Transporte de passageiros aumenta com novos passes e de mercadorias diminui

Novos passes das áreas metropolitanas aumentaram o recurso a vários meios de transporte urbano. Também a afluência aos aeroportos aumentou, tendo o do Porto registado "o maior crescimento".

O tráfego de passageiros em Portugal aumentou no segundo trimestre cerca de 8% em todos os modos de transporte, face ao mesmo período de 2018, quando já vigorava o novo sistema de passes nas Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa. Por outro lado, o movimento de mercadorias diminuiu, exceto no transporte aéreo, divulgou esta quinta-feira o INE.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), de abril a junho o movimento de passageiros nos aeroportos nacionais atingiu 16,7 milhões, aumentando 7,8% em termos homólogos (+6,2% no primeiro trimestre), enquanto os passageiros transportados por metropolitano subiram 8,5% (+6,1% no primeiro trimestre) para 68,2 milhões e o transporte fluvial de passageiros progrediu 8,3%, após ter crescido 12,6% no trimestre anterior.

No modo ferroviário, ascenderam a 43,1 milhões os passageiros transportados de abril a junho, sendo que 89,9% do total (38,8 milhões) correspondeu a tráfego suburbano, vigorando já o novo sistema de passes nas Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa. O transporte em tráfego interurbano envolveu 4,3 milhões de passageiros (+4,2%; +1,5% no primeiro trimestre), registando-se ainda 67,6 mil passageiros em tráfego internacional (+4,1%; -9,8% no trimestre anterior)

No segundo trimestre o transporte por metropolitano "manteve o andamento positivo que se verifica desde 2014", acelerando para 8,5% face aos 6,1% do trimestre anterior para um total de 68,2 milhões de passageiros transportados (46,1 milhões no Metro de Lisboa e 18,1 milhões no Metro do Porto).

Também o transporte fluvial (nacional e internacional) de passageiros continuou a aumentar, com 5,5 milhões de passageiros e um aumento homólogo de 8,3% (+12,6% no primeiro trimestre) de abril a junho, representando o transporte de passageiros no rio Tejo 87,3% do total (+7,9%, +12,6% no trimestre anterior).

Aeroporto do Porto com "o maior crescimento" a nível nacional

De abril a junho verificou-se uma "ligeira aceleração" do movimento de passageiros nos aeroportos nacionais, com um crescimento de 7,8% (embarques, desembarques e trânsitos diretos), acima da variação de +6,2% no primeiro trimestre, para um movimento total de 16,7 milhões de passageiros.

O aeroporto de Lisboa movimentou 8,4 milhões de passageiros (metade do movimento total), registando um aumento homólogo de 8,5% (+4,2% no segundo trimestre), enquanto o aeroporto do Porto correspondeu a 21,2% do total nacional e registou "o maior crescimento entre os principais aeroportos", ao progredir 10,4% (+9,5% no primeiro trimestre) para 3,5 milhões de passageiros.

O movimento de passageiros em Faro ascendeu a 3,0 milhões (17,7% do total), abrandando para um crescimento de 5% face aos 12,3% do trimestre precedente.

O movimento de passageiros nos aeroportos do Funchal (quota de 5,1%) e Ponta Delgada (3,4% do total) registou aumentos de 0,7% e 8,9% (+4,1% e +6,7% no primeiro trimestre, respetivamente).

De acordo com o INE, no primeiro trimestre contabilizaram-se 62,8 mil aterragens de aeronaves em voos comerciais nos aeroportos nacionais (+3,5%, tal como no trimestre precedente), com acréscimos de 4,1% no Continente e de 4,8% nos Açores e um decréscimo de 5,9% na Madeira.

Transportes de mercadorias com quebra

Já na movimentação de mercadorias, com exceção do transporte aéreo (que aumentou 9,1%, após +5,4% no primeiro trimestre), verificaram-se reduções nos vários modos de transporte: -8,1% nos portos marítimos nacionais (+2,9% de janeiro a março), -16,2% por ferrovia (-3,0% no trimestre anterior) e -2,8% por via rodoviária (+0,7% no trimestre precedente).

No segundo trimestre apenas os movimentos por via aérea registaram uma evolução positiva, como um total de 51,5 mil toneladas (+9,1%, +5,4% no trimestre anterior).

Já os portos marítimos nacionais registaram decréscimos no número (-4,4%) e na dimensão/GT (-6,0%) das embarcações entradas, após subidas de 2,4% e 12,0%, respetivamente, no trimestre anterior, tendo as mercadorias movimentadas totalizado 21,9 milhões de toneladas, recuando 8,1% (+2,9% no trimestre precedente).

Quanto ao transporte ferroviário de mercadorias, o INE aponta uma redução de 16,2% nas toneladas transportadas, "mais pronunciada" que no trimestre anterior (-3,0%), e um recuo de 12,3% nas toneladas por quilómetro (+12,2% no primeiro trimestre).

Em quebra, de 2,8% (+0,7% no trimestre anterior), esteve também o transporte rodoviário de mercadorias, penalizado pelo transporte internacional (-19,8%; -10,3% no primeiro trimestre), já que no transporte nacional (que representou 85,8% do total em toneladas) se registou um crescimento ligeiro de 0,8% (desacelerando face aos +3,1% do trimestre anterior).

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.