Marcelo apela a grevistas: "Respeitem os que podem sofrer as consequências dos meios de luta"

Num ano marcado por três eleições, a mensagem de Ano Novo do Presidente da República é um apelo à moderação e ao bom senso dos portugueses e dos partidos. E Marcelo pede "mais": economia forte, sociedade justa e políticos confiáveis.

"Simples, mas exigente." É assim, numa aparente contradição, que o Presidente da República desafia o país a olhar para o futuro, num ano marcado por três eleições, europeias, legislativas e regionais da Madeira. Aos portugueses pede que "não se demitam de um direito" de votar para não darem "mais poder a outros do que devem ter". Aos partidos, sem os mencionar ou fazer qualquer alusão ao governo, incentiva a debater tudo, mas sem criarem "feridas desnecessárias e complicadas de sarar".

E porque a contestação social cresceu nos últimos meses do ano já passado e promete prosseguir neste, Marcelo Rebelo de Sousa admite que a manifestação, a greve são formas de chamar a atenção dos eleitos, mas apela a que "respeitem sempre os outros, os que de vós discordam e os que podem sofrer as consequências dos meios de luta". Na mira do Chefe do Estado as lutas de professores, enfermeiros e outras que por aí venham de funcionários do Estado.

"Pensem como demorou tempo e foi custoso pôr de pé uma democracia e como é fácil destruí-la, com arrogâncias intoleráveis, promessas impossíveis, apelos sem realismo, radicalismos temerários, riscos indesejáveis"

Aos candidatos, e haverá muitos neste 2019, Marcelo insta a "analisarem com cuidado o percurso passado" e a assumirem o "compromisso de não desiludir" os eleitores. "Pensem como demorou tempo e foi custoso pôr de pé uma democracia e como é fácil destruí-la, com arrogâncias intoleráveis, promessas impossíveis, apelos sem realismo, radicalismos temerários, riscos indesejáveis".

Economia robusta, fim da pobreza e transparência

Na linha do que é simples, mas difícil, o Presidente assinala em três pontos quais devem ser os desígnios nacionais no próximos tempos. Marcelo diz que é preciso ter "ambição" de tornar não só a economia robusta, à prova de qualquer crise que nos chegue, como a de a aproximar das mais dinâmicas da Europa; e ainda conseguir "ultrapassar a condenação de um em cada cinco portugueses à pobreza", tal como a "fatalidade de termos 'portugais' a ritmos diferentes". Remata com o desejo de "mais credibilidade, transparência e verdade às instituições políticas".

Já antes tinha lembrado que "é preciso olhar para mais longe e mais fundo" e que os "princípios e valores aprendidos em novecentos anos de História" do país é que valem.

"Podemos e devemos ter a ambição de ultrapassar a condenação de um de cada cinco portugueses à pobreza e à fatlidade de termos Portugais a ritmos diferentes, com horizontes desiguais"

"Será pedir muito a todos nós, neste ano de 2019?" - Marcelo deixa a pergunta no ar. Mas com a resposta do Presidente que garante que estará vigilante para que nenhum esforço seja desperdiçado e nenhuma voz ignorada. "Quem venceu crises e delas saiu, com coragem e visão é, certamente, capaz de converter esse esforço de uma década num caminho mobilizador e consistente de futuro".

Logo no início da mensagem de Ano Novo, Marcelo tinha saudado os emigrantes e as forças de segurança e militares que estão fora ao serviço da paz e dos direitos humanos.

E recordado que os tempos são difíceis, em particular para a Europa com a partida do Reino Unido, a desaceleração da economia, e onde se veem crescer promessas sem democracia e sem pleno direito de igualdade das pessoas.

E no dia em que esteve na tomada de posse de Jair Bolsonaro, que muitos temem que volte a instaurar uma ditadura no Brasil, Marcelo disse a seguinte frase: "Não há ditadura, mesmo a mais sedutora, que substitua a democracia, mesmo a mais imperfeita."

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.