Bruxelas "encoraja" governos a "prepararem logística" para vacinar crianças

A Comissão Europeia "está a encorajar" as autoridades nacionais a acionarem os "preparativos logísticos" para vacinar crianças dos cinco aos 11 anos, enquanto se espera ainda uma decisão da EMA.

Bruxelas aguarda luz verde da Agência Europeia do Medicamento (EMA), mas afirma que os Estados-Membros deve "antecipar logisticamente" a distribuição em massa da versão infantil da vacina.

O porta-voz da Comissão Europeia para a Saúde, Stefan de Keersmaecker diz que Bruxelas tem tudo pronto para que a autorização comercial da vacina possa avançar "muito rapidamente".

"Da nossa parte, a Comissão trabalhará muito rápido. Assim que recebamos a luz verde da Agência Europeia do Medicamento, a Comissão tem procedimentos ultra-rápidos para a autorização da vacina", afirmou, lembrando que no caso das vacinas aprovadas para adultos a autorização de Bruxelas tem acontecido "nas primeiras 24 horas", após a aprovação da EMA.

"É muito importante que os Estados-Membros se preparem e o façam rapidamente", disse o porta-voz, insistindo que na Comissão "podemos trabalhar muito rápido da nossa parte, também".

A porta-voz da Comissão Europeia, Dana Spinant afirma que Bruxelas está a seguir, para a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos, um procedimento semelhante ao adoptado há um ano.

"Antes de termos lançado a vacinação da população adulta, que começou há quase um ano, em dezembro de 2020, encorajámos os Estados-Membros a prepararem-se logisticamente, porque para haver eficácia é preciso avançar rápido, e é importante avançar na logística", afirmou Dana Spinant, sugerindo aos governos que não percam tempo a accionar os preparativos.

"É da responsabilidade das autoridades nacionais, ou regionais, ou locais, de acordo com a forma como os sistemas de saúde estão organizados nos nossos Estados Membros, darem passos preparatórios para a logística de uma vacinação", afirmou.

A Agência Europeia do Medicamento anunciou a 18 de outubro o início da avaliação do pedido de extensão do uso da vacina da BioNTech/Pfizer a crianças dos cinco aos 11 anos.

A EMA está a "rever os dados sobre a vacina, incluindo os resultados de um estudo clínico em curso, envolvendo crianças de 5 a 11 anos, a fim de decidir se recomenda a extensão do uso".

"O parecer do Comité de Medicamentos para Uso Humano será então encaminhado para a Comissão Europeia, que emitirá uma decisão final", anunciou a agência.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG