Premium Sindicatos apelam a boicote à descentralização na Educação

Organizações representativas de professores dirigem carta aos autarcas, defendendo que intenção do governo põe em causa qualidade universal da oferta e até pode ser inconstitucional.

A maioria das organizações sindicais de professores subscreveram uma carta, que será nesta segunda-feira enviada a autarcas de todo o país, onde apelam à recusa da transferência de competências em matéria de educação. Ao DN, Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores, disse estar convicto de que a grande maioria dos municípios do país não aceitará esta pasta.

Inicialmente, foi dado às autarquias um prazo, até 15 de setembro, para comunicarem se aceitavam ou recusavam aderir à descentralização, mas, segundo Nogueira, terão entretanto sido dadas indicações às câmaras, por parte da Direção-Geral da Administração Local, de que "esse prazo vai ser alterado e que os diplomas setoriais é que vão estabelecer o novo prazo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.