Após operação em Estrasburgo, polícia procura carro da mãe de suspeito

Zona de Neudorf, onde o suspeito do atentado foi visto pela última vez, esteve cercada por 720 polícias armados. Quinto detido terá hospedado suspeito na véspera do atentado. Investigadores procuram viatura que Chérif Chekatt terá usado na fuga.

A polícia francesa lançou nesta quinta-feira uma grande operação em Estrasburgo, na zona de Neudorf, na pista de Chérif Chekatt, o suspeito de ter matado três pessoas no mercado de Natal de Estrasburgo, que todos os anos atrai dois milhões de visitantes.

Agentes fortemente armados entraram nos edifícios, avança a AFP. Foi traçado um perímetro de segurança em torno do bairro, acrescenta um repórter da agência Reuters no local. Peões e automóveis foram impedidos de circular e alguns edifícios foram evacuados, nomeadamente na Rue d'Epinal.

De acordo com o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, trata-se de uma operação de "eliminação de dúvidas, como houve várias nas últimas 36 horas". "De momento, nada nos diz que a pessoa que procuramos se encontra neste local", acrescentou.

A pedido do presidente Emmanuel Macron, o ministro dirige-se a Estrasburgo para acompanhar o trabalho das autoridades policiais no local. e

No final da tarde, fontes policiais garantiram ao Figaro que as autoridades lançaram um aviso para encontrar o veículo no qual Chekatt terá fugido. Segundo uma das fontes, é o automóvel da mãe do suspeito.

Foi no bairro de Neudorf que um taxista deixou Chekatt após o ataque ao mercado de Natal. O suspeito ainda foi cercado pela polícia e houve troca de tiros, mas os agentes perderam-lhe o rasto pouco tempo depois e Chekatt continua em fuga.

Ao taxista, Chekatt terá dito que "quis vingar os seus irmãos mortos na Síria". De acordo com o Le Parisien, ter-lhe-á poupado a vida apenas porque o homem lhe disse que era "muçulmano praticante" e respeitava a "oração".

Quinta pessoa detida

Uma quinta pessoa foi entretanto detida esta quinta-feira, no âmbito da investigação ao atentado. Trata-se de um indivíduo de 39 anos, próximo do suspeito, mas que não faz parte da família de Chekatt, precisou ao Figaro fonte da procuradoria de Paris. Segundo o L'Alsace, o detido hospedou o suspeito na véspera do atentado e foram colegas de reclusão no mesmo estabelecimento prisional.

Os pais do atacante, bem como dois dos seus irmãos, estão sob custódia policial desde a noite do tiroteio no mercado de Natal.

Polícia lançou apelo para localizar suspeito

A polícia emitiu entretanto um apelo para localizar o suspeito, de 29 anos e filho de pais marroquinos, que nasceu em Estrasburgo.

Terá estado envolvido em pelo menos 25 processos judiciais, incluindo vários casos de roubo em França e na Alemanha. Foi condenado em 20 ocasiões. Era também um "ficha S" desde 2016, isto é, era um indivíduo que já estava na mira das autoridades por ser considerado uma ameaça à segurança nacional (S é de Segurança do Estado").

Na sua passagem pela cadeia, já tinha sido identificado o seu caráter violento e radicalização religiosa.

A monte na Alemanha?

Quase 48 horas depois do atentado, não é certo que Chérif Chekatt esteja em França. Os investigadores seguiram a pista de que poderia ter atravessado a fronteira e encontrado refúgio em Kehl, do outro lado do Reno. No entanto, uma intervenção das forças policiais francesas e alemãs não permitiu encontrar o seu rasto na quarta-feira de manhã.

O Ministério Público alemão instaurou um processo contra Chekatt por homicídio, tentativa de homicídio e agressão agravada, uma vez que muitos turistas da Alemanha se encontravam no mercado de Natal na altura do ataque e sofreram ferimentoa. A Suíça, situada a 130 km a sul de Estrasburgo, também reforçou as suas medidas de segurança nas fronteiras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.