Memorial judeu vandalizado em Estrasburgo. É o segundo ataque em menos de um mês

Estatísticas publicadas no mês passado mostraram um aumento de 74% no número de ataques antissemitas em França.

"Um novo ato de antissemitismo na nossa cidade", escreveu o presidente da câmara de Estrasburgo, França, na sua conta de Twitter. De acordo com Alain Fontanel, um memorial judeu junto à antiga sinagoga da cidade foi vandalizado este sábado. Mas este é apenas mais um caso de vandalismo entre muitos contra ícones judeus na cidade, de acordo com a BBC.

No mês passado, a poucas horas de um protesto nacional contra o aumento de ataques antissemitas, dezenas de sepulturas num cemitério judeu em Quatzenheim, perto de Estrasburgo, foram marcadas com suásticas e mensagens antissemitas a spray . O episódio não deixou nem o presidente francês Emmanuel Macron indiferente, que visitou o local e expressou a sua "total determinação em combater o antissemitismo em todas as suas formas".

Só naquela zona, este último é o segundo ataque deste género.

Mas o mesmo aconteceu no início de fevereiro em várias caixas de correio que tinham a fotografia da antiga ministra da saúde, Simone Veil, sobrevivente do campo de concentração em Auschwitz e que morreu em 2017.

"Infelizmente, a história repete-se", disse o autarca de Estrasburgo. Em setembro de 1940, em plena II Guerra Mundial, a sinagoga foi incendiada por nazis.

Alain Fotanel garantiu que as autoridades locais estão agora fazer os possíveis para encontrar e capturar os autores deste último ato de vandalismo.

Os casos de antissemitismo em França aumentaram bastante nos últimos anos. As últimas estatísticas mostram um aumento de 74% no número de ataques antissemitas no país com a maior comunidade judaica da Europa. Em 2017, contabilizaram-se 311 ataques, mas em 2018 foram 541, mais 230.

E o aumento da extrema-direita no país e por toda a Europa é a razão das estatísticas, segundo alertam os grupos judaicos em França.

Também na Alemanha, os ataques contra judeus aumentaram 10% ao longo do ano passado, com uma subida de 60% de ataques físicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?