Marcelo critica opção do Exército de admitir candidatos a sargentos com nota negativa

Presidente da República realça que admissões com nota positiva precedem uma "formação de qualidade"

O Comandante Supremo das Forças Armadas afirmou esta segunda-feira que o objetivo de dar formação de qualidade começa "logo na exigência do ingresso [e] exige como classificação global nacional uma classificação positiva".

Marcelo Rebelo de Sousa falava nas Caldas da Rainha, durante a visita à Escola de Sargentos do Exército (ESE) - que este ano admitiu alunos para os quadros permanentes com nota média negativa de nove valores e podendo ter sete a Português e Matemática, conforme noticiou esta segunda.-feira o DN.

Elogiando "a competência e o profissionalismo" dos sargentos do Exército, que qualificou como "fatores decisivos para o sucesso das missões internacionais que Portugal se tem envolvido e liderado", o Presidente da República enfatizou que eles "são o elo fundamental da estrutura do Exército e das Forças Armadas".

Para isso contribui, adiantou Marcelo, a formação ministrada em unidades como "a prestigiadíssima" ESE, "estabelecimento qualificadíssimo de ensino que tem como desígnio a formação de qualidade" - "desde logo na exigência do ingresso", que "exige como classificação global nacional uma classificação positiva".

Esta recusa implícita do Presidente da República quanto aos critérios que levaram o Exército a admitir, este ano, alunos com nota negativa para o curso de sargentos dos quadros permanentes evoca a posição transmitida ao DN pela Associação Nacional de Sargentos (ANS): "É preferível ter menos mas ter melhores [militares] do que ter muitos e piores."

Para Marcelo Rebelo de Sousa, "a melhor resposta àqueles que apontam, aqui ou ali, numa ou noutra disciplina, na altura do ingresso ou no percurso dentro da escola, momentos menos felizes" foi regressar ao discurso do tempo em que "era professor" e recordar o que então dizia aos alunos.

"Quantos dos meus colegas e alunos não conheceram pontualmente momentos menos felizes e os ultrapassaram e tiveram percursos notáveis?", questionou, lembrando que alguns terão ido "da exclusão no primeiro ano a professores catedráticos na escola" e outros "a catedráticos na vida".

Por isso, sublinhou perante os alunos da ESE, "a única atitude possível, própria da natureza do ser humano e da natureza da carreira militar, é a atitude da superação, do progresso, da evolução, revelando a capacidade de recuperar e de liderar".

A visita de Marcelo Rebelo de Sousa à ESE teve por base a apresentação do projeto-piloto que está a decorrer naquele estabelecimento e que pela primeira vez habilitará os alunos com formação de nível 5.

O Presidente visitou ainda as instalações do Centro de Línguas do Exército e assistiu a uma demonstração de atividades de treino físico e aplicação militar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.