César diz que Marcelo falou "na linha" de Costa

Por outras palavras: no entender do presidente do PS e seu líder parlamentar, o Presidente da República colou-se à mensagem de Natal do primeiro-ministro.

"Gostámos no PS de o ouvir. Gostei!" Numa nota no Facebook, o líder do PS e presidente do partido comentou assim a mensagem de Ano Novo do Presidente da República.

Para Carlos César, "foi uma comunicação que seguiu na linha da recente mensagem de Natal do primeiro-ministro". "Embora sem o encargo mais difícil de governar, Marcelo Rebelo de Sousa, na sua alocução, corroborou as dominantes do discurso de Antonio Costa que combinam o sentido de responsabilidade com o inconformismo que deve pautar uma governação exigente", escreveu.

E foi por isto que gostou da mensagem. Quanto aos outros partidos, uma convicção: "Duvido que se tenham sentido tão confortáveis com as preocupações do Presidente."

Para o dirigente socialista, as preocupações do PR que "corroboram" as do chefe do governo foram as que se traduziram num "apelo a uma participação responsável nos actos eleitorais, à convivência e tolerância nas diferenças, aos valores democráticos e prioridade à diminuição das desigualdades".

E é também "importante outro apelo que o Presidente faz, no sentido de não corrermos riscos desnecessários satisfazendo, por razões eleitoralistas, reivindicacoes excessivas e populistas".

Isso - acrescentou - "condiz com os cuidados governativos actuais que atendem também às incertezas do futuro motivadas" por "riscos externos" que são "dificilmente mensuráveis", como "os do desfecho do Brexit".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.