Mulher com Covid-19 é professora na Amadora. Alunos em isolamento em casa

A professora dá aulas na Escola Básica Roque Gameiro, na Amadora. Cerca de 150 alunos, três funcionários e cinco professores que tiveram contacto mais próximo com a docente vão ficar em casa para cumprirem um período de isolamento de 14 dias.

A primeira mulher infetada no nosso país com o novo coronavírus é uma professora da Escola Básica Roque Gameiro, com pouco mais de 40 anos. Esteve em Itália e os testes que realizou deram na quarta-feira positivo para Covid-19. Como medida de prevenção, alunos de cinco turmas do 7º e 9º ano, a que se junta uma turma do 11º ano da Escola Secundária da Amadora, onde a professora também dá aulas, estão agora em isolamento em casa. A escola não irá encerrar. No total serão cerca de 150 alunos isolados, a se juntam nesta medida preventiva três funcionários e cinco professores da Roque Gameiro que contactaram de forma mais próxima com a professora doente.

"Foi a medida adequada à situação", disse Mário Durval, delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, após reunir na escola com os responsáveis e os pais. O encerramento do estabelecimento de ensino foi afastado por não se justificar. Este isolamento dos alunos "é consequência da análise de risco existente" nesta altura, salientou o responsável, para quem as medidas "até podem ser excessivas", já que o Covid-19 atinge pouco os mais novos e muitos destes alunos nem tiveram contactos próximos - dois metros - com a professora.

Mário Durval pediu aos pais para seguirem as recomendações de saúde pública e manterem a tranquilidade. "É natural que haja pais preocupados. Por isso as turmas foram enviadas para casa", disse. Os alunos irão ficar até dia 14 em isolamento profilático nas suas residências e serão contactados diariamente pela unidade de saúde da Amadora. Se houver algum caso positivo, haverá uma intervenção imediata.

Francisco Marques, diretor do agrupamento, realçou que o caso só foi conhecido na quarta-feira à noite. A professora contactou a Saúde24 após regressar de Milão, mas como não tinha sintomas foi aconselhada a manter a vida normal, sem realizar o teste. Mário Durval considera esta situação normal, já que, sem sintomas, não se pode, em saúde pública, começar a fazer testes a todos os que chegam de zonas mais afetadas.

O diretor da escola explicou que mal a professora sentiu os primeiros sintomas e foi então realizar o teste, no dia 1, ele próprio assumiu que ela deixasse de dar aulas até ser conhecido o resultado, o que aconteceu na quarta-feira à noite. Este responsável admite que se houver pais que não levam os filhos à escola neste período de 14 dias a situação será analisada e atendida. "Neste período dos 14 dias, desde o dia 1, haverá compreensão."

Esta reunião com pais na escola serviu para tranquilizar e explicar as medidas. Antes, a Direção-Geral de Saúde tinha confirmado a situação. "Falando com pais e professores, chegou-se à conclusão que existiam cinco turmas de risco e [os delegados de saúde] agiram em conformidade", afirmou Graça Freitas, diretora-geral de Saúde à RTP.

Tal como o DN informou, neste momento os alunos das turmas identificadas estão em "isolamento profilático" durante 14 dias.

O agrupamento das Escolas Pioneiros da Aviação Portuguesa já tinha publicado um comunicado, no qual afirma que "face a esta situação, foi determinado pela Autoridade de Saúde que as cinco turmas da E.B 2/3 Roque Gameiro e uma turma da Escola Secundária da Amadora que tiveram aulas com esta professora vão ficar em isolamento social até 13 de março, inclusive, nas suas residências, não podendo portanto vir à escola".

A escola esclarece que uma professora da Escola Básica 2º e 3º Ciclos Roque Gameiro "esteve de férias em Milão, Itália, na semana passada, tendo retornado às suas aulas na quinta-feira, dia 27 de fevereiro, e também no dia 28". Desde esta segunda-feira que a professora não tem ido à escola, tendo-lhe sido diagnosticado Covid-19 na quarta-feira.

Alunos em isolamento vão ser monitorizados diariamente

Além dos alunos, também professores e os assistentes operacionais que tiveram contacto com a professora "ficam em situação de isolamento".

No comunicado, o agrupamento esclarece ainda que os alunos em isolamento vão ser contactados diariamente pelas autoridades da Saúde, via telefone, "para monitorizar o seu estado de saúde".

"Embora os jovens deste grupo etário (do 7º, 9º e 11º ano) não tenham grande suscetibilidade para ficarem doentes com esta situação, terá de ser efetuado o controlo do aparecimento dos seguintes sintomas: febre ou tosse ou dores de garganta", lê-se ainda na nota, em que se pede aos pais dos jovens que "deve ser respeitado o seu isolamento durante este período de tempo nas suas residências".

Tal como a DGS, a escola reforça a recomendação para que que caso surjam estes sintomas deve-se contactar a linha SNS 24 (800 24 24 24).

O agrupamento escolar afirma que a restante comunidade escolar pode "estar tranquila, dado não ter existido qualquer contacto com esta professora por parte de outros alunos".

Também numa escola da Covilhã foi confirmado um docente com covid-19, o mesmo professor que levou à suspensão de atividade na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE), do Instituto Politécnico do Porto

Esta quinta-feira, a Direção-Geral de Saúde (DGS) informou que Portugal tem mais dois casos confirmados do novo coronavírus. Entretanto, foi confirmado o 9º caso de Covid-19 em Portugal. Trata-se de um homem que esteve em Itália e que está internado no Hospital Curry Cabral, em Lisboa.

O 7º e o 8º novos casos confirmados são de dois homens que estão internados no Centro Hospitalar Universitário de São João. Um tem 50 anos e veio de Itália e o outro, de 49 anos, tem ligação a caso confirmado, refere a DGS, em comunicado. A situação clínica dos dois doentes "está estável".

No total, Portugal tem oito casos de Covid-19 - sete homens e uma mulher. Os doentes estão internados em hospitais do Porto, Coimbra e Lisboa.

Dos oito casos de intefados, três são referentes a contágio já em Portugal e os restantes são importados.

Os dois primeiros infetados no país - confirmados na segunda-feira pela ministra da Saúde e pela Direção-Geral da Saúde -, dizem respeito a dois homens, um médico de 60 anos com ligação epidemiológica a Itália e um comercial de 33 anos que esteve em Valência.

Na terça-feira, surgiu a confirmação de mais dois infetados, todos eles com ligação aos casos anteriomente diagnosticados com Covid-19 em Portugal.

De acordo com a informação da DGS, o 3º caso refere-se a um homem de 60 anos, internado no Hospital de S. João, no Porto, com "ligação a caso confirmado" e 4º caso reportado é o de um homem de 37 anos, que está no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, igualmente com "ligação a caso confirmado" para o novo coronavírus.

Já o quinto infetado por Covid-19 em Portugal é professor na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE), que faz parte do Instituto Politécnico do Porto (IPP), tendo regressado recentemente de Itália.

O sexto caso é de um paciente de Lisboa e é referente a uma mulher entre os 40 e os 49 anos. Trata-se de um caso importado, uma vez que a mulher esteve recentemente em Itália.

No boletim divulgado ao final do dia de quarta-feira sobre a situação epidemiológica em Portugal, a DGS informava que estavam registados 117 casos suspeitos.

Atualizado às 15:03

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG