Um migrante ferido em desacato na base da Ota

Um migrante ficou ferido na terça-feira à noite num desacato entre refugiados que estão a fazer quarentena devido à covid-19 na base da Ota, concelho de Alenquer, disse esta quarta-feira um porta-voz da da Força Aérea.

O desacato aconteceu na terça-feira entre alguns dos 171 migrantes nas instalações na base militar, tendo um deles telefonado para o número de emergência (112), que se deslocou ao local, assim como a GNR, adiantou a mesma fonte.

O ferido foi transportado para o Hospital de São José, em Lisboa.

A Base Aérea da Ota, em Alenquer, começou a receber na segunda-feira 171 cidadãos estrangeiros, parte deles infetados por covid-19, oriundos de um hostel em Lisboa.

Esta quarta-feira, o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, elogiou a resposta rápida da Força Aérea no acolhimento de 171 migrantes, numa operação de "grande complexidade" dada a coexistência de 29 nacionalidades.

A operação de acolhimento aos refugiados e migrantes foi preparada "em seis horas", explicou ao ministro o tenente-coronel Rui Romão, comandante da base aérea onde o grupo foi instalado num bloco de "camaratas construídas nos anos 60 para apoio às forças envolvidas na Guerra do Ultramar".

Preparadas para receber, durante a pandemia, doentes que não tivesse condições de efetuar a quarentena em casa ou utentes de lares, as instalações foram na segunda-feira "adaptadas" para "um grupo muito heterogéneo, volátil e complexo" de pessoas.

Dos 171 alojados, 136 dos quais testaram positivo para a covid-16, a grande maioria são oriundos "da Gâmbia, Guiné Bissau e Senegal", mas há entre eles "línguas tão diversas como o árabe", explicou o comandante.

Os migrantes estão alojados em camaratas com capacidade para 16 pessoas, mas com uma ocupação de apenas oito, dispondo de casas de banho e áreas de alimentação em cada um dos edifícios.

De acordo com o comandante da base, o espaço foi ainda adaptado "para se poderem movimentar num telheiro exterior" e para poderem fazer exercício "na área em redor dos edifícios", vedados num perímetro de confinamento assegurado em parceria com a Marinha e o Exército.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 178 mil mortos e infetou mais de 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Em Portugal, morreram 785 pessoas das 21.982 registadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

O país cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o decreto presidencial que prolongou a medida até 02 de maio prevê a possibilidade de uma "abertura gradual, faseada ou alternada de serviços, empresas ou estabelecimentos comerciais".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG