Repatriados de Timor chegam amanhã à noite a Lisboa

Os portugueses que se encontram em Timor, na maioria professores, chegam este sábado à noite a Lisboa, depois de 17 horas de viagem e passando por vários países. Foi preciso autorizações de todos eles, o que atrasou o repatriamento de 220 emigrantes.

Um avião com 220 portugueses a bordo parte este sábado às 07:20 da capital de Timor Leste (23:20 desta sexta-feira em Lisboa). São sobretudo docentes que se encontravam no país ao abrigo de programas de cooperação para o ensino da língua portuguesa e acompanhamento na educação.

O repatriamento, necessário devido à pandemia de novo coronavirus, cobre a quase totalidade daqueles docentes, existindo um ou outro que preferiu ficar. "Há colegas que decidiram ficar, uma minoria, mas a verdade é que originou sentimentos estranhos, do tipo uns são os heróis e outros, os covardes. Sentimentos de culpa de quem vai e grande apreensão por parte de quem decidiu ficar. Pessoalmente, estou bem com a minha consciência, a minha decisão foi tomada desde o primeiro minuto", disse ao DN uma dessas docentes.

Segundo a agência Lusa Lusa, os portugueses viajam no Boeing B767-300ER da EuroAtlantic Airways (EAA). E a Embaixada de Portugal em Díli informou que o aparelho tem 240 lugares, sendo os restantes 20 ocupados por outros europeus que pretendam aproveitar a viagem.

O avião partiu do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, esta quinta-feira à tarde.

Os passageiros suportam 50% do custo das viagens (1300€), sendo o resto comparticipado pelo Estado português. Pagarão, também, a taxa de aeroporto, cerca de 9 euros. Uma vez em Lisboa, são os próprios a garantir o regresso aos locais de origem. Não existe qualquer indicação, para já, se terão de cumprir um período de quarentena uma vez chegados a Portugal.

A docente portuguesa descreve a atual situação de Timor Leste como a de um país que vive a meio gás. "Nas pequenas localidades, a maioria do comércio está fechado e os preços subiram muito principalmente para os estrangeiros. Díli também está com muitos restaurantes e outros estabelecimentos fechados e os que estão abertos têm os preços inflacionados. A população anda de máscaras, os estabelecimentos abertos exigem lavagem de mãos (e em que condições, muitas vezes). Dizem-me que já há cerca de 900 pessoas em quarentena na capital. Imagino em que situação, conhecendo eu os hospitais e os centros de saúde locais. No nosso caso, uma simples fratura obriga a uma evacuação, por isso, não é difícil fazer uma ideia do que isto poderá vir a ser".

Em Timor-Leste. de acordo com dados do Worlometer, existe apenas um caso confirmado de covid-19 em Timor-Leste.

Acompanhe aqui toda a informação sobre a pandemia de coronavírus.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG