PSP mata mulher por engano durante perseguição policial em Lisboa

O assalto a um multibanco em Almada acabou na segunda circular. IGAI abriu inquérito

Um assalto a um multibanco em Almada deu origem a uma perseguição policial e a um tiroteio em plena Segunda Circular, em Lisboa, o qual resultou na morte de uma mulher que circulava naquela via e que nada tinha a ver com a situação, confirmou o Diário de Notícias. As autoridades terão confundido a viatura da fuga. A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito.

Dois homens assaltaram a caixa multibanco situada na Avenida Bento Gonçalves, em Almada, cerca das 3:00 de hoje. As autoridades iniciaram uma perseguição, que atravessou a ponte 25 de Abril, chegou à Rotunda do Relógio, junto ao aeroporto de Lisboa, e prosseguiu na Segunda Circular, onde se registou uma troca de tiros entre os assaltantes e a polícia.

Segundo disse ao DN fonte policial, durante a fuga, num Seat, os dois suspeitos lançaram pó do extintor para a faixa de rodagem e depois os próprios extintores, impedindo a visibilidade aos perseguidores e conseguindo escapar. Em condições ainda por apurar, a PSP terá depois mandado parar um outro veículo, alegadamente com as mesmas características que a viatura dos assaltantes, mas um Renault Megane. O condutor terá ignorado a ordem de paragem e terá sido neste momento que os agentes dispararam, atingindo mortalmente a mulher.

Entretanto, num comunicado, a PSP disse que a viatura em que seguia a mulher desobedeceu às ordens de paragem, quase atropelando os agentes e obrigando-os a recorrer às armas.

"Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo", diz a nota de imprensa do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP. "Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido intercetada pouco tempo depois", acrescenta, dizendo que se constatou então que "na viatura seguiam um homem e uma mulher, encontrando-se a mulher ferida por impacto de projétil de arma de fogo".

A mulher acabou por morrer e o condutor da viatura "detido por condução sem habilitação legal, por desobediência ao sinal de paragem e por condução perigosa".

Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) disse à Lusa que o óbito foi declarado no local, próximo das bombas de combustível da Encarnação.

O caso passou para a alçada da Polícia Judiciária, informou o Comando Distrital da PSP de Setúbal.

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) instaurou um inquérito e já está no terreno a investigar as condições em que ocorreu este caso, apurou o DN.

No seu relatório de 2016 este organismo, dirigido pela desembargadora Margarida Blasco, manifestava "preocupação" com o aumento de mortes em perseguições policiais. No ano passado foram quatro, o número mais elevado dos últimos seis anos.

(Última atualização às 13:10 com informações que constam do comunicado da PSP)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.