Relatório de Tancos. Da "geringonça branqueadora" ao "elefante no meio da sala"

Relatório da comissão parlamentar de inquérito ao roubo a Tancos chegou esta quarta-feira à tarde ao plenário. Direita arrasou documento aprovado por PS, BE e PCP.

Terminou como começou. O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito ao furto de material militar em Tancos subiu esta quarta-feira à tarde a debate no Parlamento e dividiu em dois o plenário: de um lado os partidos da esquerda (que aprovaram o relatório), que afastam responsabilidades políticas neste caso, do outro PSD e CDS (que votaram contra), que arrasaram um documento que acusam de "branquear" a ação do Governo neste caso.

"A maior branqueadora que este país conhece é a máquina da gerigonça", afirmou o deputado do CDS Telmo Correia, defendendo que as conclusões da comissão não fazem mais do que "diluir, lavar, branquear" o que realmente sucedeu em Tancos, quer quanto ao desaparecimento do material militar, quer quanto à sua posterior recuperação.

"Isto é a história de um roubo e três encenações", apontou o deputado centrista. "Primeiro, a encenação da Polícia judiciária Militar, depois a encenação do Governo, e em terceiro a encenação deste relatório, que esconde a verdade", acusou Telmo Correia, defendendo que o objetivo dos socialistas é encerrar rapidamente este assunto e que o documento não é mais que "as alegações de defesa do Governo e do PS".

Também o PSD não poupou nas críticas. "É absolutamente incompreensível que uma comissão que tinha por objeto encontrar as responsabilidades políticas no furto ocorrido em Tancos, acabe por concluir que as mesmas não existiram quando um ministro da Defesa e Chefe do Estado-Maior do Exército se demitiram exatamente na sequência deste processo", defendeu Berta Cabral, coordenadora dos sociais-democratas na comissão parlamentar de inquérito. "Isto não são consequências políticas? É o quê? É o elefante no meio do processo...", acusou a deputada, argumentando que "também não se pode afirmar com total certeza, como faz o relatório, que o primeiro-ministro apenas teve conhecimento da atuação da Polícia Judiciária militar no dia 12 de outubro de 2018".

À esquerda, o PS acusou a direita de não estar interessada em apurar a verdade. Já o Bloco apontou uma "falha grave" naquela que é uma função essencial do Estado. Também o PCP, pela voz do deputado Jorge Machado apontou "erros na gestão política", mas defendeu que o relatório assenta em "factos" e faz uma "análise corajosa" do que aconteceu em Tancos

O caso remonta ao final de junho de 2017, quando foi noticiado o furto de material militar nos paióis de Tancos. Poucos dias depois, logo no início de julho, o Ministério Público anunciava a abertura de um inquérito por suspeitas de prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo. Uma investigação liderada pela Polícia Judiciária (PJ), em colaboração com Polícia Judiciária Militar (PJM).

E foi a PJM que, já em outubro, anunciou a recuperação do material furtado, que foi encontrado na Chamusca (Santarém). Mas esta recuperação viria a ser alvo de uma investigação, conhecida por "Operação Húbris", em setembro de 2018, visando o alegado encobrimento do furto e a posterior encenação da sua recuperação por parte de elementos da PJM. O ex-diretor desta polícia militar, Luís Vieira, foi entretanto constituído arguido.

Pelo meio, este caso provocou a demissão do então ministro da Defesa, Azeredo Lopes, depois do seu ex-chefe de gabinete ter confirmado que recebeu um documento sobre a forma como foi recuperado o material roubado em Tancos.

Exclusivos