Ana Gomes: "Rui Pinto pode ser um delinquente, mas os grandes criminosos estão aí à solta"

Advogado do hacker afirma que o seu cliente está a ser vítima de uma "perseguição judiciária". Eurodeputada afirma que Rui Pinto sabe que "isto é um combate longo, difícil e duro".

"Acusar os whistleblowers de atividades criminosas é um clássico". É assim que Ana Gomes, uma das vozes que se têm levantado para defender Rui Pinto, reage às notícias de que o hacker terá acedido ao correio eletrónico de "largas dezenas de ofendidos", nomeadamente, magistrados do Ministério Público, elementos da Administração Interna, PSP, escritórios de advogados, FIFA, FC Porto, Nacional e Confederação Sul-americana de Futebol.

A notícia, avançada primeiro pela revista Sábado , e hoje pela Lusa, refere ainda que a invasão ilegal desses emails por Rui Pinto é o principal argumento que consta do despacho do Ministério Público no pedido que fez ao juiz de instrução criminal para que declare a especial complexidade do processo, o que dará mais seis meses à investigação e, consequentemente, poderá manter em prisão preventiva Rui Pinto (arguido por aceder ilegalmente aos sistemas informáticos do Sporting e da Doyen), pelo menos até 22 de março de 2020.

"As fontes dessa informação da Sábado só podem ser o Ministério Público ou a Polícia Judiciária. Se eles sabem disso e não têm pejo em expor a fragilidade do Estado português, então agora que tirem todas as consequências de toda a informação que têm", desafia a eurodeputada.

A ser provado que o hacker cometeu os crimes pelos quais está indiciado, isso não lhe retira o estatuto de denunciante, na opinião de Ana Gomes. "Rui Pinto é um whistleblower evidentemente, mesmo que tenha cometido alguns delitos. É um whistleblower e deve ser posto ao serviço do Estado, isto se o Estado quiser ir atrás da grande criminalidade", acrescenta a eurodeputada.

Existe "uma atuação seletiva para ir atrás de uns e encobrir outros"

"Eu não sei se Rui Pinto cometeu delitos. É um assunto que a Justiça tem de apreciar. Aquilo que eu sei é que o Rui Pinto é uma pessoa com excecionais capacidades informáticas que colaborou com a Justiça de vários países. Não entendo como é que a justiça portuguesa não lhe pediu colaboração quando outros [países] o fizeram e por causa disso já recuperaram imenso dinheiro, de fuga ao fisco e branqueamento de capitais", repete Ana Gomes - esta tem sido a sua batalha desde que se soube da informação recolhida por Rui Pinto e após a sua extradição para Portugal.

"Rui Pinto pode ser um delinquente, mas os grandes criminosos estão aí à solta e não vejo as autoridades a atuarem contra eles", sublinha a eurodeputada, muito crítica das autoridades portuguesas que acusa de não pedirem a colaboração de Pinto "porque nunca houve uma atuação proativa, mas sim uma atuação seletiva para ir atrás de uns e encobrir outros".

Diz que não ficou surpreendida com estas novas suspeitas e garante que Rui Pinto também não estará. "Ele sabe que isto é um combate longo, difícil e duro, ele sabe disso perfeitamente, como eu sei disso e fico exatamente onde estou", garante a eurodeputada.

Ana Gomes esteve esta semana na Polícia Judiciária, uma visita confirmada ao DN. "Sim, é verdade, fui falar sobre vários casos que tenho acompanhado ligados principalmente a questões de terrorismo, mas também falámos de Rui Pinto, mas não vou dizer nem aquilo que falei nem o que fiz", afirmou.

"Perseguição Judiciária", acusam advogados do hacker português

Em abril, Ana Gomes visitou o hacker português na prisão para lhe entregar em mãos o prémio europeu para denunciantes. Mas conta voltar em breve. "Já pedi para ir visitar Rui Pinto outra vez", conta.

Ana Gomes chama ainda a atenção para o artigo escrito por Maria José Morgado, publicado no Expresso a 11 de maio, e intitulado "O amigo Hacker", no qual a procuradora assume que "há uma impreparação das autoridades para prevenir e reprimir uma grave criminalidade global, designadamente no mundo do futebol".

"Rui Pinto pode ser posto ao serviço das autoridades que não têm capacidades informáticas ou periciais nenhumas e é isso que a procuradora Maria José Morgado explica no artigo que escreveu", diz.

"A ser verdade que ele fez isso [invadiu os emails de magistrados e de elementos da Administração Interna] então o Estado português é manteiga e qualquer puto mais habilidoso pode entrar [nesses e-mails]", acrescentou a eurodeputada.

William Bourdon e Francisco Teixeira da Mota, advogados francês e português de Rui Pinto, respetivamente, acusam as autoridades portuguesas de estarem a levar a cabo uma "perseguição judiciária" ao hacker.

"Não há razão legal para manter Rui Pinto na prisão", disse Teixeira da Mota, citado pelo Le Monde .

"É espantoso que os dados [sirvam] ​​para criminalizar pesadamente e de forma injusta Rui Pinto e não para criminalizar aqueles que são responsáveis: os grandes delinquentes do futebol português", disse William Bourdon ao mesmo jornal, acrescentado que "Rui Pinto é o alvo de uma perseguição judicial que se explica pelo poder do mundo do futebol português, [os seus] clubes e agentes.Desde o primeiro momento, Rui Pinto apenas quis esclarecer o mundo e o que ele descobriu ultrapassou os seus piores pesadelos.O que dará lugar dentro de alguns anos a grandes processos de fraude fiscal", acrescentou Bourdon.

Ana Gomes vai discutir caso Rui Pinto com Van Dunem em julho

Com a Fundação Signal Networks, para a qual trabalham os dois defensores de Rui Pinto, e outros parlamentares, a eurodeputada portuguesa Ana Gomes pediu para se encontrar com Francisca Van Dunem, para discutir o caso de Rui Pinto. O encontro está marcado para o dia 16 de julho.

"Esta será uma oportunidade para esclarecer porque é que Rui Pinto deve ser considerado e protegido como denunciante, em vez de sofrer o tratamento de criminosos perigosos. Já se passaram três meses desde que ele está detido em Portugal, sem qualquer acusação formal ", disse Ana Gomes ao Le Monde.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?