror, terroris", com idêntico significado. O nome "terreur" em francês designa, desde 1789, o conjunto de meios de coerção política que permitia manter os opositores em estado de terror, e o Terror ("La Terreur"), com maiúscula, designa o regime instaurado em França entre setembro de 1793 e julho de 1794, encabeçado por Robespierre, que se caracterizou pela execução daqueles que se consideravam inimigos da Revolução. São da mesma época as primeiras atestações em francês das palavras "térrorisme", denotando um regime de terror político e "térroriste", denotando o partidário ou o agente de tal regime. O dicionário Houaiss propõe o ano de 1836 (no dicionário de Francisco Solano Constâncio, editado em Paris) como o da primeira atestação das palavras portuguesas "terrorismo" e "terrorista", não indicando étimos, mas apenas a sua estrutura morfológica ("terror" + -"ismo" / -"ista"). Em inglês, segundo o Merriam-Webster online, o par "terrorism"/"terrorist" surge logo em 1795 para se referir ao Terror francês. Até ao século XX, ambos os termos são marcadamente políticos e referem-se ao terror do Estado para com o povo. No mesmo sítio é-nos dito que, em 1920, em jornais como o Chicago Tribune, "terrorism" adquire aceção politicamente neutra, para referir o terror instalado pelos "gangsters", e que é em 1934 que o termo passa a ser usado para designar já não apenas o terror imposto pelo governo, mas também aquele que é imposto contra o governo. Atualmente, "terrorismo" designa o emprego sistemático de medidas violentas com objetivo político e dizem-se "terroristas" os atos arbitrários de violência extrema, executados para criar um clima de terror e desestabilizar o sistema social e político vigente. Ao escrever sobre a decapitação de Samuel Paty pela primeira vez, centrei-me na motivação do ato, identificando-a como sendo o fundamentalismo religioso, e o seu alvo a laicidade da escola. Para reforçar o meu ponto de vista dei o exemplo do movimento Escola sem Partido, no Brasil. Ao fazê-lo, alerta-me uma leitora, coloquei a execução de Samuel Paty no mesmo plano, desvalorizando-a. Entre o que se pretende veicular e o que se consegue efetivamente veicular vai frequentemente alguma distância; eu tinha obrigação de o ter tido em conta. O ato de pura barbárie cometido contra Samuel Paty a 16 de outubro foi um ato de terrorismo, tal como o ataque na basílica de Notre-Dame em Nice, a 29. O móbil destes atos é o fundamentalismo islâmico. A sua natureza é terrorista. O seu alvo é a sociedade francesa e também os valores da Europa. Ambos são atos chocantes, horrendos, inaceitáveis. Ambos podem apenas merecer repulsa e rejeição. Perante ambos, resta fortalecer a luta contra o terror e a favor da liberdade. Nenhum ato terrorista pode ser desvalorizado. Professora e investigadora, coordenadora do Portal da Língua Portuguesa