Quatro feridos graves em acidente com autocarro e betoneira

O autocarro transportava 14 ingleses. O condutor é português e está entre os feridos graves

Um acidente na Via do Infante, em Loulé (Algarve), envolvendo um autocarro de passageiros e uma betoneira, provocou quatro feridos graves e 11 ligeiros tendo obrigado ao corte da via no sentido Loulé-Faro, informou o tenente Afonso, da GNR de Faro, ao Diário de Notícias.

Os 14 passageiros são ingleses e o condutor do autocarro é português.

De acordo o tenente Afonso, o autocarro pertence a uma empresa espanhola que efetuava o transporte dos passageiros ingleses da Praia da Rocha para o aeroporto de Faro.

De acordo com fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, o alerta para a colisão foi dado pelas 07:54.

A colisão na Via do Infante (A22) ocorreu antes do Túnel do Areeiro, no concelho de Loulé, distrito de Faro.

Ainda não se sabe o que originou este acidente, mas "provavelmente" um dos condutores terá ficado encadeado pelo sol, mas "só a investigação é que irá apurar as causas", disse o tenente Afonso.

Pelas 08:50 estavam no local do acidente 51 operacionais apoiados por 20 veículos.

Os meios de socorro envolvem elementos dos bombeiros de Loulé, Albufeira, Olhão, São Brás de Alportel e São Bartolomeu de Messines, dos voluntários (Cruz Lusa) e sapadores de Faro, da EuroScut, GNR, INEM e Cruz Vermelha Portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.