Ministério Público investiga morte de mulher em perseguição policial em Lisboa

Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa diz que foi instaurado um inquérito para apurar circunstâncias da morte da vítima, tendo sido constituídos arguidos seis agentes da PSP

O Ministério Público (MP) está a investigar a morte da mulher, de nacionalidade brasileira, baleada acidentalmente durante uma perseguição policial, na Segunda Circular, tendo seis polícias sido constituídos arguidos, anunciou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Numa nota publicada na tarde de hoje na página da internet, a PGDL explica que, na madrugada de quarta-feira, "no decurso de uma operação montada pela PSP, após o furto com rebentamento de ATM [multibanco], ocorrido em Almada", vários agentes policiais "encetaram perseguição aos suspeitos, vindo a perder-lhes o rasto", prosseguindo os suspeitos em direção a Lisboa.

Já na Segunda Circular, em Lisboa, foi "dada ordem de paragem a um outro veículo", com o qual os polícias se cruzaram.

"Tendo o condutor desobedecido a tal ordem, foram efetuados disparos pelos agentes da PSP, vindo uma cidadã que se fazia transportar no veículo a ser atingida mortalmente", lê-se na nota.

"Por tal facto foi instaurado inquérito pelo MP, no âmbito do qual estão a ser investigadas as circunstâncias em que ocorreu a morte da vítima. A PJ [Polícia Judiciária] iniciou de imediato investigações sobre os factos que rodearam a morte da vítima. No decurso das diligências efetuadas pela PJ -- DLVT [Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo] -- foram constituídos arguidos seis agentes da PSP", acrescenta a PGDL.

As diligências prosseguem a cargo da PJ, com a coordenação do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP, explica que o homem conduzia "uma viatura que aparentava corresponder às características" da usada cerca de meia hora antes pelos assaltantes de um multibanco no Pragal, em Almada, não obedeceu à ordem de paragem e tentou atropelar os polícias durante a fuga.

O condutor acabou detido pela PSP por condução sem habilitação legal, por desobediência ao sinal de paragem e por condução perigosa.

O homem foi constituído arguido, com Termo de Identidade e Residência, depois de ouvido pela Polícia Judiciária (PJ), disseram hoje à agência Lusa fontes policiais, prosseguindo o inquérito.

Na quarta-feira, também a Inspeção-Geral da Administração Interna anunciou a abertura de um inquérito para apurar em que circunstância ocorreu a morte da mulher, de 36 anos.

No mesmo comunicado divulgado na quarta-feira, o Cometlis conta que, às 03:05, no Pragal, concelho de Almada (distrito de Setúbal), ocorreu um furto por arrombamento, pelo método de explosão, a uma caixa multibanco, após o qual os assaltantes se colocaram em fuga na direção de Lisboa.

"Na Segunda Circular, em Lisboa, no sentido Benfica-Sacavém, foi detetada uma viatura suspeita com as características correspondentes à viatura usada no furto. Os suspeitos que se faziam transportar na viatura, ao detetarem a presença policial, encetaram, de imediato, fuga na direção da Rotunda do Relógio, circulando em diversas vias a alta velocidade e em contramão, colocando em perigo todas as pessoas que ali se encontravam", relata o Cometlis.

Já nas imediações do Aeroporto Humberto Delgado, refere a nota, "foram efetuados por parte dos suspeitos diversos disparos com arma de fogo contra os agentes da PSP que os perseguiam, ao que estes ripostaram, igualmente recorrendo a arma de fogo".

Pelas 03:35, na zona da Encarnação, foi detetada por elementos policiais "uma viatura que aparentava corresponder às características da viatura suspeita, cujo condutor desobedeceu à ordem de paragem", segundo o Cometlis.

"Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo. Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido intercetada pouco tempo depois", relata o comunicado.

A bordo seguiam o condutor e uma mulher "ferida por impacto de projétil de arma de fogo", que acabaria por morrer no local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.