Não há greve. Professores trocam paralisação por "comícios da indignação"

Os sindicatos de professores decidiram levantar a greve às avaliações, marcada para o próximo mês, substituindo-a por um conjunto de protestos que terão lugar até à data das legislativas, a 6 de Outubro.

A decisão, tomada numa reunião que decorreu hoje entre as dez organizações que integram a Plataforma Sindical de Professores, foi anunciada há instantes pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira.

O dirigente sindical cumpriu assim a promessa, deixada há dias, de que os sindicatos iriam entrar na campanha eleitoral. E a "Campanha pela Dignidade Profissional Docente" - nome escolhido para o protesto - começa já no próximo dia 20, no Porto, com o primeiro de uma série de "comícios da indignação".

Seguem-se concentrações idênticas em Faro, no dia 21; Lisboa, a 22; Évora no dia 23; e Coimbra, a 24.

Nogueira defendeu que a luta pela contagem integral dos nove anos, quatro meses e dois dias congelados "não acabou", conhecendo "várias fases", e que em todas os docentes se têm "aproximado mais" do objetivo.

Luta nos tribunais

Além da vertente de luta de rua, que incluirá ainda a presença de professores, sem aviso prévio, em várias "iniciativas, de natureza diversa, que tenham visibilidade mediática", os sindicatos prometem levar a guerra pela recuperação de todo o tempo de serviço aos tribunais.

Assim, irão pedir à PGR, Provedoria de Justiça e grupos parlamentares que requeiram ao Tribunal Constitucional a fiscalização da constitucionalidade do decreto-lei do governo que consagra a devolução dos dois anos, nove meses e dezoito dias, face aos regimes adotados na Madeira e nos Açores, que contemplam a devolução de todo o tempo que esteve congelado.

Prometem ainda fazer chegar aos professores uma "minuta de reclamação e protesto" a formalizar a exigência dos seis anos e meio de serviço remanescentes. Nogueira defendeu ser muito importante os professores oficializarem este protesto no momento em que sejam convidados a optar entre o diploma aprovado para os professores e um decreto semelhante, promulgado hoje pelo Presidente da República, relativo à recuperação do tempo congelado nas restantes carreiras especiais da Administração Pública, sob pena de o governo assumir como "facto consumado" a perda desse tempo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?