O troféu que falta ao FC Porto e a Sérgio Conceição e que os outros já venceram

Sporting-FC Porto (terça-feira, 19.45 SIC e Sport TV) e Sp. Braga-Benfica (quarta-feira, 19.45, SIC e Sport TV) lutam por um lugar na final da prova. Bracarenses são os detentores do troféu ganho sob o comando de Rúben Amorim... agora em Alvalade. Golos valem alimentos e há um novo sistema de arbitragem

Desde que nasceu, na época 2007-08 que alguns lhe adivinham o fim. Pinto da Costa chegou a apelidá-la de "taça da cerveja", numa alusão ao patrocinador da altura, mas a verdade é que a Taça da Liga já vai na 14.ª edição (começa esta terça-feira a final four) e agora até há quem defenda (Jorge Jesus, por exemplo) que devia valer uma vaga na Liga Europa.

É o troféu que falta no museu do FC Porto. Só durante o reinado de Pinto da Costa (desde 1982), o clube somou um total de 60 taças no futebol (21 campeonatos, 20 Supertaças, 12 Taças de Portugal, 2 Ligas dos Campeões, 2 Taças Intercontinentais, 1 Taça UEFA, 1 Liga Europa e 1 Supertaça Europeia). Mas continua a faltar nas vitrinas do museu a Taça da Liga. Na estreia na competição, em 2007, ainda num formato a eliminar, os portistas ficaram de fora logo no primeiro jogo, após perderem com o secundário Fátima de Rui Vitória. Depois disso perderam quatro finais, incluindo a da época passada para o Sp. Braga.

Esta época o FC Porto volta a estar nos lugares de decisão, juntamente como o Sporting, o Benfica e o Sp. Braga, o detentor do troféu. Os minhotos já venceram duas edições (2020 e 2013), tantas quanto o Sporting, vencedor em 2018 e 2019. O Benfica é o recordista de triunfos, com sete (2009, 2010, 2011, 2012, 2014, 2015 e 2016), seis deles com Jorge Jesus .

Rúben Amorim, atual treinador do Sporting, já venceu por sete vezes a Taça da Liga (cinco como jogador do Benfica e duas pelo Sporting de Braga, um como futebolista e outro como técnico), mais uma do que Jorge Jesus, enquanto Carlos Carvalhal, que treina o Sp. Braga, arrebatou a edição inaugural de uma prova que Sérgio Conceição nunca ganhou.

Clássico marcado pela covid-19

A final four começa esta noite com um clássico (Sporting-FC Porto, às 19.45, na SIC e Sport TV e com arbitragem de João Pinheiro) sem as condições ideais. "A partida fica condicionada a partir do momento em que as duas equipas não estão completas. Quando tenho todo o grupo à disposição, não tenho problemas, mas com tantas limitações desta terrível pandemia fica complicado. Não são as condições ideais para se jogar uma meia-final Taça da Liga, mas temos de aceitar e ir à luta", desabafou ontem Conceição, que além de Taremi (castigado) e Otávio, ficou também sem Sérgio Oliveira, Luis Díaz e Evanilson devido à covid-19 - os leões também têm jogadores infetados.

O calendário apertado, as condições climatéricas, e o facto de ter mais cinco jogos oficiais esta época do que os leões aumentam o desgaste dos dragões, mas o treinador não quer desculpas: "Vamos encarar o jogo com a melhor estratégia para ganhar e estar na final de sábado."

Para isso é preciso vencer um leão "difícil de contrariar" se o FC Porto não estiver bem no jogo. "É uma equipa com muita juventude, líder do campeonato e com ambição. Percebe-se a dinâmica que tem, faz parte do que é o pensamento do seu treinador. É fácil de interpretar a forma como joga, mas é difícil de contrariar se não estivermos bem no jogo. Mas estamos prontos para este desafio", avisou o técnico, que na época passado perdeu a final para Rúben Amorim.

Quando questionado sobre se tinha feito uma análise mais aprofundada às declarações de Jorge Jesus no final do clássico entre o FC Porto e o Benfica do campeonato, que terminou empatado a um golo, Conceição reagiu assim: "Pelo que vi, o ambiente no rival depois de empatar, e de continuar atrás de nós, foi de ganhar uma Liga dos Campeões. Ou melhor, passar a pré-eliminatória de uma Liga dos Campeões."

Agora o adversário é outro e dá pelo nome de Sporting. Depois de uma derrota (Marítimo, na Taça de Portugal) e um empate (Rio Ave, I Liga) estará o leão fragilizado? "Foram dois resultados que não estávamos habituados, mas encontrei a equipa muito empenhada e concentrada. Não encontrei a mesma alegria, o que é um bom sinal, mas a equipa não ficou desconfiada. Continua a acreditar no processo, muito confiante e preparada para o próximo jogo, que é importante, uma meia-final da Taça da Liga", respondeu Rúben Amorim.

O técnico leonino é o atual detentor do troféu e quer mais: "Estou no Sporting e queremos trazer a taça para Alvalade. Já temos algumas, mas queremos voltar a ganhar. Os jogadores precisam destes jogos, precisam de aprender que o ADN do Sporting é vencer títulos. Eu não sou o detentor do título. O troféu é do Sp. Braga, não é meu. Quero é ganhar o título como treinador do Sporting, com todos os jogadores. Muitos ainda não ganharam um título e temos de estar entusiasmados com isso."

E se fosse possível fazer uma pergunta a Sérgio Conceição? "Se pudesse, perguntava-lhe qual vai ser o onze e como iria jogar", brincou Amorim, depois questionado sobre que FC Porto espera sem Sérgio Oliveira. "Reduzir a equipa seria um erro. São fortes no espaço, são fortes entre linhas com o Corona, a chegada à área do Uribe, laterais muito ofensivos, jogadores na defesa... O Pepe deve ter mais finais da Liga dos Campeões do que os jogos que o Inácio tem na I Liga. É uma equipa jovem, que se diverte muito a jogar, a sofrer", analisou o treinador dos leões.

Carvalhal vs. Jesus

Amanhã é a vez do Sp.Braga e do Benfica lutarem por um lugar na final de sábado. O vencedor da Taça da Liga será o campeão de inverno. A final a quatro vai testar a utilização de um sistema tecnológico inovador. Além do VAR, a equipa de arbitragem terá ao dispor um sistema virtual para a linha de fora de jogo e linha de golo.

Além disso, por cada golo marcado duas toneladas de alimentos serão doados à Rede de Emergência Alimentar. A iniciativa junta a Allianz e a Fundação do Futebol, da Liga Portugal. Já o Minipreço vai doar uma tonelada de bens alimentares por cada uma das quatro equipas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG