Governo vai comprar 715 autocarros

O Governo anunciou esta sexta-feira a aquisição de 715 novos autocarros para reforçar as frotas de transportes públicos de todo o país, um investimento que ascenderá a 220 milhões de euros, segundo o ministro do Ambiente e Transição Energética.

Falando na apresentação dos veículos que irão reforçar a frota da empresa rodoviária Carris, que opera na zona de Lisboa, João Matos Fernandes afirmou que "estes 15 autocarros fazem parte dos 715 autocarros que estão a ser comprados no país todo".

"Estamos a falar de um investimento de 220 milhões de euros, naquele que é o maior programa que conhecemos [...] que está a ser feito nos países da União Europeia para aumentar e renovar a frota de autocarros, todos eles com elevada performance ambiental", declarou o governante.

O ministro do Ambiente e Transição Energética destacou que "nenhum destes autocarros é a diesel".

De acordo com Matos Fernandes, "estes 715 autocarros dividem-se em dois blocos dentro do POSEUR [Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos], que é o programa que os financia parcelarmente".

"No primeiro aviso, há cerca de um ano e meio, 15% dos autocarros eram elétricos. No segundo aviso, que encerrou há menos de um mês, 41% dos autocarros são elétricos", explicou, referindo que "nenhum é a diesel, os outros são a gás natural".

A par deste investimento, o Governo vai aplicar 137 milhões de euros na "aquisição das novas composições para o metro de Lisboa e para o seu novo sistema de sinalização".

Segundo o governante, o "concurso foi lançado", existem "quatro concorrentes e está neste momento a decidir-se quais são os que passam à fase seguinte".

João Pedro Matos Fernandes referiu também que o Metropolitano de Lisboa chegou a ter 30 comboios parados, mas neste momento tem oito, e por isso a capacidade de oferta da empresa "vai ser muito maior".

Na apresentação, que decorreu na estação da Carris de Miraflores, concelho de Oeiras (distrito de Lisboa), Matos Fernandes firmou o compromisso de que em 2050 "o país será mesmo neutro em emissões carbónicas".

"Vamos mesmo conseguir reduzir de seis para um, que é um desafio enorme, aquilo que são as emissões carbónicas do nosso país", acrescentou, falando numa meta de diminuição de 98% de emissões por parte do setor dos transportes.

Para tal, "em 2050 toda a mobilidade terrestre será elétrica".

Questionado sobre a redução tarifária que está previsto entrar em vigor em abril do próximo ano, o ministro salientou que é "para todo o país", e explicou que "as duas áreas metropolitanas e cada uma das comunidades intermunicipais vai receber uma transferência de dinheiro do Orçamento do Estado, do qual 60%, no mínimo, tem de ser dedicado a reduzir o tarifário".

"Estimo que as duas áreas metropolitanas até venham a utilizar 100% da verba transferida", continuou, apontando que "nos sítios onde a oferta seja hoje menos robusta, os outros 40% podem ser utilizados no reforço dessa mesma oferta, na qualificação das paragens de autocarro, na sua extensão, no que entenderem".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.