Mais duas mortes. Casos crescem entre jovens na casa dos 20 anos

Novos casos sobem (386) e internamentos descem. Estão agora internados 233 doentes com covid-19, menos 13 do que na véspera e menos 6 em UCI, de acordo com o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. Açores quadriplicou casos e registou uma morte.

Portugal confirmou, nas últimas 24 horas, mais 386 casos de covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). São mais 187 infeções do que na véspera (199), sendo que 76 novos casos são de homens na casa dos 20 anos, o grupo que registou mais novos. O grupo etário com mais novas infeções entre as mulheres também é o dos 20-29 anos, com mais 38 infeções.

O relatório desta terça-feira (18 de maio) refere também que morreram mais duas pessoas devido ao novo coronavírus, uma nos Açores e outra na região de Lisboa e Vale do Tejo, ambas com menos de 40 anos.

Os internamentos continuam a baixar e mantêm-se abaixo dos 250. Nos hospitais portugueses, estão internados 233 doentes com covid-19 (menos 13 do que os reportados na segunda-feira), dos quais 66 (menos 6) em unidades de cuidados intensivos.

Lisboa e Vale do Tejo com quase metade dos novos casos

Os novos casos quase duplicaram face a segunda-feira - por norma os números baixma no fim de semana, por não haver testagem. Dos 386 novas infeções, quase metade foram reportadas pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com a região Norte a registar 131. A região centro tem mais 20 casos positivos, enquanto o Alentejo tem mais 12, o Algarve mais 10 e a Madeira mais nove.

Destaque para os Açores que reportaram 29 casos, mais 21 do que na véspera (8). Os números da DGS diferem dos anunciados minutos antes pelas autoridades de Saúde regionais, que deram conta de 34 novas infeções por covid-19, todos em São Miguel, em 2098 análises.

Nas últimas 24 horas, 568 pessoas foram dadas como recuperadas da infeção e os casos ativos diminuiram (186). Apesar disso ainda há 21 997 casos ativos e 18 376 em vigilância.

Portugal já registou 842 767 casos de infeção com SARS-CoV-2 e 17 011 mortes desde o início da pandemia, em março de 2020. A nível mundial, a pandemia matou, até hoje, pelo menos 3 391 849 pessoas em 163 507 240 casos de infeção.

5660 suspeitas de reações adversas às vacinas

Também esta terça-feira ficou a saber-se que mais de 5660 suspeitas de reações adversas à vacina contra a covid-19 foram registadas em Portugal e houve 35 casos de morte comunicados em idosos com várias doenças, mas não está demonstrada a relação causa-efeito, segundo o Infarmed.

De acordo com o último relatório a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, datado de sexta-feira (14 de maio), foram notificadas 5665 reações adversas, a maior parte (72,9%) referentes à vacina da Pfizer/BioNtech, com 4129 casos, seguindo-se a da AstraZeneca (Vaxzevria), com 1234, e a da Moderna, com 302.

O Infarmed sublinha, contudo, que "as reações adversas (RAM) notificadas não têm necessariamente uma relação causal com a vacina administrada".

Taxa de vacinação completa no distrito de Bragança superior à média nacional

Ainda no que diz respeito ao processo de inolulação em Portugal, a taxa de vacinação completa contra a covid-19 no distrito de Bragança é superior à média nacional, com 19,3% da população com duas doses, enquanto no país o valor é de 13,5%, segundo a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste.

Dados divulgados hoje indicam que 24 136 pessoas já têm a vacinação completa, o que corresponde a 19,3% dos pouco mais de 124 mil habitantes dos 12 concelhos do distrito de Bragança.

Já no que se refere a primeiras doses, a cobertura na região é inferior à média nacional, com 28,5% contra 31,3%, mas no global de doses administradas o distrito de Bragança acompanha o ritmo nacional com cerca de 47% da população com, pelo menos, uma dose da vacina contra a covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG