Ricardo Robles renuncia. E os senhores que se seguem

"Decisão pessoal" que toma "com o objetivo de criar as melhores condições para o prosseguimento da luta do Bloco pelo direito à cidade". Rita Silva e Manuel Grilo são os nomes que se seguem na lista do BE

O vereador bloquista, Ricardo Robles, renunciou ao cargo, revelou esta segunda-feira de manhã o Bloco de Esquerda em comunicado.

Numa curta declaração de três parágrafos, Robles diz ter informado a coordenadora do BE, Catarina Martins, no domingo, que tinha a "intenção de renunciar" ao cargo de vereador na Câmara de Lisboa e de membro da comissão coordenadora concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda.

Segundo o vereador demissionário, a sua "opção privada", de compra e tentativa de venda de um prédio por 5,7 milhões de euros, em Alfama, Lisboa, "forçada por constrangimentos familiares", que diz ter explicado, "e no respeito pelas regras legais", acabou por revelar-se "um problema político real e criou um enorme constrangimento" à que seria a sua "intervenção como vereador".

Para facilitar a vida ao partido, Ricardo Robles tomou esta "decisão pessoal", "com o objetivo de criar as melhores condições para o prosseguimento da luta do Bloco pelo direito à cidade".

No final do dia de sexta-feira, a comissão política do partido ainda saiu em defesa do bloquista, notando que "a conduta do vereador Ricardo Robles em nada diminui a sua legitimidade na defesa das políticas públicas que tem proposto e continuará a propor" e que, "enquanto coproprietário de um imóvel, Ricardo Robles manteve com todos os seus inquilinos uma relação inteiramente correta, assegurando os direitos de todos".

Ao partido apontava-se a incoerência de quem ataca está "contra despejos​​​​​​"​ e de um vereador que fez do combate a essa especulação imobiliária uma bandeira e o próprio comportamento de Ricardo Robles (a tal "opção privada") de quem comprou com a irmã um prédio por 347 mil euros, em junho de 2014, num leilão da Segurança Social, e que o teve à venda do final de 2017 até abril deste ano por 5,7 milhões de euros. Agora, Robles disse que arrendar a parte que é sua.

Socialistas preocupados

Na edição de domingo do DN, fonte socialista na câmara antecipava a sua preocupação sobre a continuidade de Robles. Ao PS, dizia essa fonte, o que interessava é "perceber" se o BE mantinha "o apoio" ao seu vereador e se os socialistas contariam com ele na vereação. "Tem feito um bom trabalho. Resta saber se está ou não numa posição de conforto político." Já não está.

O nome que se segue, na lista do BE à câmara, é o de Rita Silva, conhecida por ser dirigente de uma associação, a Habita, que tem um discurso muito crítico da especulação imobiliária, dos despejos e da gentrificação da cidade, numa linha muito crítica da ação do executivo camarário nestas matérias.

Numa entrevista ao site grego Solidarity4all - Solidariedade para todos -, em 2016, Rita Silva antecipava que é preciso "mudar 180 graus na direção das políticas habitacionais e municipais". E concluía: "Hoje todas as políticas existem para as elites e elas têm que mudar no interesse de todos. Na minha opinião pessoal, temos que recuperar as casas dos mercados privados e não ter terras próprias."

O terceiro da lista à Câmara Municipal de Lisboa é outra possibilidade para substituir Ricardo Robles: Manuel Fernando Rosa Grilo, professor, membro da Fenprof, conselheiro do Conselho Nacional de Educação e atual assessor do grupo parlamentar do Bloco.

Uma vez que Robles detinha os pelouros da Educação e Direitos Sociais, estas parecem ser duas pastas à medida de Manuel Grilo. Mas o PS pode também querer redistribuir pelouros, dependendo do nome bloquista escolhido.

O BE não decidiu ainda se é Rita Silva que substituirá Ricardo Robles. Esta segunda-feira à noite, a Comissão Política bloquista vai decidir quem será o próximo vereador em Lisboa e em que moldes.

Eis o comunicado de Ricardo Robles na íntegra:

"Informei ontem, domingo, a coordenadora da Comissão Política do Bloco de Esquerda da minha intenção de renunciar aos cargos de vereador na Câmara Municipal de Lisboa e de membro da comissão coordenadora concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda.

Uma opção privada, forçada por constrangimentos familiares que expliquei e no respeito pelas regras legais, revelou-se um problema político real e criou um enorme constrangimento à minha intervenção como vereador.

Esta é uma decisão pessoal que tomo com o objetivo de criar as melhores condições para o prosseguimento da luta do Bloco pelo direito à cidade."

[notícia atualizada às 16.30 com informação sobre Manuel Grilo]

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.