Festival de Almada: mais de 20 espetáculos em duas semanas

De 4 a 18 de julho, o teatro toma conta de vários espaços em Almada e Lisboa. Genet, Camus e Pippo Delbono são alguns dos autores em destaque.

O festival abre, como é habitual, com o espetáculo de honra, votado pelo público do ano anterior. Ou seja: Bigre (Apre, em português), um melodrama burlesco encenado por Pierre Guillois. Depois, de 4 a 18 de julho, o Festival de Teatro de Almada traz-nos 24 produções distintas, entre teatro, dança, música e espetáculos de rua, que se espalham pelos duas margens do Tejo. O diretor artístico, Rodrigo Francisco, afirma que a programaçãoda 35ª edição do festival foi "irremediavelmente afetada" pelo corte de financiamento da DG-Artes, mas fiquem descansados os habituais espectadores: há muito por onde escolher.

A programação completa pode ser consultada no site oficial do festival. Deixamos aqui 8 sugestões para estas duas semanas de intensa programação:

1- Nada de Mim, de Arne Lygre
Teatro da Politécnica, Lisboa, de 4 a 21 de julho

Um homem e uma mulher falam de como se conheceram num bar. Ele observa-a há algum tempo. Ela acabou de deixar o marido. Pensaram amar-se para sempre, mas as coisas nem sempre acontecem como nós imaginámos. Nada de Mim é uma peça íntima e poética do norueguês Arne Lygre, aqui encenada por Pedro Jordão. No palco, além de Pedro Caeiro e Carla Bolito, estão Elisabete Pinto e Tiago Matias. Produção dos Artistas Unidos.

2 - Colónia Penal, de Jean Genet
Teatro do Bairro Alto, Lisboa, de 5 a 17 de julho

Peça inacabada do francês Jean Genet (1910-1986) na qual o autor de Os Negros reconstitui a sua própria experiência prisional. A colónia penal, o degredo, consiste num espaço idealizado no qual a morte, ou a sua aproximação, se torna um tema iminente, a todos unindo e igualando. Nesta produção da Ar de Filmes/ Teatro do Bairro Alto, o encenador António Pires trabalha em colaboração com o cineasta João Botelho que realizou um Quadro das Vítimas para o espetáculo.

3- Kalakuta Republik, de Serge Aimé Coulibaly
Palco Grande, Escola D. António Costa, Almada, 6 de julho

Natural do Burkina Faso, o coreógrafo Aimé Coulibaly trabalha na Europa desde 2002 e tem a sua própria companhia, o Faso Danse Théâtre, na qual trabalha recorrentemente temas ligados a África. Kalakuta Republik foi o nome com o que o compositor Fela Kuti baptizou a sua casa. E é na vida e na obra deste músico ativista e ativista nigeriano que Coulibaly se inspira para criar este espetáculo.

4 - Isabella's Room, de Jan Lauwers
Palco Grande, Escola D. António Costa, Almada, 8 de julho

O quarto de Isabella é uma "tragicomédia musical" que estreou em 2004 no Festival d'Avignon tendo como protagonista a atriz Viviane De Muynck e que conta a história de uma mulher que atravessou todo o século XX, com as suas convulsões políticas e sociais.

5 - Carmen, de Diogo Infante
Teatro da Trindade, Lisboa, de 12 a 15 de julho

A partir de Vozes dentro de mim, livro autobiográfico da atriz Carmen Dolores, Diogo Infante construiu um espetáculo com as memórias e as histórias de uma carreira teatral de quase 70 anos. A interpretação é de Natália Luiza.

6- La Gioia, de Pippo Delbono
Palco Grande, Escola D. António da Costa, 12 de julho

Pippo Delbono regressa ao Festival de Almada, depois de Orquídeas e Evangelho, desta vez com A Alegria, um espetáculo onde junta, como sempre, as suas memórias pessoais com reflexões sobre o mundo em que vivemos e a convocação de um certo estado de loucura que todos nós temos.

7 - L'État de Siège, de Albert Camus
Teatro São Luiz, Lisboa, 14 e 15 de julho

A ideia para esta peça surgiu ao encenador Emmnanuel Demarcy-Mota depois dos atentados de Paris, em novembro de 2015, que colocaram a cidade numa situação de medo que levou, inclusivamente, ao encerramento dos teatros. Foi buscar o texto de Camus, uma fábula política que fala do terror e da importância da resistência. Mesmo perante um Estado de Sítio.

8 - Dr. Nest, de Familie Flöz
Palco Grande, Escola D. António Costa, Almada, 16 de julho

A Familie Flöz é uma companhia alemã que trabalha com a técnica de clown e com a máscara. Em Dr. Nest leva-nos para dentro de um hospital psiquiátrico para nos pôr a questionar o que é a loucura e o que é a normalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.