Covid-19. Como viver com um infetado em casa?

Deixar arejar a habitação, limitar as divisões por onde a pessoa infetada anda, desinfetar bem todas as superfícies e objetivos e manter a comunicação com profissionais de saúde. Saiba como viver na mesma casa que uma pessoa com o novo coronavírus.

Em Portugal, entre os 245 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, há já vários casos que não estão hospitalizados. Não é preciso. Nem todos os doentes vão apresentar sintomas graves e os casos mais ligeiros podem ser acompanhados em casa, desde que tenham condições higiénicas para isso e que sigam as recomendações das autoridades de saúde. Um cenário confirmado pela ministra da Saúde Marta Temido e pela diretora-geral da Saúde Graça Freitas nas suas intervenções durante este fim-de-semana.

Nestes casos, segundo as indicações da Organização Mundial de Saúde (OMS), deve existir um cuidador ou um familiar presente, que tem de ter atenção às seguintes questões:

Quartos separados

O ideal é que os restantes moradores da casa se mudem temporariamente para outra habitação, à exceção de um cuidador. Preferencialmente, uma pessoa saudável, sem o sistema imunitário comprometido e sem doenças crónicas. Mas, se isto não for possível, aconselha-se a distância social em relação ao doente - sempre com um afastamento mínimo de um metro - e manterem-se em divisões diferentes. O doente deve permanecer sozinho num quarto bem ventilado, com a porta aberta e onde exista uma janela.

Também a movimentação do paciente infetado pela casa deve ser reduzida ao indispensável e evite-se os espaços partilhados, como a cozinha e a casa de banho, se houver possibilidade (que, mais uma vez, devem manter-se arejados tanto quanto possível).

Reforçar as medidas de higiene

Lavar sempre as mãos, principalmente após qualquer contacto com a pessoa doente ou com os objetos que a rodeiam. Utilize água e sabão ou uma solução à base de álcool e esfregue durante, pelo menos 20 segundos. Para as secar, é preferível usar papel descartável a toalhas têxteis. Mesmo assim, se optar pela segunda solução, mude as toalhas assim que ficarem húmidas.

Não partilhe lençóis, toalhas, pratos, talheres e depois da utilização lave estes objetos bem, com água quente. O mesmo é válido para todas as superfícies, divisões da casa utilizadas pela pessoa com covid-19. Neste momento, tudo indica que o maior contágio desta nova pneumonia viral se faz por contacto com superfícies contaminadas. É conveniente limpar todos os dias o quarto onde a pessoa passa mais tempo, desinfetar a mobília, maçanetas, interruptores com detergentee depois aplicar lixívia ou desinfetante, evitando ao máximo tocar diretamente em objetos como escovas de dentes, cigarros, esponjas do contaminado.

Atenção redobrada para a casa de banho. Se apenas existir uma em casa e, portanto, tiver de a partilhar, esta divisão deve ser desinfetada pelo menos uma vez por dia, e no caso da sanita após cada utilização. A pessoa responsável pela limpeza deve usar máscara e luvas.

Em relação ao lixo feito pela pessoa infetada, este deve ser isolado, fechado dentro de um saco e depois dentro de um balde com tampa também devidamente coberto com um saco de plástico.

Lavagem da roupa

A roupa, as toalhas e os lençóis usados pelo doente não devem ser sacudidos. O melhor é irem diretamente para a máquina de lavar num programa entre os 60 e os 90 graus e depois deixar secar.

Utilize luvas e roupas de proteção para pegar na roupa.

Não receber visitas

Durante o tempo que durar o internamento em casa, não receba visitas. Esta regra é válida até um profissional de saúde considerar que está completamente recuperado e não existam quaisquer sintomas associados à doença (febre, tosse, fadiga, dores no corpo, dificuldades respiratórias).

Contacto com os profissionais de saúde

As orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que para decidir se uma pessoa infetada pode receber tratamento em casa, um profissional de saúde qualificado deve comprovar que a habitação tem condições adequadas e que há familiares que conseguem cumprir estas recomendações.

Todas as pessoas que vivem com um infetado pelo novo coronavírus devem permanecer também em vigilância pelas autoridades de saúde e manterem-se atentas ao aparecimento de sintomas coincidentes com os deste vírus. Em caso de dúvida, ligue para a linha de SNS 24 (808 24 24 24), em vez de se dirigir a um serviço de saúde, evitando a propagação do vírus.

Em Portugal, há 112 pessoas infetadas, segundo o boletim epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde, divulgado esta sexta-feira. A maioria dos cidadãos infetados continua a estar a norte do país (53 doentes), seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo (46) e depois pelas regiões centro (6) e Algarve (6). A faixa etária mais afetada é a das pessoas entre os 40 e os 49 anos. E estão em vigilância 5674 pelas autoridades de saúde cidadãos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG