Maria Matos e Teatro do Bairro Alto: "rentrée" adiada nas duas salas de Lisboa

Yellow Star Company não aceita a decisão da EGEAC e avançou para o tribunal. No Bairro Alto, as obras estão atrasadas.

Em agosto do ano passado, Mark Deputter anunciou a sua saída da direção artística do Teatro Maria Matos, um dos teatros municipais de Lisboa. Em vez de abrir um concurso para novo diretor, antes do final de 2017 a vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, anunciou uma reestruturação dos teatros da cidade: a gestão do Maria Matos seria concessionada a um privado, "com uma nova missão", vocacionado para "espetáculos de grande público, predominantemente teatro"; e aquela que era a programação desta sala seria dividida por outros espaços municipais, cada um com a sua direção artística - enquanto o Teatro do Bairro Alto (antiga Cornucópia) teria a responsabilidade de apresentar uma programação mais independente, o renovado Teatro Luís de Camões, em Belém, ficaria com a programação infanto-juvenil.

Apesar da muita contestação por parte da comunidade artística, o novo modelo foi aprovado. A vereadora contava pôr o modelo em prática a partir de setembro deste ano, para que até ao início de 2019 todos os espaços estivessem a funcionar. Porém, neste início da nova temporada, apenas o Teatro Luís de Camões, agora rebatizado como Lu.Ca e tendo como diretora artística Susana Menezes (que transitou da programação infanto-juvenil do Maria Matos) está a funcionar em pleno.

O concurso do Teatro Maria Matos encontra-se em stand-by. No Teatro do Bairro Alto prosseguem as obras. Para já, ambas as salas continuam de portas fechadas. Até quando?

Maria Matos à espera do tribunal

A 3 de julho foi anunciado que a Força de Produção iria gerir o Maria Matos, teatro situado perto da avenida de Roma, e Sandra Faria declarava ao DN a sua satisfação. "Na curta vida da Força de Produção andámos sempre a saltitar", comentava a responsável pela produtora que em Lisboa costuma apresentar os seus espetáculos em salas como o Teatro Villaret, o Tivoli ou o Trindade. A produtora é a responsável por espetáculos como Mais respeito que sou tua mãe! , com Joaquim Monchique, ou Uma Nêspera no Cu , com Nuno Markl e Bruno Nogueira.

No entanto, a empresa que ficou em segundo lugar no concurso, a Yellow Star Company, reclamou da decisão. E assim o concurso ficou em suspenso. "O concurso ainda não está fechado, decorrente do recurso apresentado pela Yellow Star, que está a ser respondido", explica a EGEAC ao DN.

Paulo Sousa Costa, da Yellow Star Company, a produtora que tem neste momento em cena o musical Grease, com Diogo Morgado e Mariana Marques Guedes, no Casino do Estoril, garante ao DN que não quer entrar em polémicas, mas explica que assim que soube do resultado do concurso, em julho, apresentou uma reclamação pois afirma que o processo foi "ferido de várias ilegalidades", pela "violação dos critérios da igualdade, imparcialidade, proporcionalidade e boa fé".

O júri do concurso foi composto pela jornalista Pilar del Rio; a presidente da EGEAC, Joana Gomes Cardoso; a atriz e encenadora Natália Luiza; o dramaturgo e crítico Jorge Louraço Figueira; e o jornalista e escritor Nuno Galopim.

A empresa diz que "da análise do relatório preliminar não é possível compreender a que critérios e subcritérios o júri do procedimento recorreu para as pontuações atribuídas" às duas candidaturas em causa. Por exemplo, no que toca à programação para públicos de várias faixas etárias e adoção dos mecanismos de inclusão social, dois dos objetivos definidos pela EGEAC para o espaço, a Yellow Star garante que a sua proposta é muito mais completa do que a da Força de Produção, não compreendendo por isso a discrepância de pontuação a favor da concorrente. Além disso, na sua queixa, aponta algumas irregularidades processuais que, no seu entender, prejudicaram a sua candidatura.

"Neste momento, já recebemos a resposta da EGEAC, que está a julgar em causa própria. E como não obtivemos respostas concretas quanto às ilegalidades do processo por nós levantadas, e porque achamos que não deve ser a entidade que vota a decidir o nosso recurso, decidimos recorrer aos tribunais", explica o responsável da Yellow Star Company. A ação judicial deu entrada no Tribunal Administrativo de Lisboa ainda em setembro. A empresa pede a suspensão do concurso e a impugnação das decisões do júri. "Aguardamos a diligência da Justiça. Vamos até às últimas consequências para defendermos aquilo em que mais acreditamos", diz.

Já a Força de Produção prefere manter-se em silêncio neste momento, enquanto aguarda a decisão final. Entretanto, o Teatro Maria Matos continua de portas fechadas.

Obras inesperadas no Bairro Alto

O concurso para a direção artística do Teatro do Bairro Alto, na rua Tenente Raul Cascais, junto da rua da Escola Politécnica, recebeu 27 candidaturas. A autarquia procurava um projeto que fosse ao encontro do seu formato black box, direcionado, sobretudo, para a criação artística contemporânea. No início de junho ficou a saber-se que Francisco Frazão, que tinha assumido a programação de teatro da Culturgest nos últimos anos, seria o diretor artístico do espaço, com um caderno de encargos de 650 mil euros.

Em declarações à Agência Lusa nessa altura, Francisco Frazão explicava que planeava uma programação onde estivesse bem presente "a ideia do experimental dos artistas emergentes" e ainda algumas propostas internacionais, apostando "numa abertura à cidade, com parceiros na zona e parceiros institucionais, mas também aberto às vozes dos espetadores, dos artistas e dos outros trabalhadores do espetáculo, que tenham uma palavra a dizer no funcionamento do teatro".

Frazão já tem a equipa constituída e está a trabalhar na programação do espaço que está neste momento a sofrer obras de remodelação. Havia algumas obras que já se sabia serem necessárias - nomeadamente na questão dos acessos e da renovação de alguns equipamentos mas, como é costume, depois de se começar a trabalhar percebeu-se que a intervenção teria de ser mais profunda.

O Teatro do Bairro Alto "será inaugurado no próximo ano", garante a EGEAC ao DN, embora não possa ainda anunciar uma data: "Depende da evolução das obras que vão ser mais extensas do que inicialmente previsto, uma vez que o espaço não era intervencionado há vários anos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.