Mais profissionais e telessaúde. O que envolve o "grande plano" do Governo para o inverno

Secretária de estado adjunta da Saúde, Jamila Madeira, garantiu, esta quarta-feira, em conferência de imprensa que o Governo se está a preparar para um inverno com a covid, horas depois de o primeiro-ministro ter assumido que o país não aguenta um segundo confinamento idêntico ao que aconteceu durante o estado de emergência.

A preocupação com a possibilidade de uma segunda vaga de covid-19 no outono/inverno cresce a cada dia e o Governo tem dito que se está a preparar para esta eventualidade. Segundo a secretária de estado adjunta da Saúde, "a DGS está a preparar um plano de inverno detalhado, que em breve será conhecido". Mas para já, Jamila Madeira adiantou, em conferência de imprensa, que este plano envolverá a continuação do reforço de recursos humanos, da reserva nacional estratégica e de meios para a medicina intensiva e para a saúde pública, para além de um aumento da capacidade laboratorial do país.

A aposta não deixa de fora a telessaúde, que deverá receber mais equipamentos nos próximos tempos para continuar a ser uma alternativa - sempre que possível - à atividade programada. Até ao momento, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) assegurou "mais de oito milhões de consultas não presenciais" desde o início do ano, representando um aumento de 65% face a 2019, afirmou a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, esta quarta-feira.

Jamila Madeira referiu também que, desde o início do ano, a linha SNS 24 deu resposta a cerca de 1,4 milhões de chamadas e a plataforma de acompanhamento de doentes Trace Covid registou, em média, cerca de cinco mil utilizadores ativos por dia.

Já esta segunda-feira, também em conferência de imprensa, o secretário de estado da Saúde, António Lacerda Sales, referiu-se a um plano de "grande profundidade " para o inverno, salientando que "este vírus não tira férias e a sua propagação não anda ao sabor das estações do ano".

O governante informou ainda que, até ao momento, foram contratados 3894 profissionais de saúde, "entre médicos, enfermeiros, assistentes técnicos e assistentes operacionais". Um número que poderá aumentar consoante as necessidades durante o verão e o inverno, disse.

António Costa: "Não podemos repetir o confinamento. O país não aguenta"

A mesma preocupação (de uma segunda onda da doença) tinha sido referida, horas antes da conferência de imprensa da saúde, pelo primeiro-ministro português, que assumiu, esta quarta-feira, que o país não está preparado para essa eventualidade. "Há uma coisa que sabemos: Não podemos voltar a repetir o confinamento que tivemos de impor durante o período do estado de emergência e nas semanas seguintes, porque a sociedade, as famílias e as pessoas não suportarão passar de novo pelo mesmo", declarou António Costa, no discurso que encerrou a apresentação do programa Simplex 20-21, no Pavilhão do Conhecimento, no Parque das Nações, em Lisboa.

O líder do executivo disse ainda que o trabalho de adaptação da sociedade "tem de ser feito agora, porque ainda há algum tempo de distância para evitar o pior" no próximo outono e inverno.

"O tempo é curtíssimo, se calhar não conseguimos fazer tudo, mas temos mesmo de arregaçar as mangas e fazer o máximo possível para assegurar a continuidade do funcionamento da sociedade, designadamente das escolas, das empresas e dos serviços da administração pública, mesmo numa condição tão ou mais adversa como aquela que vivemos em março. Temos de acelerar este processo", reforçou António Costa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG