Bispos apelam a católicos que respeitem distanciamento nas missas no Natal

À semelhança do que ocorreu no Natal de 2020 devido ao agravamento da situação pandémica, os bispos católicos portugueses recomendam as medidas de prevenção orientadas pela DGS.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apelou esta quarta-feira aos católicos que respeitem o distanciamento nas cerimónias religiosas, tradicionalmente vividas de forma intensa neste período do Natal.

Em comunicado assinado pelo Secretariado Geral da CEP, o órgão que congrega os bispos católicos portugueses "recomenda vivamente", face ao "forte agravamento da atual situação pandémica, devido sobretudo à nova variante Ómicron da covid-19", que, "a partir das celebrações do Natal, inclusive nas Missas da Vigília, se observe um adequado distanciamento entre os participantes, conforme as orientações da Direção Geral da Saúde".

O comunicado recorda, ainda, que "continuam em vigor as medidas de prevenção, tais como o uso das máscaras, a devida higienização das mãos e dos espaços celebrativos e a comunhão na mão, entre outras".

O abraço da paz ou o beijo à imagem do Menino Jesus são dois dos gestos que, à semelhança do que ocorreu no Natal de 2020, se encontram suspensos também este ano.

A covid-19 provocou mais de 5,35 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.812 pessoas e foram contabilizados 1.233.608 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 89 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG