Cherif Chekatt quis "vingar os irmãos mortos" na Síria

O alegado autor do atentado no mercado de Natal de Estrasburgo justificou o ato terrorista de terça-feira à noite perante um taxista a quem só terá poupado a vida por este se ter dito "muçulmano praticante".

Cherif Chekatt, o homem de 29 anos que na terça-feira à noite disparou num mercado de Natal matando três pessoas e ferindo 12, enquanto gritava "Allah Akbar" ("Alá é grande"), terá dito a um taxista que quis "vingar os seus irmãos mortos na Síria", conta o Le Parisien .

Se esse taxista, identificado apenas como M., está vivo, escreve ainda o jornal francês, tal deve-se ao facto de ter afirmado ser "muçulmano praticante" que respeita "a oração".

Neste momento há 720 agentes em busca do fugitivo, numa ação que envolve controlos de estrada, rondas de helicópteros e vigilância de fronteiras. As forças de ordem temem que Chekatt, ferido no ombro por uma bala, procure agir novamente para morrer como um mártir. Uma das possibilidades em análise é a sua fuga para a Alemanha, país onde antes terá já cometido furtos.

A polícia encontrou em casa do suspeito uma arma de calibre 22, munições, facas e uma granada. Não foram encontradas provas de uma ligação a uma organização extremista, apenas escritos em árabe, que neste momento estão a ser analisados.

Chekatt, filho de pais marroquinos que nasceu a 4 de fevereiro de 1989 em Estrasburgo, terá estado envolvido em pelo menos 25 processos judiciais, incluindo vários casos de roubo em França e na Alemanha. Foi condenado em 20 ocasiões. Era também um "ficha S" desde 2016, isto é, era um indivíduo que já estava na mira das autoridades por ser considerado uma ameaça à segurança nacional (S é de Segurança do Estado").

Na sua passagem pela cadeia, já tinha sido identificado o seu caráter violento e radicalização religiosa.

Chérif Chekatt mede 1.80 metros, tem peso corporal normal, barba e uma marca na testa.

Notícia atualizada às 11.10: Uma das vítimas do atentado que estava em morte cerebral morreu. O número de vítimas mortais subiu para três.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?