António Costa envia "grande abraço de solidariedade" a Azeredo Lopes

O primeiro-ministro mantém confiança no ex-ministro da Defesa, entretanto constituído arguido devido ao caso Tancos, e também na justiça.

O primeiro-ministro António Costa assegurou hoje em Braga manter "total confiança" no ex-ministro Azeredo Lopes, que foi constituído arguido no processo relativo ao chamado 'caso Tancos', até porque a comissão de inquérito parlamentar já fez "um trabalho esclarecedor".

"Tenho total confiança", disse sobre o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes. Já sobre a comissão de inquérito parlamentar, afirmou que "fez um trabalho muito esclarecedor".

O ex-ministro foi constituído arguido na quinta-feira no processo sobre o furto de material de guerra em Tancos, considerando que esta condição, apesar de garantir mais direitos processuais, é "socialmente destruidora".

"Comunico que fui (quinta-feira) constituído arguido no processo relativo ao chamado 'caso Tancos'. Esta condição, se é verdade que me garante mais direitos processuais, é absolutamente inexplicável tendo em conta os factos relativos ao meu envolvimento do processo, que foi apenas de tutela política", referiu na altura, em comunicado enviado à agência Lusa.

Admitindo que "o dr. Azeredo Lopes está profundamente magoado com toda a situação", o primeiro-ministro lembrou que "é sobretudo importante que não restem quaisquer insinuações ou dúvidas sobre esta matéria", defendendo, por isso, total confiannça na Justiça e que esta "investigue o que tem a investigar". "À justiça o que é da justiça e à política o que é da política", disse.

Presente em Braga para participar na última sessão organizada pelo Partido Socialista para preparar o programa para as eleições legislativas, António Costa enviou "um grande abraço de solidariedade" a Azeredo Lopes e garantiu que irá aguardar "tranquilamente o que vão ser as conclusões de todo este processo".

No dia em que foi constituído arguido, o ex-ministro da Defesa mostrou-se convicto de que vai ser "absolutamente ilibado de quaisquer responsabilidades neste processo".

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 e, quatro meses depois, a Polícia Judiciária Militar (PJM) revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração com elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

O processo de recuperação do material militar levou a uma investigação judicial em que foram detidos o agora ex-diretor da PJM.

No dia 12 de outubro de 2018, Azeredo Lopes apresentou a sua demissão do cargo de ministro da Defesa Nacional. Na base do pedido de demissão estiveram os desenvolvimentos do processo de investigação judicial ao desaparecimento e recuperação das armas furtadas nos paióis de Tancos.

Exclusivos