Trump acusa Pfizer de atrasar notícia da vacina para o prejudicar

Ao contrário do que a Casa Branca tem dado a entender, a Pfizer não utilizou fundos públicos dos EUA no desenvolvimento da sua vacina.

Donald Trump aludiu esta sexta-feira novamente a uma alegada conspiração para que a informação preliminar sobre a vacina contra o coronavirus fosse divulgada só depois da votação, para o prejudicar, responsabilizando diretamente a farmacêutica Pfizer.

Trump devia dar esta sexta-feira uma conferência de imprensa para anunciar uma descida do preço dos medicamentos, mas, visivelmente irritado, atacou a empresa farmacêutica e não aceitou perguntas dos jornalistas.

Ainda sem ter aceitado a derrota nas eleições presidenciais de 03 de novembro, Trump atacou também a entidade reguladora da alimentação e dos medicamentos (FDA, na sigla em Inglês).

"Vocês não teriam uma vacina nos próximos quatro anos se não fosse eu, porque a FDA nunca teria sido capaz de fazer o que fez se não os tivesse forçado a fazê-lo", começou por dizer.

"A Pfizer e outros incluídos decidiram não avaliar os resultados da sua vacina, por outras palavras, só apresentaram a vacina depois das eleições", denunciou, mas sem avançar qualquer prova.

Esta acusação, dirigida à Pfizer, à FDA e aos democratas, já tinha sido feita em 09 de novembro, o que levou inclusive a revista Science a averiguar a base da alegação, comprovando que não havia provas que a suportassem.

Neste dia, a Pfizer e a sua parceira alemã, a BioNTech, pediram uma autorização de emergência à FDA para poderem começar a distribuir a sua vacina, que poderia ser administrada a grupos de riscos a partir de dezembro.

A Pfizer não utilizou fundos públicos dos EUA no desenvolvimento da sua vacina, se bem que tenha depois chegado a acordo com o governo federal para a venda de 100 milhões de doses por 1,95 mil milhões de dólares (1,645 mil milhões de euros).

Já a farmacêutica norte-americana Moderna utilizou fundos federais no desenvolvimento da sua vacina, a qual apresentou resultados preliminares muito parecidos com os da Pfizer.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG