18 mortes, o número mais alto desde agosto. Internamentos a subir

Há 16 dias consecutivos que aumenta o número de doentes em hospitais devido à covid-19. São agora 628 (mais 31 do que na véspera) os internados, 93 dos quais (mais quatro) em UCI. Subiu a incidência e o R (t) e desceu o número de novos casos.

No dia em que Portugal registou mais 1475 casos de covid-19, morreram ainda mais 18 pessoas devido à doença. São mais sete óbitos do que os registados na véspera (11), de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta segunda-feira (22 de novembro). É o número mais alto desde 9 de agosto, dia em que também se registaram 18 óbitos em 24 horas.

Os óbitos registados foram de quatro homens e sete mulheres com 80 ou mais anos e ainda um homem na faixa etária dos 40 aos 49 anos, três homens entre os 50 e os 59 anos, uma mulher entre os 60 e os 69 e um homem e uma mulher entre os 70 e os 79 anos.

Os novos casos são agora 1475, menos 1024 do que no domingo. A incidência (o número de novos casos nos últimos 14 dias por 100 mil habitantes) é agora de 228,9 casos a nível nacional (sexta-feira, estava nos 191,2) e de 228,8 no continente (era de 190,9). Já o o R(t) -índice de transmissibilidade - a nível nacional está em 1,19 (era de 1,17 na sexta-feira) e no continente em 1,20 (era de 1,18).

Discriminando as novas infeções. Lisboa e Vale do Tejo voltou a ser a região do país com mais casos (497) e mortes (8). O Norte registou mais 470 infeções e duas mortes, no dia em que o Algarve (176 e duas mortes) superou os novos casos da região Centro (159 e quatro mortes) e o Alentejo (108 e 0 mortes). A região autónoma da Madeira, que se adiantou ao Continente e já definiu novas regras para combater a covid-19, reportou mais 62 casos e duas mortes. Nos Açores foram registados mais 3 infetados e duas mortes.

O relatório desta segunda-feira (22 de novembro) confirma a tendência de subida do número de doentes internados. Há 16 dias consecutivos que aumenta o número de doentes em hospitais. São agora 628 (mais 31 do que na véspera) os internados, dos quais 93 (mais quatro do que na véspera) estão em unidades de cuidados intensivos.

Dados divulgados no dia em que os profissionais do setor social e os bombeiros envolvidos no transporte de doentes começaram a ser vacinados com a terceira dose da vacina contra a covid-19.

Depois dos profissionais, cerca de 28 000 bombeiros que desempenham a função operacional do transporte pré-hospitalar vão receber a dose de reforço da vacina contra a covid-19.

Além dos bombeiros e dos profissionais de saúde e do setor social, estão atualmente a ser vacinados em Portugal com a terceira dose da vacina contra a infeção por SARS-CoV-2 as pessoas com mais de 65 anos.

Positividade nos testes de rastreio já está acima do valor de risco

Isto numa altura em que a positividade nos testes de rastreio já está acima do valor de risco. De acordo com o último relatório sobre as Linhas Vermelhas da pandemia, divulgado pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), "a fração de casos notificados entre os testes realizados para SARS-CoV-2, de 11 a 17 de novembro, foi de 4,3%, valor que se encontra acima do limiar dos 4%, com tendência crescente".

Além do aumento do número de pessoas em que foi detetado o SARS-CoV-2, observa-se também a realização de uma maior quantidade de testes - mais 47 mil. No relatório de 12 de novembro, era referido que tinham sido feitos 244 367 testes, e no da última sexta-feira foram 291 725.

Bruxelas "encoraja" governos a "prepararem logística" para vacinar crianças

Entretanto, a Comissão Europeia "está a encorajar" os estados-membros a acionarem os "preparativos logísticos" para vacinar crianças dos cinco aos 11 anos, enquanto se espera pela decisão da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês).

O porta-voz da Comissão Europeia para a Saúde, Stefan de Keersmaecker diz que Bruxelas tem tudo pronto para que a autorização comercial da vacina possa avançar "muito rapidamente".

"Da nossa parte, a Comissão trabalhará muito rápido. Assim que recebamos a luz verde da Agência Europeia do Medicamento, a Comissão tem procedimentos ultra rápidos para a autorização da vacina", afirmou, lembrando que no caso das vacinas aprovadas para adultos a autorização de Bruxelas tem acontecido "nas primeiras 24 horas", após a aprovação da EMA.

"É muito importante que os Estados-Membros se preparem e o façam rapidamente", disse o porta-voz, insistindo que na Comissão "podemos trabalhar muito rápido da nossa parte, também".

A porta-voz da Comissão Europeia, Dana Spinant afirma que Bruxelas está a seguir, para a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos, um procedimento semelhante ao adoptado há um ano. "Antes de termos lançado a vacinação da população adulta, que começou há quase um ano, em dezembro de 2020, encorajámos os Estados-Membros a prepararem-se logisticamente, porque para haver eficácia é preciso avançar rápido, e é importante avançar na logística", afirmou Dana Spinant, sugerindo aos governos que não percam tempo a accionar os preparativos.

"É da responsabilidade das autoridades nacionais, ou regionais, ou locais, de acordo com a forma como os sistemas de saúde estão organizados nos nossos Estados Membros, darem passos preparatórios para a logística de uma vacinação", afirmou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG