1º de Maio. UGT recusa fazer ações de rua

Dia do Trabalhador será celebrado pela central sindical com mensagens dos seus líderes difundidas online

Ao contrário da CGTP, a UGT não vai fazer nenhuma manifestação presencial para celebrar o 1º de Maio - confirmou ao DN o líder da organização.

Carlos Silva explicou que, mesmo estando já o país a recomeçar a funcionar, seria uma "irresponsabilidade" a central promover agora uma qualquer ação de rua para assinalar o Dia do Trabalhador.

"Temos que defender a nossa saúde e a saúde dos outros. Não vamos fazer isso", explicou, dizendo ainda que alguma iniciativa presencial criaria "problemas às autoridades", as quais teriam de disponibilizar efetivos para vigiar a manutenção das distâncias sociais que ainda são necessárias.

Durante muito tempo, a UGT realizou o seu comício-festa do 1º de Maio junto à Torre de Belém , em Lisboa - enquanto a CGTP se concentrava na Fonte Luminosa, também em Lisboa.

No entanto, de há uns anos para cá, a central sindical tem vindo a realizar as suas celebrações de forma descentralizada, em cidades capitais de distrito. Para este ano já tinha sido decidido que seria em Vila Real - mas tudo foi cancelado.

A direção da central já instruiu os sindicatos inscritos para não realizarem iniciativas presenciais. A comemoração será inteiramente digital. Todos os líderes dos sindicatos gravarão pequenas mensagens que serão difundidas online. Carlos Silva, ele próprio, gravará uma mensagem um pouco maior, que também será enviada aos meios de comunicação social e difundida no site e nas redes sociais da central.

Também já foi adiado "sine die" o congresso da Tendência Sindical Socialista da UGT que definirá quem será o seu candidato a secretário-geral da UGT no congresso do próximo ano.

A CGTP já fez saber que assinalará o Dia do Trabalhador com "ações de rua" em todo o país. A intenção foi comunicada ao Governo e deste, segundo a líder da central, Isabel Camarinha, "não houve nenhuma oposição". A CGTP assegurou que serão cumpridas todas as normas de distanciamento social.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG