"A legalização da canábis não resolveu o nosso problema. Estão a gozar com a nossa cara"

Famílias de doentes com epilepsias raras que tomam óleo de canabidiol estão em desespero: a meio mês do fim do prazo para a regulamentação da lei sobre canábis terapêutica, são joguete entre Infarmed e a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária: ambos organismos dizem que é o outro que tem de resolver.

"Pensei que depois da aprovação da lei que permite o uso terapêutico da canábis. o processo iria ser facilitado. Mas foi o contrário. O Infarmed diz-me que o assunto é com a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, porque o óleo de canabidiol que dou à minha irmã não é um medicamento mas um suplemento alimentar, e a DGAV diz que não é verdade, que é com o Infarmed porque se trata de um produto para uso terapêutico. E como nenhum dos organismos se responsabiliza, não posso importar o óleo, porque fica retido na alfândega." Suspira. "Se já tive muita esperança que a regulamentação que o Infarmed está a fazer da lei viesse resolver tudo, agora já não acredito, sobretudo depois da reunião que tive com a presidente do Infarmed."

"Pensei que depois da aprovação da lei que permite o uso terapêutico da canábis, o processo iria ser facilitado. Mas foi o contrário. O Infarmed diz-me que o assunto é com a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, porque o óleo de canabidiol que dou à minha irmã não é um medicamento mas um suplemento alimentar, e a DGAV diz que não é verdade, que é com o Infarmed porque se trata de um produto para uso terapêutico."

Maria João Rezende, 54 anos, tem uma irmã de 51 que sofre desde o nascimento de uma epilepsia que lhe causa múltiplas crises convulsivas. Desde de que toma óleo de canabidiol (um derivado da canábis sem efeito estupefaciente), porém, a irmã melhorou muito: o número de convulsões baixou de 60/80 por mês para oito/15. O mesmo tipo de progresso após terapêutica com óleo de canabidiol (CBD) tem sido registado noutros pacientes portugueses com epilepsias raras -- nomeadamente crianças - e reconhecidos por vários médicos, incluindo o diretor do departamento de neuropediatria do Hospital de Santa Maria, António Levy Gomes, em entrevista ao DN em março.

Mas, apesar destes notáveis progressos, as famílias não sabem se o que estão a fazer é legal ou ilegal e têm grandes dificuldades em obter o produto, que não se fabrica, por enquanto, em Portugal. Uns deslocam-se ao estrangeiro para o comprar; outros importam-no pela internet, correndo o risco de que fique retido na alfândega.

De Herodes para Pilatos

Isso mesmo já aconteceu a Maria João Rezende. Na altura, em abril, perante a retenção de uma remessa de óleo de CBD comprado a uma firma do Colorado, pediu ajuda ao Infarmed. Explicou qual a afeção de que padece a irmã, os efeitos benéficos do óleo registados graças ao CBD e que este lhe tinha sido recomendado por um médico brasileiro, cujo relatório enviou, assim como um termo de responsabilidade da instituição homóloga do Infarmed no Brasil.

A resposta do regulador do medicamento foi positiva. Começavam por desejar as melhoras da irmã e prosseguiam: "Nada temos a opor ao desalfandegamento, face à urgência e fundamentos invocados." Informavam-na porém de que "futuramente todos os pedidos semelhantes devem ser enquadrados nos pedidos de autorização especial. Este pedido deve ser feito antes de encomendar o produto, devendo ser as autoridades de saúde a tramitar o processo."

O mail recebido do Infarmed tinha um link para o pedido de autorização especial referido; neste, descobriu Maria João, exigia-se a receita de um médico nacional. "Perguntei-me como é que podia arranjar uma receita de um médico de cá, se ainda não havia lei para a prescrição dos derivados de canábis."

"Apesar de o Infarmed alegar que o produto pode ser da competência da DGAV, tal não é verdade. Pois os produtos com CBD com propriedades terapêuticas não se consideram, face à legislação europeia, suplementos alimentares. Pelo que, face ao descrito, se afigura serem da competência do Infarmed."

Ainda assim, a 8 de julho, quando estava a terminar o stock do óleo desalfandegado em abril - a irmã toma-o todos os dias e ainda tinha para pouco menos de um mês - enviou novo mail ao Infarmed a solicitar autorização para nova importação, "Como a lei que permite o uso terapêutico da canábis já tinha sido aprovada [a 15 de junho], perguntei qual a orientação para a fase de pré-regulamentação, juntando uma receita do médico brasileiro."

Mas a resposta, desta vez assinada pela própria presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, foi um balde de água fria. "Analisada a apresentação do produto (...) e considerando que não está aprovado pela FDA [Food and Drug Administration, a agência americana congénere do Infarmed] qualquer medicamento só de canabidiol, não é possível passar AUE [Autorização de Utilização Especial]." Maria do Céu Machado aconselhava-a a, "uma vez que o produto se apresenta como suplemento alimentar (...) diligenciar junto da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária."

Maria João Rezende fez isso mesmo. "Mandei um mail a 13 de julho para a DGAV, e como não obtivesse resposta, outro a 18. Nesse mesmo dia responderam, a mandar-me de novo bater à porta do Infarmed."

De facto, a DGAV, através de Ana Paula Bico, diretora de serviços de instrução e alimentação, desmentia o regulador do medicamento: "Apesar de o Infarmed alegar que o produto pode ser da competência da DGAV, tal não é verdade. Pois os produtos com CBD com propriedades terapêuticas não se consideram, face à legislação europeia, suplementos alimentares. Pelo que, face ao descrito, se afigura serem da competência do Infarmed. Assim sugiro-lhe que se dirija à autoridade tributária com conhecimento deste mail e com a ajuda do seu médico e eventual procedimento com o Infarmed resolva a sua questão."

OMS pede a ONU legalização do CBD

Sem baixar os braços, Maria João Rezende dirigiu-se à diretora regional de Agricultura e Pescas, que superintende a DGAV; esta deu-lhe a mesma resposta. E voltou à casa partida. "Enviei um mail à presidente do Infarmed, a dar conta do resultado das diligências que me tinha sugerido, a frisar a urgência por o stock estar a terminar e a solicitar de novo, com base nas respostas da DGAV, que me concedessem a autorização. Como não tive resposta, solicitei uma reunião presencial."

O pedido de reunião foi atendido. Maria João e a mãe de uma criança com epilepsia que está também a ser tratada com óleo de CBD foram recebidas pela direção do instituto. "Falou-se do novo medicamento à base de canabidiol, o Epidiolex, que foi aprovado pela FDA e que está à espera de aprovação da autoridade europeia do medicamento. E que, convém dizer, custa cerca de 30 mil euro/ano. Mas do óleo nada. Insisti em que me passassem a autorização e a presidente disse-me redondamente que não." Respira fundo. "Frisei que já me tinham dado uma e que não fazia sentido que o tivessem feito antes de lei ser aprovada e deixarem de fazer depois."

Foi inútil. Saiu do instituto desanimada. "Se o Infarmed estivesse a pensar regulamentar em função das necessidades dos doentes, não me tinham mandado para a DGAV. Temo que a regulamentação não vá resolver nada."

A aparente inamovibilidade da posição do Infarmed nesta matéria é tanto mais perplexizante quanto o que está em causa na lei aprovada a 15 de junho e portanto na respetiva regulamentação, que o instituto deverá apresentar a 30 de setembro, é permitir a utilização terapêutica da canábis e seus derivados. Não sob a forma de medicamento, porque até já existe autorização de utilização de um medicamento à base de canábis, o Sativex, do mesmo laboratório britânico, a GW Pharmaceuticals, que o já mencionado Epidiolex, mas, precisamente, sob a forma de planta ou de seus extratos.

O ECDD (Expert Committee on Drug Dependence/Comité de Peritos sobre Dependência de Drogas enviou a 23 de Julho uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, apelando a que o CBD "na forma pura" seja retirado das tabelas apensas às convenções da organização que listam as substâncias controladas, ou seja, proibidas.

Acresce que, como o DN já noticiou, o Infarmed, quando questionado em março sobre o estatuto legal do CBD, dá uma resposta contraditória: "A substância química Canabidiol (CBD) não se encontra classificada como substância controlada nas tabelas das Nações Unidas (...) e por isso não consta das tabelas anexas ao Decreto-Lei n.º 15/93, de 22 de janeiro [que elencam todas as substâncias psicotrópicas proibidas, ou seja, sujeitas a controlo]", mas acrescenta: "A substância química Canabidiol (CBD), obtida por síntese química não é controlada, no entanto já o será enquanto extrato da planta."

Sucede que há à venda em Portugal CBD extraído do grão da planta, por exemplo no site da empresa tomarense Celeiro Integral, sem que os responsáveis pela importação, a Naturexpress, alguma vez tenham sido, como certificaram ao DN, incomodados na alfândega ou por quaisquer outras autoridades.

E que a Organização Mundial de Saúde tem vindo a certificar com cada vez maior insistência o valor terapêutico do CBD. Fê-lo em dezembro de 2017, num comunicado em que refere, com base numa revisão inicial da evidência científica, que o canabidiol pode ter valor terapêutico, nomeadamente no controlo de espasmos e convulsões epiléticas. Estatui também que esta substância não tem potencial de abuso e dependência, pelo que não se justifica ser incluída nas tabelas de substâncias controladas associadas às Convenções da ONU sobre Estupefacientes.

E voltou a fazê-lo em junho, em resultado do 40º encontro do ECDD (Expert Committee on Drug Dependence/Comité de Peritos sobre Dependência de Drogas, cujo presidente enviou a 23 de Julho uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, apelando a que o CBD "na forma pura" seja retirado das tabelas apensas às convenções da organização que listam as substâncias controladas. Ou seja, que deixe de ser uma substância considerada proibida.

"Sujeito-me a funcionar como traficante"

Mas o que é quer dizer "CBD na forma pura", e que consequências devem estes pronunciamentos ter na regulamentação que está a ser preparada pelo Infarmed?

Trata-se, na opinião do jurista João Taborda da Gama, de "uma questão complexa. Porque o CBD, apesar de não estar explicitamente referido na nossa lei da droga [o já mencionado decreto-lei 15/943 de 22 de Janeiro] como substância controlada, é extraído da planta canábis, e por essa razão está ainda sujeito ao controlo dos Tratados da ONU e da Lei da Droga. É verdade que isto faz hoje pouco sentido, pois sabemos que o CBD não tem efeitos psicoativos, mas os tratados das Nações Unidas - dos quais decorrem as leis nacionais que proíbem uma série de substâncias e plantas, incluindo a canábis - foram escritos quando não tinham sido ainda identificados os diferentes canabinóides e os seus efeitos".

Assim, vê "dois caminhos para dar aos doentes algo a que têm direito: a regulamentação da Lei 33/2018 [que aprova o uso terapêutico da canábis] prever o acesso ao CBD de um modo mais facilitado do que aos medicamentos à base da planta de canábis que contenham THC [tetraidrocanabinol, a componente estupefaciente da canábis], ou THC a partir de um certo nível; ou rever a Lei da Droga e explicitamente retirar o CBD das tabelas, um pouco no sentido do que propôs o o 40º encontro do ECDD na reunião de junho."

"O CBD, apesar de não estar explicitamente referido na nossa lei da droga como substância controlada, é extraído da planta canábis, e por essa razão está ainda sujeito ao controlo dos Tratados da ONU e da Lei da Droga. É verdade que isto faz hoje pouco sentido, pois sabemos que o CBD não tem efeitos psicoativos, mas os tratados das Nações Unidas - dos quais decorrem as leis nacionais que proíbem uma série de substâncias e plantas, incluindo a canábis - foram escritos quando não tinham sido ainda identificados os diferentes canabinóides e os seus efeitos."

Entretanto, e perante as costas viradas das instituições estatais, Maria João -- que numa derradeira tentativa de sensibilização entregou na semana passada uma exposição ao ministro da saúde e aos grupos parlamentares, narrando a experiência descrita neste artigo - encontrou uma forma de continuar a comprar o produto: "Compro uma passagem aérea e vou pessoalmente aos EUA. O que acresce ao preço do CBD, que é bastante caro, o das viagens e alojamento. Sujeito-me à situação de estar a funcionar como traficante."

O mesmo fez Teresa, cuja filha, Maria, de 21 meses, tem uma forma rara de epilepsia - sindroma de West - e, como contou em março ao DN, apresentou extraordinárias melhoras desde que começou a tomar CBD, também de uma marca americana..

"Sou sincera", diz Teresa. "Já não mando emails ao Infarmed a pedir seja o que for, depois de uma vez ter pedido a ajuda deles e me terem mandado passear [relato noticiado pelo DN em março]. Parece que estão a gozar com a nossa cara."

O que faz, informa, é mandar vir o óleo de uma firma californiana (na Califórnia, o uso terapêutico de canábis há muito é legal). Tal como no caso da irmã de Maria João, experimentou algumas marcas e concluiu que há óleos de CBD que resultam e outros que não, pelo que, tendo descoberto uma marca que funciona na filha, não admite mudar para outra. "Não vou correr o risco de que ela regrida. Consegui arranjar uma forma de importar, disfarçadamente. É a própria empresa à qual compro que me diz como fazer. Porque não vou mais correr o risco de que os frascos, que são caríssimos - quatro custam dois mil euros, mais o envio, que é 150 -- fiquem na alfândega. Passei a ser uma criminosa mais assumida, passei à clandestinidade. Já me perguntaram se não queria ir à TV denunciar isto mas quero ser o mais anónima possível, não chamar a atenção. E dá-me vontade de dizer a todas as famílias que estão desesperadas que façam como eu. Porque de cada vez que pedia ajuda às instituições sentia-me mais desprotegida. Estar exposta prejudicar-me-ia."

Esperança? "O que obviamente queríamos era uma regulamentação que nos permitisse comprar o óleo de CBD em segurança. Estamos a comprar a empresas reconhecidas e o efeito está mais que provado. Tenho médicos da Maria que apoiam, que dizem que fazem os relatórios que for preciso. Mas já não estou confiante. Já não vai haver milagre."

Exclusivos