Costa e Medina vão de comboio até Setúbal para lançar passe único numa câmara... do PCP

Novos tarifários dos transportes coletivos na Área Metropolitana de Lisboa (e do Porto) entram em vigor esta segunda-feira

O primeiro-ministro, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, e o presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina, assinalam na próxima segunda-feira, em Setúbal, a entrada em vigor dos novos tarifários do passe social. Para lá chegar, os dois membros do governo e o também presidente da Câmara Municipal de Lisboa vão usar o comboio da Fertagus.

A cerimónia ​​​​​​​vai decorrer na Câmara Municipal de Setúbal - uma câmara do PCP, liderada por Maria das Dores Meira. A sessão contará com intervenções da autarca e de Fernando Medina, de Matos Fernandes e do primeiro-ministro.

A partir desta segunda-feira, dia 1 de abril, a oferta de passes vai ser alterada nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. No caso da área metropolitana da capital passam a existir apenas dois títulos: o Navegante municipal (que custará 30 euros) e o metropolitano (40 euros), válidos em qualquer operador de transportes.

O primeiro titulo só poderá ser usado dentro de cada um dos 18 municípios da área metropolitana. Já o Navegante metropolitano permitirá a circulação em qualquer transporte da área metropolitana: um tente pode ir de Setúbal a Mafra que não paga mais pela viagem.

No Porto, o preço é idêntico, existindo também duas versões: o Andante municipal (para utilizar em cada um dos 17 concelhos) e o metropolitano que pode ser usado em todos os transportes de toda a AMP ou até três zonas contíguas.

Os descontos para os estudantes, reformados e pensionistas que já existiam vão manter-se e as crianças até aos 13 anos não pagam. Vai ainda surgir um passe família (em Lisboa deverá ser colocado à venda em julho e no Porto ainda não tem data) com o objetivo de cada agregado pagar 60 ou 80 euros - dependendo de ser passe municipal ou metropolitano -, independentemente do número de pessoas que tenham título de transportes.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.