Marcelo reúne-se com Costa sexta-feira, mas antes vai atestar o carro

O Presidente da República está de férias em Portimão e disse ainda ter combustível no seu carro. Mas antes de regressar a Lisboa para o encontro com o primeiro-ministro vai passar por uma bomba de gasolina. "Vou encher o que falta do depósito". Sobre a greve dos motoristas não se pronuncia, mas admite que a situação no Algarve está melhor.

De férias em Portimão, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não se pronuncia sobre a greve dos motoristas, mas falou sobre a sua própria experiência. À SIC Notícias, o chefe de Estado contou que quando estava a dirigir-se ao sul do país, na segunda-feira, "não havia gasóleo em várias" bombas, mas teve a informação de que a situação "no Algarve já estava melhor".

O chefe de Estado afirmou que ainda tem combustível no seu carro, mas antes de regressar a Lisboa, para o encontro com o primeiro-ministro na sexta-feira, conta passar por uma bomba de gasolina. "Vou encher o que falta do depósito", disse. "Logo à noite ou amanhã, em qualquer caso antes de quinta-feira, vou encher o que falta do depósito", afirmou ainda.

Marcelo Rebelo de Sousa contou que chegou a perguntar ao diretor do hotel se tinha sentido o efeito da greve e que "ele disse que não tinha".

O presidente referiu que, se for caso disso, poderá pronunciar-se sobre a greve dos motoristas, que começou na segunda-feira, depois do encontro com António Costa, marcado para o final desta semana.

Recorde-se que Marcelo Rebelo de Sousa esteve reunido com Costa antes de o Governo decretar uma requisição civil, parcial e progressiva, alegando o incumprimento de serviços mínimos em algumas regiões do país.

Neste dia cumpre-se o segundo dia de greve, convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.