Francisco Frazão escolhido para diretor artístico do Teatro do Bairro Alto

O ex-programador da Culturgest foi o escolhido para a direção artística do Teatro Bairro Alto, em Lisboa, anunciou hoje a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), da Câmara de Lisboa

A escolha de Francisco Frazão, entre os 27 candidatos, foi feita por um júri constituído por Joana Gomes Cardoso, da EFEAC, Sofia Campos, administradora do Teatro Nacional D. Maria II, Maria João Guardão, jornalista, e Pedro Costa, do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa/Dinamia - Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território.

"Devido a um conflito de interesses, o coreógrafo Rui Horta escusou-se do júri, depois da primeira análise das candidaturas", explica a EGEAC em comunicado enviado à agência Lusa.

Entre as 27 candidaturas, as de Francisco Frazão, John Romão, Mickael Oliveira e João Garcia Miguel "obtiveram as três pontuações mais elevadas, duas atribuídas ex-aequo, tendo por isso sido selecionadas para a fase de entrevistas", segundo a mesma fonte.

Relativamente à candidatura de Francisco Frazão, o júri "apreciou uma posição curatorial permanentemente aberta, garantindo autonomia aos objetos e processos arti´sticos programados, bem como a apresentac¸a~o de uma programac¸a~o a dois tempos, que responde tanto a` necessidade premente de visibilidade e sustentac¸a~o dos criadores emergentes e experimentais, quanto a` de contrariar a velocidade atual de programac¸a~o na cidade", refere a EFEAC.

Francisco Frazão foi programador de teatro da Culturgest, em Lisboa, é licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Entre 2000 e 2004 fez parte da comissão de leitura da companhia Artistas Unidos. Frazão traduziu autores como Samuel Beckett, Harold Pinter, Stephen Greenhorn, Howard Barker, Tim Crouch, Abi Morgan, Katori Hall, Chris Thorpe e Tim Etchells.

Segundo o 'site' da Culturgest, o novo diretor do Teatro do Bairro Alto, antiga sede do grupo Teatro da Cornucópia, tem publicado artigos e dado aulas sobre teatro, cinema e literatura.

O Teatro do Bairro Alto foi sede da companhia de Teatro da Cornucópia, de 1975 a 17 de dezembro de 2016, dia em que a companhia fundada em 1973 por Luís Miguel Cintra e Jorge Silva Melo cumpria 43 anos.

A inclusão do Teatro do Bairro Alto nas salas municipais da capital surgiu no âmbito da remodelação desta rede, anunciada pela vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, em dezembro do ano passado.

A presença deste edifício entre os teatros municipais permitiu, segundo a vereadora, garantir a sua manutenção enquanto espaço teatral, numa zona que mantém uma dinâmica cultural relevante, que se pretende reforçar com este projeto, apesar das alterações que tem sofrido.

Incluir o Teatro do Bairro Alto, situado na rua Tenente Raul Cascais, na rede dos teatros municipais, permitiu também evitar que o "emblemático edifício", ligado ao teatro, se tornasse num espaço de serviços, segundo os responsáveis.

Para a direção artística do Teatro do Bairro Alto, a autarquia pretendia um projeto que vá ao encontro do seu formato 'black box', direcionado, sobretudo, para a criação artística contemporânea.

Pretende ainda a Câmara que o projeto a desenvolver no Teatro do Bairro Alto seja direcionado para a apresentação de propostas experimentais, no âmbito das artes de palco, nomeadamente dança, teatro, música e 'performance'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.