Suspeito de matar Beatriz em Lisboa fica em prisão preventiva

O corpo da jovem estudante de psicologia foi retirado do rio Tejo na sexta-feira.

O suspeito de matar a estudante universitária de psicologia Beatriz Lebre, de 23 anos, ficou este sábado em prisão preventiva, depois de presente a primeiro interrogatório judicial, em Lisboa, disse à agência Lusa o advogado do arguido.

Miguel Matias referiu que Rúben Couto, de 25 anos, ficou sujeito à medida de coação mais gravosa, decretada pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, acrescentado que não iria fazer mais comentários sobre o processo.

O arguido, colega da jovem, confessou ter matado Beatriz Lebre, natural de Elvas, indicou à Lusa fonte policial.

Na sexta-feira, a Autoridade Marítima Nacional anunciou que foi encontrado um corpo no rio Tejo, na zona de Santa Apolónia, em Lisboa. As autoridades acreditam tratar-se do corpo da vítima, que terá sido morta pelo arguido há cerca de uma semana.

A Polícia Judiciária (PJ), que está a investigar o caso, avançou em comunicado, na quinta-feira, que deteve um homem de 25 anos "por fortes indícios da prática de um crime de homicídio".

A PJ recorda na nota que o crime ocorreu em 22 de maio, "vitimando uma mulher, de 23 anos, colega do presumível autor, a qual se encontrava desaparecida desde então".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG