Ministério recua na contagem de tempo de serviço de seis mil professores

Os docentes colocados na segunda reserva de recrutamento (RR2), colocados a 16 de setembro, vão ter o tempo de serviço contado desde o início do mês

O Ministério da Educação decidiu retificar a penalização de cerca de 6000 docentes - entre os quais mais de 2700 com contratos anuais - que, por um dia, tinham perdido o direito a ter o tempo de serviço contado desde o início do mês.

Em causa, como noticiou o DN na terça-feira, na sequência de uma denúncia do blogue "Arlindovsky" estava o facto de as listas da segunda reserva de recrutamento (RR2) terem saído na passada sexta-feira, dia 16, quando as regras definidas pela tutela definiam o dia 15 como limite para que os contratos beneficiassem desta "retroatividade" ao início do mês para contagem de tempo de serviço.

A situação punha em causa as perspetivas de entrada nos quadros destes professores - em particular dos contratados para o ano inteiro -, já que as regras do acesso à vinculação têm uma "norma-travão" que exige a celebração de cinco contratos completos, sucessivos e anuais (válidos entre o dia 1 de setembro e 31 de agosto do ano seguinte) para que o acesso à carreira esteja garantido.

Agora, o Ministério - que inicialmente tinha desvalorizado o impacto deste dia de diferença - , decidiu emendar a mão. Numa nota informativa enviada aos professores, através da Internet, a Diretora-Geral da Administração Escolar (DGAE), Maria Luísa Oliveira, confirma que em todos estes contratos "o tempo de serviço retroage a 1 de setembro".

Os efeitos retroativos não se estendem aos vencimentos, como de resto nunca esteve previsto que acontecesse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).