Quatro feridos graves em acidente com autocarro e betoneira

O autocarro transportava 14 ingleses. O condutor é português e está entre os feridos graves

Um acidente na Via do Infante, em Loulé (Algarve), envolvendo um autocarro de passageiros e uma betoneira, provocou quatro feridos graves e 11 ligeiros tendo obrigado ao corte da via no sentido Loulé-Faro, informou o tenente Afonso, da GNR de Faro, ao Diário de Notícias.

Os 14 passageiros são ingleses e o condutor do autocarro é português.

De acordo o tenente Afonso, o autocarro pertence a uma empresa espanhola que efetuava o transporte dos passageiros ingleses da Praia da Rocha para o aeroporto de Faro.

De acordo com fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, o alerta para a colisão foi dado pelas 07:54.

A colisão na Via do Infante (A22) ocorreu antes do Túnel do Areeiro, no concelho de Loulé, distrito de Faro.

Ainda não se sabe o que originou este acidente, mas "provavelmente" um dos condutores terá ficado encadeado pelo sol, mas "só a investigação é que irá apurar as causas", disse o tenente Afonso.

Pelas 08:50 estavam no local do acidente 51 operacionais apoiados por 20 veículos.

Os meios de socorro envolvem elementos dos bombeiros de Loulé, Albufeira, Olhão, São Brás de Alportel e São Bartolomeu de Messines, dos voluntários (Cruz Lusa) e sapadores de Faro, da EuroScut, GNR, INEM e Cruz Vermelha Portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.