Ministro culpa o clima e rejeita críticas à atuação do comando nacional

Eduardo Cabrita deixa elogios à atuação de autarquias e autoridades

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, rejeitou esta quinta-feira quaisquer falhas no combate aos incêndios em Monchique, sublinhando as "condições meteorológicas excecionais" que o país atravessou.

"Tivemos condições meteorológicas absolutamente excecionais no período em que estivemos sob alerta especial entre o dia 2 e o dia 7 de agosto. Bateram-se recordes de temperatura mais elevada, temperaturas mínimas muito elevadas, com consequências que determinaram um quadro de avaliação de risco que estava previamente identificado, que permitiu posicionamento de meios nas áreas de maior risco", afirmou o ministro, em entrevista à TVI.

Para Eduardo Cabrita, é de notar que "tivemos muito menos ignições do que em qualquer período comparável" e mesmo relativamente aos grandes incêndios de Monchique, realçou que "ao fim de sete dias o incêndio está estabilizado sem perda de qualquer vida humana".

O governante rejeitou quaisquer críticas relativamente à atuação da proteção civil e das autoridades. Elogiou a "articulação dos bombeiros" e, quanto à mudança da liderança na coordenação das operações - cuja passagem para o comando nacional foi considerada tardia pela líder do CDS-PP, Assunção Cristas - afirmou ter-se realizado no momento certo, após "avaliação em função da duração do evento e das condições no terreno".

A decisão, disse, "teve que ver com a evolução do incêndio e a dimensão dos meios".

O incêndio algarvio foi esta quinta-feira dado como "globalmente estabilizado". "Mal o incêndio seja considerado como controlado, imediatamente o Governo realizará com os três municípios diretamente abrangidos o início dos trabalhos de avaliação", afirmou Eduardo Cabrita à estação de Queluz de Baixo.

Uma avaliação que será feita pelo MAI "na área das habitações", em coordenação "com o Ministério do Ambiente - com o novo programa 'Porta de Entrada' -, na área da agricultura, avaliando os danos de produções e de perda de animais, com o Ministério da Economia, vendo se houve danos em unidades turísticas da região" e ainda "com o Ministério do Trabalho verificando que, destas pessoas que tiveram de ser apoiadas, quantas continuarão a precisar de sê-lo, designadamente por não poderem voltar às suas situações", disse o ministro a Administração Interna.​​

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG