Teresa Leal Coelho vota com a esquerda e aprova lei da mudança de sexo

O parlamento aprovou esta quinta-feira a alteração à lei de autodeterminação da identidade de género de PS, BE e PAN em resposta ao veto presidencial, estabelecendo a obrigatoriedade de um relatório médico que ateste a vontade dos menores

A nova lei para alteração do género no registo civil foi aprovada com os votos favoráveis de PS, BE, PCP, PEV e PAN e da deputada do PSD Teresa Leal Coelho, contando com os votos contra do PSD e do CDS-PP.

Foi ainda rejeitada a proposta do PSD, que só os sociais-democratas votaram favoravelmente, que insistia num relatório "em qualquer circunstância", independentemente de se tratar de menores de idade, indo assim além do pedido pelo Presidente da República.

A deputada social-democrata Teresa Leal Coelho invocou "objeção de consciência" para não participar na votação da proposta do seu próprio grupo parlamentar.

O decreto aprovado prevê a obrigatoriedade de apresentação pelos menores de um relatório subscrito por qualquer médico ou qualquer psicólogo, inscritos nas respetivas ordens profissionais

O decreto aprovado prevê a obrigatoriedade de apresentação pelos menores de um relatório subscrito por qualquer médico ou qualquer psicólogo, inscritos nas respetivas ordens profissionais, para atestar "exclusivamente a sua capacidade de decisão e vontade informada, sem referências a diagnósticos de identidade de género".

Os sociais-democratas defendiam, não só para os menores, mas para todas as pessoas, um "documento que comprove avaliação médica resultante de equipa interdisciplinar atestando a existência da desconformidade entre a identidade de género e o sexo com que nasceu, bem como a ausência de condição psíquica que possa comprometer a expressão da vontade de forma livre e esclarecida".

O conteúdo desta proposta social-democrata acabou por marcar o debate em plenário, com a esquerda a acusar o PSD de promover uma abordagem "patologizante", ao arrepio da recente retirada da transexualidade da lista de doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O deputado Carlos Peixoto foi o primeiro a intervir pelo PSD, argumentando que "maiores e menores devem ser ajudados" a tomar a decisão mais ponderada possível, e afirmando que "Governo, PS, BE e PAN, apesar de terem sido obrigados a fugir do radicalismo e dos perigos da proposta inicial, estão ainda longe de dar a resposta sensata que se exigia".

"Reconhecer o direito à autodeterminação de género das pessoas 'trans' não é uma ideia transcendente, extraordinária e, muito menos, um capricho ou uma moda"

Carlos Peixoto quis sublinhar que "o PSD esteve sempre ao lado da autodeterminação" das pessoas 'trans', o que motivou a indignação da deputada Isabel Moreira (PS) e da deputada Sandra Cunha (BE), que sublinharam que os sociais-democratas já tinham votado contra a lei de 2011, que terminou com a necessidade de as pessoas transexuais terem de levar o Estado a tribunal para mudarem nome e género no registo civil.

"Não é uma escolha, senhor deputado [Carlos Peixoto], é a identidade das pessoas que sabem quem são e estão cansadas que seja o Estado a dizer-lhes quem são", declarou Isabel Moreira.

Sandra Cunha recomendou ao PSD que consulte o significado de autodeterminação no dicionário de língua portuguesa: "Autodeterminação significa a ação de decidir por si mesmo".

O deputado do PCP António Filipe atacou a proposta do PSD considerando-a um reflexo de "soluções ultrapassadas, ao arrepio da conceção já hoje assumida pela OMS"

"Reconhecer o direito à autodeterminação de género das pessoas 'trans' não é uma ideia transcendente, extraordinária e, muito menos, um capricho ou uma moda. Trata-se de reconhecer que cada pessoa sente e sabe, no seu íntimo, quem é. E que ninguém precisa de terceiros para confirmarem se são homens ou mulheres, meninos ou meninas", argumentou.

O deputado do PCP António Filipe atacou a proposta do PSD considerando-a um reflexo de "soluções ultrapassadas, ao arrepio da conceção já hoje assumida pela OMS".

O CDS, através da deputada Vânia Dias da Silva, centrou-se no argumento de que aos 16 anos ainda não se tem o estádio de desenvolvimento necessário a uma decisão daquela magnitude, lembrando que os menores não podem votar, conduzir, beber ou fumar, e são entendidos como crianças pela Convenção dos Direitos das Crianças até aos 18 anos.

O deputado do PAN André Silva, subscritor da proposta aprovada, quis deixar claro que "a proposta ideal era a inicial": "O caminho faz-se caminhando e estamos conscientes da urgência e da importância da promulgação deste diploma para a conquista e garantia dos Direitos Humanos de todas as pessoas 'trans', maiores ou menores de idade".

A deputada do PEV Heloísa Apolónia aludiu ao dever de "trabalhar para o direito à felicidade de todos os membros da sociedade", considerando que parlamento dá "um passo importante pelo direito das pessoas transexuais" e apontando que, "mais uma vez, esse passo dá-se sem o contributo do PSD e do CDS".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)