Internamentos e incidência continuam a subir mas R(t) desce

Em dia com mais 1635 casos e 13 mortes, os dados da Direção-Geral da Saúde desta segunda-feira, indicam ainda que há agora 809 pessoas internadas devido à covid-19, mais 45 que ontem.

DN
Profissional de saúde prepara dose da vacina contra a covid-19 no centro de vacinação da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano© NUNO VEIGA/LUSA

No dia em que foi anunciado que há 13 casos da nova variante Ómicron no Belenenses SAD, a Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, em 24 horas, 1 635 novos diagnósticos de covid-19. O boletim epidemiológico desta segunda-feira (29 de novembro) refere também que há mais 13 mortes associadas à infeção por SARS-CoV-2.

Os dados atualizados mostram que há agora 809 internados, dos quais 111 estão em unidades de cuidados intensivos (mais sete que ontem)

A incidência a nível nacional subiu para os 325,9 casos de infeção por SARS-CoV-2/ COVID-19 por 100 000 habitantes (era de 279,8). No continente, o valor é de 327,5 casos (na sexta-feira era de 280,2).

O R(t) está a descer, em relação aos dados divulgados na última sexta-feira, e está agora em 1,17 nacional e 1,18 no continente.

Ao dia de hoje, Portugal soma 54 368 casos ativos da doença, diz o relatório da DGS no dia em que o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) anunciou que foram identificados 13 casos da nova variante Ómicron, considerada como sendo de "preocupação" pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Os ensaios preliminares efetuados no INSA sugerem, fortemente, que todos os 13 casos associados aos jogadores da Belenenses SAD estejam relacionados com a variante de preocupação Ómicron", lê-se no comunicado do INSA enviado às redações.

Casos de Ómicron no Belenenses SAD obrigam a plano de testagem "muito rigoroso", diz Graça Freitas

Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, esclareceu depois que os casos não são apenas entre jogadores, também há casos no staff.

Tratando-se de uma nova variante", as autoridades vão avançar com "uma identificação mais alargada dos contactos e proceder ao seu isolamento", adiantou a responsável pela DGS em declarações à rádio TSF.

Sobre o estado de saúde dos infetados, Graça Freitas disse que apresentam uma "evolução favorável", alguns são assintomáticos, sendo que a maior parte destas pessoas estava vacinada contra a covid-19, "senão todas". "Apesar de estarem vacinadas, sabemos que a vacina não é 100% efetiva, adquiriam a doença, no entanto, até agora a doença tem tido uma evolução favorável nas 13 pessoas infetadas", afirmou à SIC Notícias.

De acordo com a diretora-geral da Saúde, a nova variante obriga a um plano de testagem "muito rigoroso", com o objetivo de "quebrar cadeias de transmissão".

Também os jogadores que estiveram em campo no jogo de sábado frente ao Benfica vão entrar neste plano de testagem. "Tratando-se de uma nova variante, temos de apertar a malha", admitiu. O objetivo é testar e isolar para impedir a propagação da doença.

Por uma questão de "precaução", também os jogadores do Benfica serão testados, embora não sejam contactos de risco, uma vez que os doentes já estavam isolados. Trata-se de uma intensificação das medidas habituais.

Portugal é o 7º país europeu com menos novos casos diários por milhão de habitantes

Portugal é o sétimo país da União Europeia (UE) com menos novos casos diários de contágio por SARS-CoV-2 por milhão de habitantes nos últimos sete dias, segundo o site estatístico Our World in Data.

Com 286 novos casos diários por milhão de habitantes na última semana, Portugal está bem longe da média da UE (576 novos casos diários por milhão de habitantes) e dos países com mais novos casos diários: Eslováquia, com 2040 casos, República Checa, com 1830, Bélgica (1480), Áustria (1370), Países Baixos (1310), Croácia (1150), Eslovénia (1150) e Hungria (1040).

Estes números de novos casos diários por milhão de habitantes são também os mais elevados no mundo entre os países com mais de um milhão de habitantes.

No que toca às mortes diárias por milhão de habitantes, Portugal é o oitavo país da UE com menos óbitos atribuídos à covid-19, com uma média de 1,35 nos últimos sete dias.

Neste indicador, a média europeia é 4,03, e os piores números, quer a nível europeu, quer mundial, situam-se a leste: Bulgária (17,57), Hungria (16,1), Croácia (15,96), Letónia (15), República Checa (11,32) e Eslováquia (10,8).