PSP mata mulher por engano durante perseguição policial em Lisboa

O assalto a um multibanco em Almada acabou na segunda circular. IGAI abriu inquérito

Um assalto a um multibanco em Almada deu origem a uma perseguição policial e a um tiroteio em plena Segunda Circular, em Lisboa, o qual resultou na morte de uma mulher que circulava naquela via e que nada tinha a ver com a situação, confirmou o Diário de Notícias. As autoridades terão confundido a viatura da fuga. A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito.

Dois homens assaltaram a caixa multibanco situada na Avenida Bento Gonçalves, em Almada, cerca das 3:00 de hoje. As autoridades iniciaram uma perseguição, que atravessou a ponte 25 de Abril, chegou à Rotunda do Relógio, junto ao aeroporto de Lisboa, e prosseguiu na Segunda Circular, onde se registou uma troca de tiros entre os assaltantes e a polícia.

Segundo disse ao DN fonte policial, durante a fuga, num Seat, os dois suspeitos lançaram pó do extintor para a faixa de rodagem e depois os próprios extintores, impedindo a visibilidade aos perseguidores e conseguindo escapar. Em condições ainda por apurar, a PSP terá depois mandado parar um outro veículo, alegadamente com as mesmas características que a viatura dos assaltantes, mas um Renault Megane. O condutor terá ignorado a ordem de paragem e terá sido neste momento que os agentes dispararam, atingindo mortalmente a mulher.

Entretanto, num comunicado, a PSP disse que a viatura em que seguia a mulher desobedeceu às ordens de paragem, quase atropelando os agentes e obrigando-os a recorrer às armas.

"Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo", diz a nota de imprensa do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP. "Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido intercetada pouco tempo depois", acrescenta, dizendo que se constatou então que "na viatura seguiam um homem e uma mulher, encontrando-se a mulher ferida por impacto de projétil de arma de fogo".

A mulher acabou por morrer e o condutor da viatura "detido por condução sem habilitação legal, por desobediência ao sinal de paragem e por condução perigosa".

Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) disse à Lusa que o óbito foi declarado no local, próximo das bombas de combustível da Encarnação.

O caso passou para a alçada da Polícia Judiciária, informou o Comando Distrital da PSP de Setúbal.

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) instaurou um inquérito e já está no terreno a investigar as condições em que ocorreu este caso, apurou o DN.

No seu relatório de 2016 este organismo, dirigido pela desembargadora Margarida Blasco, manifestava "preocupação" com o aumento de mortes em perseguições policiais. No ano passado foram quatro, o número mais elevado dos últimos seis anos.

(Última atualização às 13:10 com informações que constam do comunicado da PSP)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.