Após operação em Estrasburgo, polícia procura carro da mãe de suspeito

Zona de Neudorf, onde o suspeito do atentado foi visto pela última vez, esteve cercada por 720 polícias armados. Quinto detido terá hospedado suspeito na véspera do atentado. Investigadores procuram viatura que Chérif Chekatt terá usado na fuga.

A polícia francesa lançou nesta quinta-feira uma grande operação em Estrasburgo, na zona de Neudorf, na pista de Chérif Chekatt, o suspeito de ter matado três pessoas no mercado de Natal de Estrasburgo, que todos os anos atrai dois milhões de visitantes.

Agentes fortemente armados entraram nos edifícios, avança a AFP. Foi traçado um perímetro de segurança em torno do bairro, acrescenta um repórter da agência Reuters no local. Peões e automóveis foram impedidos de circular e alguns edifícios foram evacuados, nomeadamente na Rue d'Epinal.

De acordo com o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, trata-se de uma operação de "eliminação de dúvidas, como houve várias nas últimas 36 horas". "De momento, nada nos diz que a pessoa que procuramos se encontra neste local", acrescentou.

A pedido do presidente Emmanuel Macron, o ministro dirige-se a Estrasburgo para acompanhar o trabalho das autoridades policiais no local. e

No final da tarde, fontes policiais garantiram ao Figaro que as autoridades lançaram um aviso para encontrar o veículo no qual Chekatt terá fugido. Segundo uma das fontes, é o automóvel da mãe do suspeito.

Foi no bairro de Neudorf que um taxista deixou Chekatt após o ataque ao mercado de Natal. O suspeito ainda foi cercado pela polícia e houve troca de tiros, mas os agentes perderam-lhe o rasto pouco tempo depois e Chekatt continua em fuga.

Ao taxista, Chekatt terá dito que "quis vingar os seus irmãos mortos na Síria". De acordo com o Le Parisien, ter-lhe-á poupado a vida apenas porque o homem lhe disse que era "muçulmano praticante" e respeitava a "oração".

Quinta pessoa detida

Uma quinta pessoa foi entretanto detida esta quinta-feira, no âmbito da investigação ao atentado. Trata-se de um indivíduo de 39 anos, próximo do suspeito, mas que não faz parte da família de Chekatt, precisou ao Figaro fonte da procuradoria de Paris. Segundo o L'Alsace, o detido hospedou o suspeito na véspera do atentado e foram colegas de reclusão no mesmo estabelecimento prisional.

Os pais do atacante, bem como dois dos seus irmãos, estão sob custódia policial desde a noite do tiroteio no mercado de Natal.

Polícia lançou apelo para localizar suspeito

A polícia emitiu entretanto um apelo para localizar o suspeito, de 29 anos e filho de pais marroquinos, que nasceu em Estrasburgo.

Terá estado envolvido em pelo menos 25 processos judiciais, incluindo vários casos de roubo em França e na Alemanha. Foi condenado em 20 ocasiões. Era também um "ficha S" desde 2016, isto é, era um indivíduo que já estava na mira das autoridades por ser considerado uma ameaça à segurança nacional (S é de Segurança do Estado").

Na sua passagem pela cadeia, já tinha sido identificado o seu caráter violento e radicalização religiosa.

A monte na Alemanha?

Quase 48 horas depois do atentado, não é certo que Chérif Chekatt esteja em França. Os investigadores seguiram a pista de que poderia ter atravessado a fronteira e encontrado refúgio em Kehl, do outro lado do Reno. No entanto, uma intervenção das forças policiais francesas e alemãs não permitiu encontrar o seu rasto na quarta-feira de manhã.

O Ministério Público alemão instaurou um processo contra Chekatt por homicídio, tentativa de homicídio e agressão agravada, uma vez que muitos turistas da Alemanha se encontravam no mercado de Natal na altura do ataque e sofreram ferimentoa. A Suíça, situada a 130 km a sul de Estrasburgo, também reforçou as suas medidas de segurança nas fronteiras.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.