Polícia francesa pede ajuda para encontrar o atirador de Estrasburgo

Autoridades pedem a quem se cruzar com o suspeito para entrar em contacto com a polícia, mas para não intervir. Chérif Chekatt é considerado um "indivíduo perigoso".

A polícia francesa lançou um pedido de ajuda para encontrar o suspeito do tiroteio de terça-feira à noite em Estrasburgo. Chérif Chekatt, de 29 anos, é suspeito de ter aberto fogo num mercado de Natal, provocando dois mortos e 13 feridos.

A mensagem foi publicada na rede social Twitter e é acompanhada por uma fotografia do cidadão francês, considerado um "indivíduo perigoso".

Na mesma publicação, a polícia nacional solicita a quem vir o suspeito para não intervir sozinho, mas para ligar para o número 197.

Segundo algumas testemunhas presentes no local, o atirador gritou "Allahu Akbar" (Deus é grande) quando abriu fogo no mercado de Natal.

Tal como o DN noticiou, Chekatt, filho de pais marroquinos que nasceu a 4 de fevereiro de 1989 em Estrasburgo, terá estado envolvido em pelo menos 25 processos judiciais, incluindo vários casos de roubo em França e na Alemanha. Foi condenado em 20 ocasiões. Era também um "ficha S" desde 2016, isto é, era um indivíduo que já estava na mira das autoridades por ser considerado uma ameaça à segurança nacional (S é de Segurança do Estado").

Na sua passagem pela cadeia, já tinha sido identificado o seu caráter violento e radicalização religiosa.

De ministro do Interior francês, Christophe Castaner, mais de 700 polícias, soldados e outros membros das forças de segurança estão a tentar encontrar o suspeito, que ficou ferido durante o ataque.

Chérif Chekatt mede 1.80 metros, tem peso corporal normal, barba e uma marca na testa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".